Sexta-feira, 23 de Julho de 2010

 

Um dos textos que li aqui foi o Sem amor, sem abrigo apesar da temática não ser a mais apropriada, pensei que seria pertinente ler o texto mais procurado no blog. Infelizmente, como se adivinha, a maioria das entradas são pessoas à procura de notícias sobre os suicídios ocorridos no próprio dia. A partir desse facto foi inevitável fazer a viagem inversa, procurar eu novas histórias também. O texto originou igualmente alguns emails. Mas a viagem mais complexa aconteceu no próprio evento. Ao jantar alguém questionava-me o motivo de ler um fórum de suicídios. Não tinha uma resposta pronta, e a esta distância só me ocorre dizer que não percebo como não o poderia fazer. Talvez no futuro, quando o puzzle estiver completo, tenha uma resposta mais sapiente, por agora continuo intrigado o suficiente para o continuar a fazer apenas. A mesma pessoa curiosa pelos minhas leituras mórbidas tinha uma história para oferecer. Era a segunda pessoa a quem a contava. Um dia ao ir para o trabalho passou por uma ponte. Na ponte estava um homem sentado. O instinto alertou-o para a situação e decidiu parar o carro e abordar a pessoa. O pior aconteceu, o homem saltou. Há um medo em nós quando pressentimos que o relato não vai acabar bem, mas como não o ouvir? Mas a situação mais dramática aconteceu no dia seguinte depois da minha intervenção. Uma pessoa leitora do blog que compareceu ao evento, contou-me no jardim, por entre caipirinhas e planos de férias, que o filho tinha cometido suicidio. Não consigo descrever o momento. Faltam-me palavras, falta-me estrutura para alinhavar palavra atrás de palavra para descrever o que senti. Talvez alívio, por nunca ter passado por uma perda dessas. Como ultrapassar algo assim? Estranha viagem a de alguns textos, na memória perduram recordações alheias –  o som que o corpo fez ao cair, o braço que ficou esfacelado na estrutura da ponte a tentar segurar o inevitável, o cinto que cedeu ao peso – e desejos de homenagem – será tempo de publicar os desenhos que ele era perfeito a fazer?



afonso ferreira às 13:41 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De cristina gomes da silva a 23 de Julho de 2010 às 14:15
Muito boa, esta viagem. Ainda que estranha. Bom fim-de-semana :-)


De afonso ferreira a 23 de Julho de 2010 às 14:19
Obrigado, Cristina. bom fim-de-semana :)


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds