Quarta-feira, 20 de Outubro de 2010

Jane Jacobs (behind the woman holding Save Penn station) and architect Philip Johnson

stand outside Penn station to protest the building's demolition in 1963

 

Devo muito a Jane Jacobs. Provavelmente a última grande activista americana, deixou um legado incontornável na luta por um planeamento razoável das cidades. O seu maior inimigo era o planeamento inflexível desde a base defendido por muitos como Le Corbusier. The Life and Death of Great American Cities é uma referência e defende a diversidade do espaço urbano contra a hegemonia que muitas vezes deriva na prática na destruição de velhas áreas para construir de raiz. Destruir é fácil, criar difícil, dizia Jacobs e toda a vida defendeu a mistura entre a velha e a nova arquitectura, a irregularidade contra a padronização. Os quarteirões deviam ser curtos, os edifícios albergarem diversas actividades e as ruas cheias de pessoas como medida contra o crime – eyes on the street, o conceito enunciado por ela ainda hoje é citado por muitos. A dança de actividades e pessoas distintas que uma zona velha cria ao longo de décadas uma vez extinta é impossível de recriar. 



afonso ferreira às 12:54 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De Lígia Paz a 20 de Outubro de 2010 às 18:19
Este título faz-me muita comichão. Última grande activista porquê? Já não há mulheres? Já não há activistas?

Provoca-me estranheza que numa homenagem à senhora falte um dos conceitos que lhe foi mais querido: o de comunidade. Não são "ruas cheias de pessoas" - isso podia ser também um shopping ao ar livre. Jacobs ressalvou o aspecto social, e não apenas o costumeiro físico dos velhos planeadores urbanos do modernismo.


De afonso ferreira a 20 de Outubro de 2010 às 20:31
Cara Lígia Paz,
isto é um blog, não é imprensa especializada. Como tal a minha concepção de "activista", "grande" e "última" é a que eu quiser.

Isto não é uma homenagem, é um post. Pode não gostar da minha forma de escrever, mas onde é que leu algo onde não esteve explícito o aspecto social?

Já agora, esclareça-me: o que é o "costumeiro físico dos velhos planadores urbanos do modernismo"?


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds