Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010

 

 

No próximo sábado, dia 9, o Homem na Cidade estará presente na edição da revista Nós do jornal i com um conto sobre o Ary dos Santos.

 

 

(...) – Fiz questão de morrer nesta casa. O O'Neill quando foi ter comigo fartou-se de gozar com a minha última frase. Diz ele que "Hospital não" são palavras finais inglórias para o poeta do povo. É capaz de ter razão, devia ter pronunciado algo mais carismático, que brilhasse nesse lugar estranho que é a posteridade. Como o Pessoa. Sabe qual foi a última frase que escreveu antes de morrer? "I know not what tomorrow will bring". "Não sei o que o amanhã trará". Isto sim, é uma frase digna de despedida, premonitória e, para mais, em inglês. Chiquíssimo. Digna de pedra tumular. A mim saiu-me a do hospital. 

– Serviu para cumprir a sua vontade. O Pessoa, apesar desse rasgo literário escrito, parece que, no leito da morte, a última coisa que o ouviram dizer foi "Dá-me os óculos!".  Finou-se no Hospital de São Luís dos Franceses, por coincidência acometido pelo mesmo mal no fígado e com a mesma idade, mas sozinho e míope. 

– Uma chatice. Bom rapaz, temos tido boas conversas e bebido melhor ainda. 

 

Casa da Saudade

 

 

 



afonso ferreira às 14:28 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De leonardo mandoki a 7 de Janeiro de 2010 às 16:46
estarei atendo...


De Vera a 7 de Janeiro de 2010 às 16:51
Parabéns :-)
Vou ler e depois venho dizer o que pensei...ainda por cima Ary dos Santos. maravilhoso!


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds