Domingo, 25 de Julho de 2010

 

Na praia não há um espaço livre mas isso não me incomoda. O mar tranquilo, um avião a riscar o céu. Depois piruetas, cambalhotas aéreas, parece perigosamente próximo da linha de água. Os barcos a passar. Uma pirueta, duas, três. Agora pirueta a girar sobre si próprio também. Foi assim que o outro morreu. Uma pirueta na avioneta para impressionar a mais-que-tudo. Tão bom rapaz, não fumava nem bebia. Os barcos a passarem. Ela assistiu a tudo, a cambalhota falhada, o avião a cair, o rapaz inteligente lá dentro, a queda fatal. Não fumava, não bebia. O velho forte é bonito e é feio, simultaneamente. Garantem-me que em Novembro vai ser palco de conspirações. Vem aquele muito importante, e os outros também. Os barcos a passarem. Eu a contar tatuagens. Parece que estou outra vez na Checoslováquia há doze anos. Tatuagens e filhos. Tantas crianças a caminho e tantas pessoas desorientadas. Na praia, um dia de sonho. Interrogo-me por que serão os melhores amigos tão parecidos? Não me pareço com ninguém. O helicóptero no céu com o contentor da água a oscilar. Os incêndios ao longe. O país a arder e esta água tão fria. Os barcos a passarem. Falas-me desta arquitectura desaparecida, estas construções, estes fortes que arquitectámos no mundo inteiro, que resistem à força do mar, que não cedem. Eu nunca tinha pensado nessa força, conversar é isto também, emprestarem-nos outros olhos, obrigarem-nos a olhar estupefactos para a força de algumas ideias. O mundo a mudar tão rápido. Neste dia de sonho, cheio de bons rapazes,  os barcos continuam a passar.



afonso ferreira às 23:26 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De ccf a 26 de Julho de 2010 às 15:32
É a coisa boa dos outros existirem, nos darem os seus olhos para podermos descobrir com eles coisas que não vemos com os nossos.
~CC~


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds