Terça-feira, 17 de Agosto de 2010

 

Mal colocamos um pé na ilha somos abordados pela diversidade da vida animal. Começamos nas baratas gordas com dez centímetros que tropeçamos amiúde. Na praia os lagartos cruzam os nossos pés. Há cães e gatos por todo o lado, nunca os tinha visto tão amistosos. Contam-me, na noite em que chego, que um estranho fenómeno sem explicação acontece com frequência – ninhadas de gatos paraplégicos. Há tartarugas gigantes no mar e atuns de quatro metros a serem esquartejados no pontão. Na água há golfinhos, baleias e peixes roxos. Na paisagem as garças recortam a paisagem. Esvoaçam uns estranhos passarinhos, aparentados de pardais, a saltitarem por todo o lado. Toda a viagem é composta pela demanda do momento em que olvidamos tudo. Se não fosse essa procura não teríamos muitos motivos para andar pela terra. Esse momento aconteceu hoje. Por uns longos segundos, esqueci-me do ontem, do hoje e do amanhã, no momento exacto em que dentro de água avistei o corpo de um tubarão de dois metros demasiado perto para a minha segurança física. Bastou-me ver o dorso e fazer uma medição rápida da distância entre uma barbatana e outra para ter uma ideia aproximada do porte do animal. De uma assentada tive o meu momento e compreendi o coelho encadeado pelos faróis na estrada. 


Arquivado em:

afonso ferreira às 23:23 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De ccf a 19 de Agosto de 2010 às 15:12
Assim sim, já se sente África! Como um leão vagoroso a andar pela savana, tão belo quanto inspirador de medo.
~CC~


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds