Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

 

Quanto tempo é necessário para se esquecer algo ou alguém? Procuro nos confins da memória, mas, ou o esquecimento em mim funciona com uma espantosa eficácia sem mácula ou não encontrei uma resposta válida que apaziguasse a questão. Para a formular correctamente temos de dividir os eventos por importância. Quanto tempo demora a esquecer um amor frustrado? um amante? uma morte? uma infâmia? uma punhalada nas costas? uma facada no baço? 

 

Uma vez, num jantar, uma pessoa passou pela minha mesa e, em três segundos apenas, apaixonei-me irremediavelmente, sem mais nem menos. Poderíamos questionar se este tipo de paixões são consistentes mas a verdade é que este foi mesmo um grande amor. Na altura em que fiquei com um garfo espetado no ar estava com outra pessoa a quem, se não tinha jurado amor eterno, pelo menos já trocava grandes afectos a uma pequena eternidade. Não me enganei, devido a uma série de compromissos que ambos mantivemos nos anos seguintes o nosso romance não foi imediato, mas eu nunca esqueci a pessoa e passado uns anos tivemos o nosso momento eterno. Isto significa que, se em três segundos nos podemos apaixonar, pode demorar dois a esquecer outro amor. Dois segundos. Mas há casos mais bicudos, o amor platónico que pode durar anos e que por muito tempo que passe nunca percebo se a cura é definitiva. Um esquecimento temporário, mesmo que, por vezes, por longas temporadas, nem sempre indica que não falhe e a memória e consequente obsessão regresse com mais força ainda. 

 

De quantos segundos se compõe uma eternidade? Esquecer é o que nos salva. E não esquecer pode ser uma morte lenta. 

 

Se consultarmos a bíblia, Epistulae morales ad Lucilium, Cartas a Lucílio de Séneca, não encontramos respostas mas possíveis caminhos que poderemos seguir para resolver a questão. "(...) Os antigos romanos instituíram para as mulheres um período de luto de um ano, não para que levassem um ano a chorar, mas para não chorarem ainda mais tempo. (...) De todas essas mulheres indica-me uma só cujas lágrimas tenha durado um mês inteiro!".

Esta ideia é interessante, há um prazo para chorar (e, portanto, recordar), mas o esquecimento é imperativo, há um tempo para esquecer. No entanto, há um factor que não pode ser desprezado, o tempo, pelos vistos a lei foi instituída para casos complicados, porque na verdade, quem é que recorda eternamente?

 


Para a A. 



afonso ferreira às 15:28 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds