Segunda-feira, 2 de Agosto de 2010

 

Há um sítio secreto na cidade. Nunca aqui vim acompanhado, nunca encontrei um conhecido. Tem uma vista de cortar o fôlego e sempre em mutação. Hoje tem seis gruas e um avião. Gosto das flores de plástico, são muitas e de todas as cores. É o sítio ideal para desligar o telefone e pensar na vida. Desconfio que este lugar é o sítio secreto de muitas pessoas. Há uma mulher de camisa azul que chegou ao mesmo tempo. Está sentada em silêncio a olhar para as gruas. Tem o olhar triste de quem acabou de desligar o telemóvel. Um dia tão bonito, o barulho da cidade, as buzinas, as obras, os martelos pneumáticos, o elevador que faz tanto barulho e ela tão silenciosa.



afonso ferreira às 18:40 | link do post | comentar
|

3 comentários:
De omeuinstante a 2 de Agosto de 2010 às 21:42
Há um sítio secreto na cidade e/ou dentro de nós.Tão secreto que nem nós lhe temos acesso. De quando em quando há um caminho que nos diz: "vem por aqui". E escutamos uma multiplicidade de respostas.
Mas o importante é a radicalidade da pergunta; o porquê das coisas.
Breves instantes.


De rafael a 2 de Agosto de 2010 às 22:53
muito legal!!


De Verónica a 13 de Agosto de 2010 às 12:56
...há um sítio secreto onde só entra quem eu quero!!! Chamo-lhe a minha sala de estar. Entro eu e tenho encontros de "de mim, comigo",entram aqueles que sempre deixam nessa sala algo seu e meu, saem quando querem, têm essa liberdade, mas podem para sempre aí permanecer, mesmo após a sua partida... só porque deles gostei!!!
Aí existem sons, melodias harmoniosas, muitas por mim inventadas, chamo-lhe sonhos, mas também existe poluição sonora, tento afastá-la. Nem sempre é fácil, mas teimosamente tento e por vezes aí sinto paz...adormeço nos sonhos onde não existem flores de plástico, diga-se...não gosto delas...levam-me a um outro lugar de silêncios, onde tanto ficou por dizer...


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds