Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

 

Vingança, s. f., acto ou efeito de vingar; atitude de quem se sente ofendido ou lesado por outrem e efectua contra ele uma acção mais ou menos equivalente.

 

Se há duas palavras que são constantemente confundidas são justiça e vingança. Da primeira não há muito a dizer, aparentemente temos o seu significado correcto muito presente, com a segunda começam os problemas. O cristianismo, inscrição máxima na forma de ser portuguesa, e as décadas de ditadura trucidaram não só a vontade de desejo de acção como ofereceu uma conotação negativa à mesma. O resultado é desanimador. Num país sem uma justiça célere nos tribunais e uma opinião pública sem grande valor, o ofendido fica numa canoa sem remos à deriva das marés. Esse sentimento é perceptível no dia-a-dia, nas questões mais comezinhas. Se alguém se queixar de ter sido vítima de alguma ofensa é mais do que certo que a resposta dos seus pares é invariavelmente a mesma. Esquecer, não dar importância, no fundo nada fazer face à mesquinharia de que foi alvo, ou porque deve demonstrar a sua superioridade face ao sucedido ou por ser um esforço em vão qualquer tentativa de reposição da verdade.


Poderíamos pensar que escolher não enveredar pela vingança é uma ideia nobre, afinal olho por olho só deixa duas pessoas zarolhas, mas depois surge uma dúvida. É que ninguém vence o povo português quanto à mania de falar pelas costas, dar a sua facadinha de maledicência, e resolver estas questões em tribunais muito específicos, os que fazem justiça por mãos alheias. A pessoa, a maioria das vezes, não é julgada pelo que cometeu mas por o que alguém considera ser o que merece e a sentença é ditada não sendo sequer convocado o réu ou o criminoso. Os tempos mudam e a bufaria dos tempos da PIDE deu lugar ao silêncio, no entanto as duas formas de agir são prejudiciais de igual modo. Em vez da denúncia na calada, os amigos ou pessoas com interesse na sentença remetem-se ao silêncio, criando assim situações de injustiça no ímpeto de enfraquecer ou mesmo anular qualquer pretensão de defesa do ofendido. É folhear qualquer jornal e perceber como os grupos económicos e políticos já adquiriram o hábito, tão ao gosto da máfia, da cada vez mais forte lei do silêncio. Um silêncio que Brecht descrevia ao ter assistido a tantos terem sido levados, até, por fim, levarem-no a ele.

 

No âmbito das relações pessoais assistimos ao mesmo fenómeno. A lei do silêncio é particularmente eficaz, se um grupo de pessoas decide que algo é a verdade resta ao visado uma travessia no deserto. A verdade costuma ser adaptada à capacidade dos interesses do grupo que pode ir da profissional à amorosa. O silêncio, a forma mais cobarde de manipulação, pode ganhar muitas formas e atingir qualquer um.


Arquivado em:

afonso ferreira às 12:20 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De sofia a 4 de Outubro de 2010 às 13:29
Olá Afonso, concordo com o que escreves mas é por isso que a justiça segura os dois pratos de uma balança...o dificil está em conseguir um equilibrio justo!
Beijinhos,Sofia


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds