Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

 

Há muitos acontecimentos que surgem na minha memória com extrema nitidez mas não sei dizer o dia exacto em que ocorreram. Mas há um dia, 26 de Outubro de 1998, que sei precisamente onde estava. Seguia num táxi e passava pelas Amoreiras. Um glorioso dia de sol, o outono avançava timidamente, e, no rádio, a notícia da morte de José Cardoso Pires. Recordo a sua partida como quem recorda a de um parente. O autor de um dos livros da minha vida – Alexandra Alpha – desaparecia e, com ele, a oportunidade de lhe fazer uma pergunta. A primeira vez que li o livro tinha treze anos, voltei às suas páginas muitas e muitas vezes nas duas décadas seguintes. Foi decisivo para compreender a geração dos meus pais e, mais do que o início da percepção da situação política e social do país onde nasci, percebi as angústias, sonhos e pensamentos daquela geração. Deixou outro livro, o derradeiro, De Profundis, Valsa Lenta, que haveria de comover-me até às lágrimas pelo facto de uma pessoa próxima ter passado pelo mesmo. Quando recuperou a consciência, depois de um AVC fulminante, foi a primeira coisa que lhe levei. Cheguei ao quarto do hospital com o livro na mão e vi-o, pela primeira vez, a chorar compulsivamente. Fiquei com o livro a abanar no ar sem saber se era um mau ou bom sinal – uns dias antes nem reconhecia o seu próprio braço esquerdo (de quem é este braço, este que aqui está na minha cama, perguntava com ar aflito a apontar com a cabeça na direcção do próprio braço). Nesse cenário devastador, chorar, ter consciência da situação, é uma bênção, pensei, tentando apaziguar os meus fantasmas. E ainda há outro livro, Lisboa, Livro de Bordo, que amo para além de uma explicação racional. Um passeio muito mais longo que o simples percurso de ruas e lugares, uma aventura pela memória onde foi feliz. Serve este post para divulgar que a 16 de Janeiro, Clara Ferreira Alves, António Lobo Antunes e Júlio Pomar, entre outros, vão estar no São Luiz a recordar o autor; que a 23 de Janeiro celebra-se o 50º aniversário da publicação O Render dos Heróis e a 30 de Janeiro o 30º aniversário da publicação de Corpo Delito na Sala de Espelhos. Vai ser bom, mas não é a mesma coisa. Gostava era de perguntar pessoalmente qual era a verdadeira intenção da Alexandra ao levar o dotorzinho à Vila Berta, o que pensava enquanto tinha relações debaixo da nespereira e desvendava a traição. Esta questão atormenta-me há vinte anos e eu não tive oportunidade de lhe perguntar.

 


Arquivado em:

afonso ferreira às 19:15 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De Vera a 5 de Janeiro de 2010 às 09:49
Gostei tanto deste teu post! Também gosto muito deste Senhor e das suas letras. Li o Alexandra Alpha há muito tempo e o Valsa Lenta no ano passado. Maravilhoso.
Um beijo. Obrigada pela divulgação das actividades :-)


De afonso ferreira a 5 de Janeiro de 2010 às 16:36
Vera, uma leitora de JCP é sempre bem-vinda neste blog. bjs


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds