Quinta-feira, 9 de Setembro de 2010

[obrigado Pedro A.]

 

Chamava-se Arajaryr Campos e perdeu a vida na luta pela liberdade. Era a secretária de Humberto Delgado e morreu no fatídico dia 13 de Fevereiro de 1965. Chegou a andar com a farda do general no forro do seu próprio casaco aquando da sua entrada clandestina em Portugal. Por causa dela esta noite editei pela primeira vez um artigo na Wikipedia. Já não posso ler nem mais um texto ou artigo onde ignorem o seu nome. Uma pessoa morre numa emboscada da PIDE e nem direito a nome tem. Que mania, apre.

 

[ Já agora, se alguma alma caridosa tiver uma foto da Arajaryr arranja para todo o sempre um escravo na minha pessoa. ]

 

 



afonso ferreira às 03:47 | link do post | comentar
|

5 comentários:
De pedro a. a 9 de Setembro de 2010 às 04:41
Realmente nunca pensei que fosse tão difícil arranjar fotos da senhora (digníssima!) na net. Só mesmo a capa das suas memórias editadas em livro: "Uma Brasileira contra Salazar". http://www.wook.pt/ficha/uma-brasileira-contra-salazar/a/id/176113

É um relato fascinante da vida do General, sobretudo dos últimos anos, na clandestinidade. Verdadeiramente imprescindível.


De afonso ferreira a 9 de Setembro de 2010 às 12:25
Pois é, Pedro, também já andei a vasculhar a net e não fui bem sucedido. Nem uma fotografia para amostra. Agora fiquei com vontade de ler o livro. Obrigado pelo link.


De Anónimo a 9 de Setembro de 2010 às 13:16
Parabéns, é uma ideia excelente. E o que há mais é mulheres que ficaram escondidas atrás de grandes homens, é bom que se lhes dê visibilidade.
~CC~


De Sea a 10 de Setembro de 2010 às 17:41
Exelente post. O quanto desconhecemos ainda da nossa História e quanto fica por saber.

Apenas consegui isto:

http://irenepimentel.blogspot.com/2010/04/nos-45-anos-do-assassinato-de-humberto.html

Talvez a Dra. Irene Pimentel tenha alguma foto...

Sea


De afonso ferreira a 10 de Setembro de 2010 às 22:27
Obrigado Sea pelo link. Vou investigar.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds