Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010

 

Regresso a casa e apanho o Monster's Ball exactamente no momento mais alto do filme, aquele que fez com que o elegesse um dos meus preferidos na última década. Decido rever o filme, recordo todas as cenas, os diálogos espantosos que evocam algo acima de apenas amor, ódio, racismo, morte e solidão.

– Quero que me faças sentir bem. 

Diz ela numa das cenas de sexo mais espantosas e belas, a imagem desfocada no espelho, o pássaro na gaiola. E depois o momento em que se sentam no alpendre para comer gelado e ela vê as três campas.

Vai correr tudo bem, diz ele.

 

 



afonso ferreira às 01:36 | link do post | comentar
|

3 comentários:
De Manu a 25 de Janeiro de 2010 às 02:46
fogo, acabei de ver isso tb :))hehehehe


De leo mandoki a 25 de Janeiro de 2010 às 16:43
tbm gosto bastante desse filme! É um filme que nos permite diversas leituras. O enquistamento que pode ser uma família. A América (pré-Obama) que é para alguns e não para todos os afro-americanos. O recomeço de vidas partidas. A pobreza. O medo. O choque cultural que ainda permance dentro daquele país. o Bob e a Hale (foi com esse que ela ganhou o oscar não foi?) são irrepreensíveis no papel.
Um beijo grande!
(nesse dia eu acho que pus no canal Hollywood e revi Mad Max...eu adoro Mad Max!!)


De Dakota a 26 de Janeiro de 2010 às 11:21
Não há monstro mais monstruoso que aquele que tem consciência da sua monstruosidade ...

(a aliteração tinha de ser ..., my apologies!)


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds