Sexta-feira, 27 de Agosto de 2010

 

Enviou-me uma mensagem em tom ligeiro a perguntar se andava pela cidade. Aceitou prontamente o meu convite para um copo ao fim do dia. Na esplanada pedimos uns whiskys, a pele a respirar finalmente com a brisa fresca vinda do rio. O meu amigo é pessoa de feitio apaziguado, mais de ouvir do que cair na tentação de preencher o ar com a sua pessoa. Quer saber como estou, quer ouvir-me falar, mas não me sinto para grandes conversas, ultimamente não tenho histórias muito alegres para contar e suspeito que o meu amigo não contactou-me por acaso. Mas, subitamente, dou por mim a contar a história das finanças e do fiscal que andava a ligar-me há umas semanas. Uma história verdadeiramente recambolesca que remota quase há uma década. Precisei de algum tempo para perceber a extensão da investigação e de que forma tinha chegado a mim, visto não ser eu o alvo nem em todo este tempo ter tido qualquer espécie de relação com o suspeito. A verdade é que o inspector precisava de ajuda. Estava num beco sem saída. Como num truque de magia senti-me a interpretar uma personagem dos romances do José Cardoso Pires. O inspector lagarto, já o via do outro lado do telefone a coçar a barba, a cinza a cair em cima dos papéis do dossier. Agora a melhor parte. O inspector não sabia, e ainda eu estou para descobrir que linhas misteriosas colocaram este homem a falar comigo, mas ligou talvez à única pessoa que realmente o poderia ajudar. Um pequeno documento antigo sem importância nenhuma com o meu nome e a partir daí começou a saga até encontrar-me. Todas as pessoas têm algo único e no meu caso é a memória. O que o inspector procurava em desespero e não sabia era uma memória que conseguisse juntar factos, histórias e caras.

 

O meu amigo está triste, não sei se já o disse. Trabalhou muito durante demasiado tempo e um dia percebeu consternado que era altura de mudar de direcção. Acumulou a dose suficiente de azares, cansaço e falta de reconhecimento para ter todos os elementos necessários para uma mudança verdadeiramente eficaz e desejada. Estava nesse impasse, a planear e a decidir o novo rumo, quando as coisas precipitaram-se no caminho oposto. Ao querer fugir dos compromissos acabou a comprometer-se com quem não devia, em vez de salvar-se decidiu resgatar quem não tinha salvação e quando devia colocar em prática a experiência adquirida cometeu erros com consequências catastróficas. Pior de tudo, decidiu que era no amor que talvez estivesse algumas respostas quando era certo ser a pior aposta. Adoeceu gravemente e passou umas férias no inferno. A recuperação foi feita lentamente, um dia de cada vez, noite após noite, e lentamente foi subindo a corda. Contou nessa altura com o apoio de pessoas em quem depositou confiança. Mas quando estava quase, quase a chegar ao cimo, os mesmos que o tinham puxado largaram a corda sem aviso. A segunda queda não foi bonita. Deixou mazelas, ossos partidos, escoriações. Desta vez parece não haver corda que o salve, a memória da queda não lhe permite continuar.

 

(cont.)

 




afonso ferreira às 04:29 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De Anónimo a 27 de Agosto de 2010 às 11:52
...sendo só amiga virtual, não tendo o seu número de telefone, quase fui impelida a contacta-lo por um outro meio qualquer... É que não sabendo porquê, ou sabendo, senti essa tal falta da não vontade das palavras, essa ausência...
Constatação do dia: os meus valores estão cá
...a talho de foice, desloco-me periodicamente a Madrid e numa dessas andanças noticiava-se que senhora de 30 e poucos anos tinha sido encontrada morta em casa após n dias o que causava bastante "estranheza" na investigação policial, dado que estava inserida num grupo de vizinhos, que todos os dias se encontravam no elevador, falavam e ninguém tinha acusado a sua falta...
...aflige-me esta insensibilidade, não se trata de mexeriquices de vizinhança...mas antes de como nos estamos a tornar individualistas, citadinos, morre-se ao nosso lado e nem damos por tal
...dei pela sua falta, pelo seu estado de espírito,...certamente por ainda ter a "ruralidade" entranhada
Benvindo Homem da Cidade melhores dias virão...:))


De afonso ferreira a 29 de Agosto de 2010 às 07:44
Obrigado pela sua preocupação mas também o lado mais negro faz parte do caminho. Se há coisa que não tenho dúvidas é que todos os dias morre alguém sem ninguém dar por isso.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds