Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010

 

A propósito do filme The Social Network tenho ouvido verdadeiros disparates nos últimos dias. Defender que as redes sociais têm mais influência do que a educação, cultura, ideologias ou genes, é um erro infantil. Por outras palavras, não foram as redes sociais a tornarem as pessoas idiotas, elas já eram idiotas. Pensar que o Facebook ou o Twitter em pouco tempo têm mais influência que a ausência de valores, falta de estímulos na infância, e uma genética pouco generosa, é demasiado ambicioso, para dizer o mínimo. Não consigo recordar nenhum aspecto da vida humana que tenha sido asfixiado pelas redes sociais. As pessoas continuam a fazer amigos e inimigos, a casar, a fazer sexo, a acordar todos os dias, a morrer. No entanto, reconheço a sua importância no mundo actual. Tive um Spectrum aos oito anos, recordo-me de comprar o primeiro PC, e do esforço que foi montar sozinho no computador o gravador de cds interno comprado no estrangeiro. Lembro-me de surgir a internet, o primeiro endereço de email, as primeiras navegações. Na mesma altura vieram os bips, depois os telemóveis. Era tudo novo e ninguém sabia nada, era necessário aprender tudo do zero. As reacções mais estapafúrdias surgem da geração imediatamente anterior à minha, não vejo os meus pais a discutir as redes sociais, não vejo os miúdos preocupados. Embora utilizem as novas ferramentas ao seu dispor, não cresceram com elas. Continuam a utilizar os argumentos que eu ouvia com seis anos quando surgiram aqueles pequenos jogos portáteis que foram um sucesso na década de oitenta. Como se esses jogos, ou o Spectrum ou ter jogado Tetris a mais, fossem os culpados pelos dois polegares disformes em relação ao corpo, por ter falhado na escola ou não ter chegado à universidade, nunca ter conseguido arranjar uma namorada e ser virgem aos trinta, e não ter juntado duas palavras com sentido coerente em toda a minha vida adulta. Ouço discursos inflamados sobre o quão nocivas são as redes sociais, assisto a pessoas a fecharem a conta no Facebook (mas com direito a post a anunciar ao mundo), leio textos ridículos na imprensa e penso que o que lhes falta na verdade é terem jogado um spectrunzinho na infância. Isso e talvez um bocadinho de vida própria para além das redes sociais.



afonso ferreira às 03:50 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De AG a 18 de Novembro de 2010 às 11:12
Ultimamente não o tenho lido mas por falta de tempo para dedicar à leitura de blogs. Concordo com esta sua análise e eu nunca conseguiria dizer melhor.

Outros dos que muito criticam o FB são aqueles que preferem usar fotos de outros (não me refiro a si) e usar os Nicknames. Atrevem-se nas salas de chat da net camuflados e depois criticam com base na experiências que têm.

Noutro dia aconteceu-me uma coisa parecida com o que escreveu numa reflexão sua... Uma foto minha com 14 anos num grupo da escola. Estavam lá todos... E eu ali.

Boas escritas
Cordialmente
AG


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds