Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

Ao jantar.

Homem 1 – Mas, então não concordas que certos actos devem ser punidos?

Homem 2 – Desagrada-me a ideia de vingança. Quando retalias da mesma forma tornas-te igual a eles.

Homem 1 – Mas a vingança também pode ser uma forma de justiça. Poderá ser uma forma de evitar que o mesmo crime aconteça outra vez.

Homem 2 – Prefiro acreditar que não há nada que não tenha o seu castigo merecido, mais cedo ou mais tarde.

Homem 1 – Mas deus não existe. E se no fim houvesse sempre um castigo, não estaríamos a ter esta conversa. Este diálogo prova que a maior parte das vezes não há castigo nenhum. Esse é que é o problema.

Homem 2 – Mas existe a tua consciência. A vingança nunca é solução.

Homem 1 – Sendo assim, estás à mercê de qualquer pessoa ou situação. Se alguém prejudicar ou insultar não será punido. Se isto acontecer a ti, e se não for um caso de polícia ou tribunal, a tua única resposta será não responder?

Homem 2 – Depende do caso...

Homem 1 – Se fores insultado publicamente, sem razão nenhuma, por exemplo? Não dirás nada?

Homem 2 – Já aconteceu. E reagi, mas não considero isso uma vingança.

Homem 1 – Se reagiste estás a dar-me razão. Embora eu não dê a mesma conotação negativa à palavra vingança. A vingança poderá servir para aplicar a justiça nalguns casos. Será a forma de reacção que define a justeza de resposta.

Homem 2 – Naquele caso acho justo ter enviado os homens.

Homem 1 – Os homens?

Homem 2 – Sim. Angolanos.

Homem 1 – ... ?

Homem 2 – São bastante eficazes e discretos. Nunca mais tive chatices. Se tiveres algum problema dou-te o número.

Homem 1 – Mas eu não acredito na violência.

Homem 2 – Olha que às vezes uma coça resolve muita coisa. É limpinho. Tens é de contratar os gajos certos.

Homem 1 – ...


Arquivado em:

afonso ferreira às 14:08 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De omeuinstante a 4 de Outubro de 2010 às 19:24
Mesmo muito interessante. A começar pela forma dialógica de apresentação das ideias. Fez-me situar no meu trabalho quotidiano, onde utilizo a dialéctica como processo racional de exposição das matérias que lecciono. E regressei, num instante, às origens da Filosofia, nomeadamente a Platão que escreve as suas obras ( curiosamente, versam temas semelhantes) em diálogo.
Quanto ao conteúdo, o texto é muito forte: levanta questões do domínio do direito, da política e da justeza das acções (ética).
Como exemplo, "A vingança poderá servir para aplicar a justiça nalguns casos".
Discordo do Homem 1. Este nunca é o caminho, nem do ponto de vista ético, nem pedagógico, já para não fala das questões do direito e da política.
Detecto mais um tema interessante para a Filosofia. O confronto entre a lei natural e a lei convencional : Sócrates aceitou beber a cicuta - podia ter fugido- para não pôr em causa as leis feitas pelos homens, as leis da Cidade, que mesmo sendo injustas, eram provenientes da Democracia.
E não é esta que deve ser defendida?
mcéu



De afonso ferreira a 4 de Outubro de 2010 às 20:25
Este diálogo, apesar de ser um exercício de ficção, baseia-se em factos reais. Não concordo com nenhum dos homens, mas parte de mim percebe os dois. Há uma grande confusão entre justiça e vingança, mas ainda mais confuso é entre a ideia de vingança (que é sempre condenada) e os actos praticados (sempre justificados). Para o Homem 1 coloca-se a questão das fronteiras entre justiça e vingança. O Homem 2 é peremptório, a noção de vingança será sempre condenável, no entanto se for atacado reagirá com violência extrema e não sentirá qualquer remorso pois agirá de acordo com a sua (boa) consciência. O Homem 1 nunca será capaz de uma acção desse calibre, nesse sentido não tem dúvidas quanto à fronteira ente o ético e o reprovável.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds