Quarta-feira, 12.12.12


12.12.09  .  12.12.12



afonso ferreira às 12:42 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 11.12.12

At five, Gregorius called Constantine Doxiades, his eyes specialist. They had often called each other in the middle of the night to share their common suffering from insomnia. Sleepless people were bound by a wordless solidarity. Sometimes he played a blind game of speed chess with the Greek, and afterwards Gregorius could sleep a little before it was time to go to school. Night train to Lisbon, Pascal Mercier



afonso ferreira às 17:43 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 10.12.12


Não há melhor prova de delito do que papel escrito.



afonso ferreira às 19:45 | link do post | comentar
|

Domingo, 09.12.12


afonso ferreira às 22:43 | link do post | comentar
|

Sábado, 01.12.12

O canastrão que meti em tribunal este ano decidiu processar-me por difamação. Para perceberem melhor vou usar uma metáfora – imaginem que são assaltados com uma arma branca e o ladrão decide processar-vos por dizerem que era um canivete. Enfim. Perco mais uma bela manhã de trabalho para ler quatro páginas repletas de mentiras, imprecisões de datas e acções, lista de testemunhas de brandar aos céus, e – espanto – três tiros certeiros no próprio pé. Já para não mencionar os erros ortográficos (mas quem são estes advogados?...) e a estratégia errada que qualquer advogado estagiário jamais consideraria uma opção válida. Como resposta foi preparado um dossier de quase duzentas páginas de provas. Uma pessoa pode tolerar muita coisa na vida e na literatura, menos falta de rigor.



afonso ferreira às 13:46 | link do post | comentar
|

Já contei algumas vezes isto, em jantares, aqui e ali, mas sempre no círculo de amigos. Há dois anos estava absolutamente fascinado com as caixas de comentários na internet, qualquer coisa servia, notícias nos jornais online, blogs, as polémicas do dia. Depois de alguns meses de leitura desse reduto fascinante desenvolvi algumas teorias que tiveram a sua expressão máxima num texto que por essa altura escrevi e do qual já só recordo vagamente o título. Aquelas tralhas que uma pessoa deixa na gaveta à espera do momento certo, etc. Mas foi nessa altura que numa noite ao ler uma extensa caixa de comentários na página dos Técnicos Oficiais de Contas fui parar a um segundo site onde li uma descrição de um evento mirambolante passado em Lisboa. Essa descrição acompanhou-me durante algumas semanas, um dia sentei-me ao computador e sem pensar muito, de forma automática, comecei a escrever. Dois anos e muitas páginas depois, muitos livros lidos, visitas ao local, fotografias e emails trocados, o livro está quase pronto. Raramente leio agora caixas de comentários, na verdade evito-as, mas não posso deixar de agradecer à essa fabulosa expressão da democracia online, sem ela não haveria livro.



afonso ferreira às 02:45 | link do post | comentar
|

Bad sex awards 2012 shortlist leaves out JK Rowling and EL James.



afonso ferreira às 02:35 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 26.11.12


afonso ferreira às 23:34 | link do post | comentar
|

Fiction must compete with first-rate reporting. If you cannot write a story that is equal to a factual account of battle in the streets or demonstrations, then you can’t write a story. 

John Cheever 



afonso ferreira às 14:36 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Is in a relationship with life and it's complicated.



afonso ferreira às 12:59 | link do post | comentar
|

Domingo, 25.11.12

 

Te tomaré descalza

en día domingo,
te santificaré,
te haré feliz.

Andaremos rodando
por la casa
—le pondremos alfombras—
y correremos las cortinas
para que entre el sol.

Tomaremos cerveza
y nos bañaremos.

A la hora de comer
encenderemos el radio
y con las noticias
de Inglaterra 
y de Beirut
te besaré en la boca.

Te pondré sobre la piel
la palma de mis manos
y tú pondrás 
sobre mis manos
la palma de tus manos.

Nos amaremos en domingo
que hay tanta luz.


Alejandro Aura




afonso ferreira às 15:13 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|



afonso ferreira às 12:30 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sábado, 24.11.12

....



afonso ferreira às 19:23 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

A melhor parte do livro foi descobrir os teus sublinhados a tinta permanente, a caneta que conheço tão bem, o risco a iniciar fino e a acabar numa pequena gota a pedir o mata-borrões. Apontamentos para que prendesse a minha atenção ao essencial, fios de uma comunicação eficaz que me chega numa tarde de chuva, lareira e novas direcções no mapa complexo de afinidades.



afonso ferreira às 18:04 | link do post | comentar
|

(...) Em sentido amplo, a criminalidade informática "englobará toda a panóplia de actividade criminosa que pode ser levada a cabo por meios informáticos, ainda que estes não sejam mais do que um instrumento para a sua prática, mas que não integra o seu tipo legal, pelo que o mesmo crime poderá ser praticado por outros meios". Já num sentido estrito, apenas "abarcará aqueles crimes em que o elemento digital surge como parte integrador do tipo legal ou mesmo como seu objecto de protecção". (...) Deste modo, o pretenso, mas não cientificamente sustentável, direito penal da informática, que resulta "de um movimento que aparece, de maneira nítida, como manifestação impositiva", sem prejuízo das suas específicidades, pode e deve continuar a ser tratado "com os 'instrumentos' tradicionais do direito penal". (...) Na verdade, "em regra, as novas formas de criminalidade ligadas aos meios tecnológicos destacam-se não porque consistem em condutas substancialmente diferentes daquelas que tradicionalmente preenchem os tipos legais de crime correspondentes, mas porque, e apenas, os instrumentos (os equipamentos electrónicos e as técnicas informáticas) utilizados na prática das infracções criminosas são diversos dos tradicionalmente previstos pelo legislador penal". (...) A prova eléctrónico-digital pode definir-se como qualquer tipo de informação, com valor probatório, armazenada [em repositório eléctrónico-digitais de armazenameno] ou transmitida [em sistemas e redes informáticas ou redes de comunicação electrónicas, privadas ou publicamente acessíveis] sob a forma binária ou digital.

A propósito da prova digital no processo penal, Dr. Renato Lopes Militão, in Revista da Ordem dos Advogados



afonso ferreira às 14:52 | link do post | comentar
|



afonso ferreira às 14:40 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Quinta-feira, 22.11.12

Já aqui escrevi sobre Edmundo Pedro. Contei-lhe o que se conhecia ao pormenor mas estava esquecido: que inaugurara o campo do Tarrafal, que fora torturado e humilhado, que Bento Gonçalves morrera nos seus braços, que fora comunista e o deixara de ser muito antes do 25 de Abril de 1974. 



afonso ferreira às 12:45 | link do post | comentar
|

Acordar em Novembro como se Agosto fosse.



afonso ferreira às 12:43 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 06.11.12


afonso ferreira às 23:33 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

Segunda-feira, 05.11.12

Rui Pedro Soares vai ficar com 60 a 80% da SAD do Belenenses. Os sócios do clube do Restelo aprovaram a cedência da maioria do capital da SAD ao fundo de investimento do ex-administrador da PT.

 

Quem lê estas notícias até se esquece que ainda agora começou o julgamento. Pelo meio é a debandada geral de quem fechou negócios ou deve cargos a este senhor. O que dizer mais?


Arquivado em:

afonso ferreira às 22:48 | link do post | comentar
|

Domingo, 04.11.12

 

Deixai que em suas mãos cresça o poema 
como o som do avião no céu sem nuvens 
ou no surdo verão as manhãs de domingo 
Não lhe digais que é mão-de-obra a mais 
que o tempo não está para a poesia 

Publicar versos em jornais que tiram milhares 
talvez até alguns milhões de exemplares 
haverá coisa que se lhe compare? 
Grandes mulheres como semiramis 
públia hortênsia de castro ou vitória colonna 
todas aquelas que mais íntimo morreram 
não fizeram tanto por se imortalizar 

Oh que agradável não é ver um poeta em exercício 
chegar mesmo a fazer versos a pedido 
versos que ao lê-los o mais arguto crítico em vão procuraria 
quem evitasse a guerra maiúsculas-minúsculas melhor 
Bem mais do que a harmonia entre os irmãos 
o poeta em exercício é como azeite precioso derramado 
na cabeça e na barba de aarão 

Chorai profissionais da caridade 
pelo pobre poeta aposentado 
que já nem sabe onde ir buscar os versos 
Abandonado pela poesia 
oh como são compridos para ele os dias 
nem mesmo sabe aonde pôr as mãos 
Ruy Belo


afonso ferreira às 10:24 | link do post | comentar
|



afonso ferreira às 10:18 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 29.10.12

 

 

 

László Moholy-Nagy, NYC 1930



O fim de Outubro trouxe de volta o rito anual de atrasar os relógios, adensando a escuridão que caía sobre as nossas tardes e deprimindo ainda mais a nação. Novembro começou com outra vaga de frio e com chuva quase diária. O tema de todas as conversas era a "crise". As tipografias do Estado imprimiam senhas de racionamento de gasolina. Não se via nada de semelhante àquilo desde aúltima guerra. A sensação geral é que estávamos a encaminharmo-nos para qualquer coisa grave, mas difícil deprever e impossível de evitar. Havia a suspeita de que o "tecido social" estava a desfazer-se, embora ninguém soubesse muito bem o que isso ia implicar. Mas eu estava feliz e ocupada, finalmente tinha um amante. Mel, Ian McEwan



afonso ferreira às 10:50 | link do post | comentar | ver comentários (4)
|

Domingo, 28.10.12

O acordo que Joaquim Oliveira tem em mãos para vender os activos de media que detém na Controlinveste foi assinado com o angolano Domingos Vunge. (...) o empresário com ligações à Neshold foi o interlocutor da operação que prevê a mudança de propriedade para mãos angolanas de meios como o "Diário de Notícias", "Jornal de Notícias", "TSF" ou "O Jogo". (...) A concretizar-se o acordo esta será um reedição de uma estratégia já aplicada pelo empresário angolano em 2009, quando foi um dos rostos da operação de compra do "Sol". (...) Foi na sequência da compra do "Sol" que foi criada a Newshold, empresa presidida até este Verão pela advogada Ana Bruno e onde Domingos Vunge e Vítor Fernandes foram administradores até 2011. (...) a verdeira identidade titularidade da Newshold mantém-se até hoje desconhecida: a empresa é participada em 95% pela sociedade Pineview Overseas, sedeada numa offshore no Panamá. (...) No entanto, o Expresso sabe que o homem forte por detrás da Newshold é Álvaro Sobrinho, chairman do Banco Espírito Santo de Angola. (...) Depois do "Sol", a Newshold comprou uma participação inferior a 2% na Impresa – proprietária do Expresso – adquiriu 15,08% do Grupo Cofina – dono do "Correio da Manhã" – e assumiu a gestão do diário "i". É esta conjugação de activos – aliada ao desconhecimento sobre a titulariedade da Newshold – que suscita a preocupação (...): a concretizar-se a venda da Controlinveste e a confirmar-se a ligação de Domingos Vunge e a Newshold, a empresa angolana passa a deter – directa ou indirectamente – participações no "DN", no "JN", no "CM", e no "i", ou seja em quatro dos cinco diários jornalistas. Somando a estes meios o jornal "Sol", a rádio TSF e a possível participação na privatização da RTP, a Newshold fica na iminência de se tornar num dos mais poderosos grupos de media em Portugal. Sem que se saiba de forma oficial quem são os donos da empresa. Expresso, 27.10.12



afonso ferreira às 19:51 | link do post | comentar
|

Sábado, 27.10.12

A merger between Penguin and Random House would mean one company publishing 25% of all books in the UK.



afonso ferreira às 19:42 | link do post | comentar
|

Sexta-feira, 26.10.12

 

 

 

Cinco décadas de ditadura produziram um estranho fenómeno – não há português que não confunda vingança com justiça.



afonso ferreira às 22:32 | link do post | comentar
|

Quinta-feira, 25.10.12

Preparar uma prenda de anos com todo o cuidado; não é tarefa fácil congeminar em segredo algo que desejamos que seja inesquecível e eterno. 



afonso ferreira às 13:58 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Revista literária Granta vai ter edição em Portugal.



afonso ferreira às 13:10 | link do post | comentar
|

Olho o monte de páginas que ficará no meu lugar na paz de um campo que tratei sozinho: resta-me voltar para casa e fechar a porta. O meu trabalho está praticamente terminado. Escrevi os livros que queria, da maneira como queria, dizendo o que queria: não altero uma linha ao que fiz e, se me dessem mais cem anos de vida em troca deles, não aceitava. Era exactamente isto que ambicionava fazer. Há uns dez dias acabei o último. Se tiver tempo, e embora a obra esteja redonda.



afonso ferreira às 12:44 | link do post | comentar
|

A advogada preta, gira, esperta e de dicção perfeita, defende dois arguidos pretos que alegadamente roubaram outro da mesma raça. Aqueles remetem-se ao silêncio, numa estratégia que viria a revelar-se inteligente e deixam a vítima meter os pés pelas mãos, contradizendo-se, voltando atrás, os olhos erráticos e o corpo a tiquetaquear, denunciando as pequenas mentiras e as meias verdades com que insiste em penalizar a assistência. (...)



afonso ferreira às 02:00 | link do post | comentar
|


Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds