Segunda-feira, 1 de Novembro de 2010

 

A Avenida da Liberdade, inaugurada em 1882, é a mais bela artéria de Lisboa. Tem 90 metros de largura e 1500 metros de comprimento, está cheia de árvores de uma ponta à outra e contém pequenos jardins, lagos, repuxos, cascatas e estátuas. Sobe com uma inclinação imperceptível e oferece uma magnífica perspectiva. Este grande melhoramento de Lisboa deve-se a Rosa Araújo, que era então Presidente da  Câmara Municipal.

Precisamente no começo da avenida encontram-se dois lagos de mármore, um de cada lado da via principal; mais acima há igualmente duas belas cascatas, cercadas de luxuriante vegetação, e cuja água jorra de duas figuras representando os rios Douro e Tejo. Um pouco mais acima, à direita, encontramos um pequeno mas interessante monumento a Pinheiro Chagas, escritor e jornalista; o monumento representa-o a ele e à heroina de um dos seus dramas e foi erigido por iniciativa do semanário Mala da Europa em 1908.

Do lado esquerdo, no sítio onde começa a Rua do Salitre, foi lançada em 9 de Abril de 1923 a primeira pedra do monumento a ser erigido em memória dos que tombaram na Grande Guerra. Em frente, e do mesmo lado, encontra-se o Clube Avenida Palace e, nas traseras deste, com entrada pela Travessa do Salitre, o Avenida Parque, onde há teatros e outros divertimentos populares.

Os jardins que se sucedem avenida acima são rematados por quatro estátuas de mármore representando a Europa, a África, a Ásia e a Oceania. Na Avenida da Liberdade há dois teatros, quatro cinemas e vários cafés e confeitarias; aí há também vários palacetes. Durante os meses de Verão, alguns cafés alargam o seu serviço até à álea central dos jardins, que é profusamente iluminada; este serviço ao ar livre, a que se acrescenta a música, anima a avenida inteira nas tardes de Verão. 

Fernando Pessoa, Lisboa, o que o turista deve ver



afonso ferreira às 20:06 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De nuno granja a 2 de Novembro de 2010 às 12:12
Tem tido a sorte do Siza Veira ainda não ter lá passado de moto-serra com "licença para matar".

Falando mais pelo sério...
Tenho experiência em andar no dia-a-dia de bicicleta tanto no Porto como em Lisboa, e subir a Avenida da Liberdade/Aliados no Porto é um martírio, no verão asso com o sol, no inverno o vento tenta levar-me.
Já em Lisboa é passa-se o inverso, graças à protecção das arvores.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds