Quinta-feira, 23 de Setembro de 2010

 

 

Começou por mais ser um no meio de milhares, sem nada que o diferenciasse. Depois ficou sem cor. Ainda olhei algumas vezes para ele antes de o matar sem piedade. Resolvi arquivar o caso na gaveta dos improváveis. Um rebelde, de feitio diferente, nada mais do que isso. Até voltar a nascer, o sacana teimoso, desta vez sem sombra de dúvida quanto à sua identidade – o meu primeiro pêlo branco.



afonso ferreira às 11:07 | link do post | comentar
|

11 comentários:
De Vera a 23 de Setembro de 2010 às 12:46
Uau :-)
Acho super sexy!!! A sério!
Eu faço nuances, mas ainda não descobrimos nenhum branco...sonho com o dia em que não vou precisar de nuances, porque elas serão naturalmente brancas.
E sexys


De afonso ferreira a 23 de Setembro de 2010 às 13:21
Vera,
não digas isso duas vezes que faço já a mala a este tipo e dou-lhe a tua morada :)


De Vera a 23 de Setembro de 2010 às 15:27
OK :-)
Podes fazer-lhe a mala.
Manda-o lá para o lado de cá :-)
bjs


De Sandra a 24 de Setembro de 2010 às 12:16
A primeira lembrança que tenho de me confrontar com um cabelo branco no meio dos meus caracóis, remonta aos meus sete anos de idade. Costumo dizer que nasci velha e isto é só mais uma confirmação.

SB


De afonso ferreira a 25 de Setembro de 2010 às 01:05
7 anos? meu deus, Sandra, temos de ter uma conversa séria.


De Sandra a 25 de Setembro de 2010 às 01:25
Que tipo de conversa séria?


De afonso ferreira a 25 de Setembro de 2010 às 01:37
como enfrentar esta calamidade sem precedentes.


De Sandra a 25 de Setembro de 2010 às 01:45
:) quando quiseres. até ver, lido bem com a questão.


De afonso ferreira a 25 de Setembro de 2010 às 02:01
Tenho medo. A mortalidade já está com 6 mm e a ameaçar não ficar por ali.


De Sandra a 25 de Setembro de 2010 às 02:13
e não fica...talvez por me ter deparado com esse indicador de mortalidade numa altura em que não o percebi dessa forma, a mim custam-me mais os vincos que insistem em marcar a minha testa. e logo agora que começo finalmente a despojar-me da pele de velha com que fui agraciada à nascença e a sentir-me uma miúda. não hei-de eu ser a eterna dissociada...


De Mar a 4 de Outubro de 2010 às 15:23
Não sei, pode ser da foto, mas ali parecem-me muitos...;-)

E é sexy, sim.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds