Terça-feira, 28 de Setembro de 2010

Praga da Figueira, 1885

 

Se me pedirem para escolher o mercado mais bonito de Lisboa, não hesito a dar a resposta. É o mercado da Praça da Figueira. Demolido em 1949, foi com assombro que o descobri em plena adolescência numa gravura. Sei na ponta da língua a história do mercado. Recentemente juraram-me que depois de desmatelado tinha seguido para África mas nunca consegui verificar essa informação. Se existem muitas vidas, tenho a certeza que numa anterior andei por aqui, provavelmente a comprar um coelho para o arroz de cabidela. O mercado começou por ser a céu aberto, passou por várias remodelações, da luz eléctrica e arborização à estrutura de ferro com gradeamento e oito portas. Nos Santos Populares transformava-se num autêntico teatro. Era aqui a grande festa, vinham pessoas de todo o lado. 

 

 

Mercado da Praça da Figueira, talhos e salsicharias em sábado de Aleluia, 1907

 

“(Maria Eduarda) viera indignada da Praça da Figueira, quase com ideias de vingança,

por ter visto nas tendas dos galinheiros, aves e coelhos apinhados em cestos, sofrendo (…)

as torturas da imobilidade e a ansiedade da fome.”

Eça de Queirós, Os Maias


Arquivado em:

afonso ferreira às 13:01 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De nuno granja a 12 de Outubro de 2010 às 12:09
Obrigado pelo trabalho de guia ao passado.


De afonso ferreira a 13 de Outubro de 2010 às 12:30
Obrigado por passares por aqui. abraço


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds