Domingo, 17 de Janeiro de 2010

 

Houve uma altura, há uns anos atrás, em que o meu carro era assaltado dia sim, dia não. A técnica mais frequente era com uma chave-de-fendas. Até fazia apostas, consoante de manhã a fechadura estava torta para a esquerda ou para a direita. O resultado tinha o condão de condicionar o dia. Cheguei a tomar decisões de acordo com o estrago na fechadura, como alguém que atira uma moeda ao ar. E protagonizei grandes momentos de futurologia, sempre era mais limpo que chafurdar nas tripas de um bicho à procura dos números do euromilhões. Tantas vezes os assaltos aconteceram que, um dia, cheguei ao carro e a fechadura estava finalmente no sítio correcto, ou seja, direita como era suposto. Imaculada, um trabalho impressionante. Conhece-se eu o larápio e tinha-lhe enviado um cabaz de natal. 

 

Assim estou eu com o sono. De tão destrambelhado resta-me esperar pela noite em que a chave-de-fendas o coloque no sítio original.



afonso ferreira às 04:41 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds