Quarta-feira, 6 de Outubro de 2010

Campo Mártires da Pátria, 1940

 

Começar o dia de trabalho no jardim, sol e cidade à volta. Olhar para o relógio e perceber que há tempo, coisa rara. Pedir um café, acender um cigarro. Só seria possível viver no Campo Mártires da Pátria se morasse no jardim ao lado da toca dos pavões. Volto a fazer contas ao tempo, horas, ainda tenho horas pela frente. Abro o laptop para escrever e tento apanhar uma rede. É suposto haver internet nos jardins mas não há. Faço uma tentiva de roubar a rede da embaixada ou alguma que esteja à solta. Não sou bem sucedido. Depois de várias investidas apanho uma. Chama-se morte. Assim mesmo, morte. Penso que é um péssimo sinal ligar-me a uma rede com um nome destes mas mesmo assim avanço. Tenho uma formiga a gingar por entre as teclas. Enquanto aguardo se sou bem sucedido com a morte olho com mais atenção para o jardim. Um grupo de muçulmanas passeia duas crianças. Estão cobertas da cabeça aos pés, umas mortalhas a andar pela relva. E mais adiante a estátua. Centenas de placas, mãos e ossos de cera, tantas promessas, tanta doença. Bebo o café. A morte está a fazer-se difícil. Segunda tentativa. Passa um amolador, bicicleta e assobio. Isto não é uma manhã, é um quadro a respirar, a destilar vida. Semicerro os olhos e ao longe vejo os enforcados que deram o nome ao sítio, ao fundo a praça de touros. Faltam os vendedores da feira da ladra para compor a imagem. Não, lá estão eles também. A morte não quer nada comigo. Desligo o computador e olho novamente para o relógio. Tanto tempo para pensar.



afonso ferreira às 02:54 | link do post | comentar
|

3 comentários:
De Vera a 6 de Outubro de 2010 às 10:03
Ainda bem que a morte não quis nada contigo:-)
Pensaste pensamentos bonitos. escreveste palavras sentidas.
Bjs


De afonso ferreira a 6 de Outubro de 2010 às 12:03
Esta morte era muito chata, pouco social.
Obrigado eu, por estas palavras.
bjs


De parole a 6 de Outubro de 2010 às 12:26
Tempo para pensar...

Esta frase ecoou na minha cabeça... Bonito o teu texto, já aqui tinha passado algumas vezes, em silêncio...
Hoje esta frase fez eco dentro de mim... e repito apenas:

Tempo para pensar...


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds