Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

 

Quando mudei para a minha casa actual ia ao café todos os dias e não via nada de especial. Depois comecei a pensar que o homem do café era excessivamente simpático. Algum tempo depois pareceu-me que tinha um olhar sinistro. Durante uma certa altura não o vi mais e continuei a frequentar o café que, assim como assim, sempre tem umas empregadas atenciosas. Um dia, ao passar pela baixa, observei uma situação na qual fiquei na dúvida se o homem era traficante de droga ou de armas e nunca mais coloquei os pés no estabelecimento. Uma vez fiquei sem tabaco e voltei em desespero de abstinência. O homem estava a atender uma família portuguesa que na tentativa de proferir um elogio insultou-o do pior modo por ser estrangeiro. O homem limitou-se a sorrir e nada disse, num gesto de elegância como poucas vezes vi, eu fiquei com as tripas revoltadas e para demonstrar de que valores sou feito voltei a frequentar o café assiduamente todas as manhãs. Entretanto descobri que vai ser pai. E voltei a reparar no olhar esquisito dele. Passei a alternar as minhas idas ali com outro café aberto recentemente na mesma rua mas onde  sou obrigado a ver um cartaz a anunciar domestic soup. Hoje de manhã, ao mexer a colher no café em pequeninos círculos indolentes, ponderei se já é lícito chamar relação a isto.



afonso ferreira às 12:11 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds