Sábado, 27 de Fevereiro de 2010

 

Um blog pode deixar muitas pessoas nervosas. Principalmente os blogs anónimos, o que não é o caso deste. Obviamente que o facto de estar assinado não quer dizer que essa seja a verdadeira identidade do bloguer (v. caso abrantes) mas se não for utilizado para encobrir cobardias, ataques vis ou incitar à invasão da Polónia, não vejo qual é o problema. Os limites da privacidade de cada um só podem ser estabelecidos pelo próprio. Quem me conhece pessoalmente sabe que este blog pertence-me e isso chega-me. Foi criado inicialmente a propósito da publicação dos textos de ficção embora por vezes também comente aspectos da minha vida quotidiana e política. As minhas posições são explícitas nos post que tenho publicado. Tenho costas largas, assumo sem reservas o que escrevo. As tentativas para expor a minha "identidade" são acolhidas como o resto na minha vida: com um encolher de ombros e humor (negro). Uma coisa é certa, não estou disponível para participar em jogos de poder nem o blog servirá para puxar o lustro à minha pessoa, sempre detestei marionetas de pacotilha não darei o prazer a ninguém de ser mais uma. 



afonso ferreira às 18:22 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

 (...) Maria Eugénia torse o nariz, diz que "preferia Sesimbra".

Revista Única, Jornal Expresso, 27 de Fevereiro



afonso ferreira às 17:08 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010

Uma excelente ideia: troca-livros.blogspot.com.



afonso ferreira às 18:31 | link do post | comentar
|

 

É interessante observar as coisas com distância e constatar que algo que pensávamos ser um azar pode ser afinal uma sorte descomunal. Acontece raramente, é como andar com o bilhete de lotaria premiado no bolso sem saber.

 

Numa ronda pelos blogs fico contente por optar não entrar em confrontos pindéricos, nem resolver a minha vida amorosa ou ódios caninos na internet num despudor embaraçoso. Prefiro ser a caravana, não os cães que ladram na berma da estrada.



afonso ferreira às 17:28 | link do post | comentar | ver comentários (4)
|

Todos os sms e emails de amor são ridículos. Não há sentimento esdrúxulo que os salve.



afonso ferreira às 10:20 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

 

Percorro as ruas em passo de corrida. Atrasado, atravesso a baixa ao anoitecer, pessoas, semáforos, verde-vermelho, carros e vida frenética. Viro no elevador de Santa Justa, ao chegar ao edifício identifico-me, deixo uma fila para trás e subo sozinho no elevador. No topo do edifício há uma festa, mais pessoas do que imaginava, um ar de expectativa enche-me os pulmões. Penso que afinal devia ter convidado alguém mas é tarde de demais. Dirijo-me ao bar e o empregado sem hesitar serve-me uma bebida sem perguntar nada. Devo estar com cara de quem precisa de algo forte. A bebida escorrega e incendeia-me as entranhas. Sabe bem, estava a precisar disto. Não tenho tempo para pensar na solidão, as pessoas sucedem-se, conversas entrecruzadas, reencontros. Passamos ao auditório, sento-me e deixo de pensar no caos do mundo. As cantoras entram em palco, o concerto começa, e eu penso, por um instante, que afinal é tudo tão simples. Se pudesse ficava aqui para sempre. Nos camarins sinto que percebo tudo, estou aqui e não poderia estar em mais lado nenhum.



afonso ferreira às 02:44 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

"Édipo é a verdadeira Felícia Cabrita de si próprio.

Toda a gente lhe diz que não investigue, e ele continua a investigar"

Jorge Silva Melo, Y, 19 de Fevereiro



afonso ferreira às 02:40 | link do post | comentar
|

Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010

 

Fui ver e gostei. Um filme sobre a morte, o desespero, o amor e a redenção. Com cenários fabulosos (e um Mercedes incrível...). Há diálogos a raiar o sublime. Quem já viveu uma situação parecida, a perda de alguém fundamental na sua vida, percebe a essência do filme.



afonso ferreira às 00:56 | link do post | comentar
|

Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010

Na esquadra à conversa com o polícia.

 

Polícia - A sua fotografia da carta de condução está radicalmente diferente da do cartão de cidadão.

Eu - É o penteado. A fotografia já tem alguns anos.

Polícia - Não é só isso, o rosto também. Só os olhos estão iguais.

Eu - É grave?

Polícia - Não se preocupe não o vou multar.

Eu - Por causa do meu aspecto ou porque não tenho a morada igual nos dois documentos?

 


Arquivado em:

afonso ferreira às 18:01 | link do post | comentar
|

 

Próximo Futuro, 2º workshop de investigação As Cidades. Amanhã, 25 de Fevereiro na Fundação Calouste Gulbenkian.



afonso ferreira às 15:58 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 23 de Fevereiro de 2010

Depois de regressar de viagem estranhei a falta de algo precioso na minha vida: o meu carro. Hoje conheci uma esquadra da polícia nova. Já faltam poucas para acabar a caderneta. Depois de dezoito chuis (sim, 18, eu contei), três horas e meia e dois parques de reboque, consegui recuperar o dito. Que por incrível que pareça estava há quatro dias na garagem de um prédio de um bairro social que eu nem sabia que existia. 



afonso ferreira às 23:48 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Os buracos da cidade têm pouca estrada

Frase de um taxista hoje a assapar numa rua esburacada de Lisboa comigo a chocalhar no banco de trás.



afonso ferreira às 23:30 | link do post | comentar
|

 

I.

Divido o manuscrito em dois como quem corta um baralho de cartas. Ato cada parte a um dos pés com cordel grosso, verifico se está bem preso. Abro as válvulas do coração para o sangue estagnado na barragem correr livremente. Caminho pela marginal da vila paralela à ria. Espera-se a tempestade, os barcos e as gaivotas estão em terra, mas eu estou preparado. Passo pelo pontão solitário, os pescadores estão na casa das embarcações a jogar à sueca. Nem pestanejam à minha passagem, esta vila está habituada a coisas mais estranhas. Ouço falar da ilha abandonada a 4 km da costa mas aqui nunca é possível distinguir a verdade da ilusão.

 

II.

E porque estou eu aqui? A história começa há uns anos atrás quando o meu amigo chegou à vila numa noite de calor tórrido. Ao chegar à marginal viu um espectáculo insólito. A rivalidade entre os habitantes e os de uma vila vizinha tinha atingido o auge. Poderia ter sido o Romeu e Julieta mas como a vida real supera sempre a ficção, não havia amor, só ódio. Um dia a julieta da vila entrou no barco para atravessar a ria e o romeu de serviço atirou umas palavras despropositadas. A julieta não achou piada à falta de dotes falantes do romeu da vila rival. Chegando a terra tratou de tocar o sino a rebalde e convocar os capuleto em peso. Que não só partilharam da indignação como resolveram tirar o assunto a limpo com gasolina e fósforos. Quando o meu amigo chegou o que viu foi o pontão e a casa das embarcações a arder e a vila inteira satisfeita a ver. No dia seguinte o pacto de silêncio percorreu a vila e ele decidiu que era terra para ele.



afonso ferreira às 10:34 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

Esta é uma história sem fim e esta noite teve mais um capítulo. Numa mera corrida de dez minutos, entre a baixa e o Saldanha, o taxista conseguiu falar da guerra, de Delacroix, explicar a teoria dos pensamentos profundos que se diluem no ar e ainda contar a história do colibri como metáfora para acabar com a fome no mundo. 



afonso ferreira às 00:25 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010

 

Caritas

Conta nº 1626371377

NIB nº 0038 000116263713771 13 do Banif 

 

Conta Banif Solidariedade com as vítimas da Madeira

NIB: 0038 0040 50070070771 11



afonso ferreira às 18:38 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sábado, 20 de Fevereiro de 2010

 



afonso ferreira às 00:23 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2010

 

I.

Na rua escura e deserta, noite ainda cedo, sou abordado por quatro adolescentes tão imberbes como eu. A pretexto de um cigarro sou encurralado. No momento em que se aproximam deduzo o perigo, fazem perguntas agressivas, tentam baralhar-me, se tiver medo facilito-lhes a vida. Ofereço cigarros, respondo a tudo, dou-me ao luxo de acender um também e discretamente olhar para os dois que posicionaram-se nas minhas costas. Até faço perguntas. Quando o momento está tão tenso que não há mais nada a esperar do que o desfecho natural, perdido por cem, perdido por mil, atiro-me ao chefe, o que me parece o mais duro, o que decide. Atiro-lhe que o conheço, partilhamos a mesma escola, temos amigos em comum, frequentamos o mesmo campo de jogos. Olho de frente, sem hesitações, com o coração nas mãos, mas quem vê caras não vê corações e naquele momento tenho dois tipos de mãos nos bolsos a centímetros dos meus rins e de algo muito trágico. O chefe fica imóvel, faz contas à vida, diz que não me conhece, que estou a fazer confusão. Eu insisto, tenho a certeza que é ele. Nunca na minha vida o vi. Movimentos imperceptíveis dizem que está na altura de largarem-me. Desaparecem tão rápido como surgiram e eu fico sozinho na noite escura a pensar que se alguma coisa me há-de safar na vida é o raciocínio rápido. Pelo menos de levar uma facada.

 

II. 

No restaurante de luxo com a cidade aos nossos pés, ouço-o enquanto levo o copo aos lábios para ganhar tempo. Está a conduzir a conversa, sabe bem onde quer chegar. Eu também sei qual é o desfecho mas acendo um cigarro, preciso de raciocinar. Faço perguntas, vou respondendo a algumas não dizendo nada. Quando estamos a atingir a velocidade cruzeiro, dá a entender que tenho de escolher um lado, que as minhas acções não passam despercebidas. É como se recuasse vinte anos e tivesse outra vez os dois tipos atrás de mim. Bebo vinho, sorrio, penso que em vez de uma pasta com livros escolares agora tenho bolsos cheios de lutas, assaltos no ringue. Penso que depois dos quatro rufias já tive armas apontadas à cabeça mas nunca tive tanto medo como na primeira vez. Penso que aprendi muito entretanto e, acima de tudo, que os ratos são iguais em todo o lado. Atiro-me a ele, digo-lhe nomes que sei que fazem efeito, dou a entender que o conheço muito melhor do que julga, que sei coisas que ele não sabe. Que passeio no mesmo campo de jogos. Substitui o sorriso na cara por umas rugas de expressão que não estavam no sítio antes. Bebe para ganhar tempo e acaba a recuar. Safo-me a um assalto com a mesma técnica recitada na rua duas décadas antes. Os cobardes são sempre iguais.



afonso ferreira às 18:55 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

 



afonso ferreira às 17:06 | link do post | comentar
|

Ao ler os jornais penso que deve ser verdade que deus está nos pequenos pormenores porque nas grandes questões não o encontro.



afonso ferreira às 12:35 | link do post | comentar
|

 

Marcos Perestrello – O teu superior hierárquico [Rui Pedro Soares] foi para Barcelona ou Milão...
Paulo Penedos – Não, está no Algarve. Não foi para um sítio, nem para outro.
MP – Mas depois vai, acho eu.
PP – Vai para Milão, segunda-feira. Vai-se lá encontrar com o Figo, para com ele celebrar uma coisa um bocado pornográfica, mas pronto.
MP – Que é o quê?
PP – Eh pá … só te posso dizer se tu não disseres a ninguém. Se disseres, não te posso dizer.
MP – Se quiseres dizer, dizes! Se disseres que não é para dizer a ninguém eu não digo.
PP – Não, não digas que é uma coisa… Ele há dias disse-me, muito contente, que tinha conseguido que o Figo apoiasse o Sócrates e eu disse ‘boa e tal’, claro que é importante. E hoje ligou-me a pedir que eu lhe fizesse um contrato de patrocínio para a Fundação Luís Figo, à razão de 250 mil euros por ano.
MP – Pois, imagino…
PP – Ah?
MP – Claro, claro. E isso, aliás, vale muitos votos! Essa merda em subsídios de desemprego…
PP – Ah?
MP – Isso em subsídios de desemprego…
PP – Eh pá, mas ouve-me… O gajo conhece toda a gente e mais alguma e toda a gente em que ele tropeça, do mundo da bola, de repente estão a apoiar o PS e o Sócrates, mas depois todos têm por detrás contratos…  todos têm contratos… Até deve ser alvo de alguma risota, não é.
MP – Por acaso não me deram o nome do Figo para os tempos de antena das personalidades para depor!
PP – Pronto, faz-te de novas que o nome vai-te aparecer, só que o apoiante espontâneo e fervoroso primeiro deve querer assinar o contrato, não é?
MP – Sim, sim, vamos ver se depois aparece, se é como outros que eu cá sei que acham que é melhor não darem a cara. Acham que é melhor não darem a cara, abrem uma coisa ali, outra ali.
PP – Exactamente …
MP – Ai..., não aprenderam nada ainda.

Sol revela as conversas mantidas entre Marcos Perestrello, membro do Secretariado do PS e actual secretário de Estado da Defesa, e Paulo Penedos, membro da Comissão Nacional do PS e advogado na PT, exercendo funções na dependência do administrador executivo Rui Pedro Soares, sobre o apoio de Luís Figo à candidatura de José Sócrates aqui.

 


Arquivado em:

afonso ferreira às 10:55 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

 



afonso ferreira às 19:45 | link do post | comentar
|

Uma bóia no pântano – um texto inteligente do Pedro Correia no Albergue Espanhol.



afonso ferreira às 18:19 | link do post | comentar
|

 

Sinto-me mal. Borboletas nas entranhas, um ferro espetado da têmpora ao ouvido. Um zumbido constante, uma música sinistra nas veias azuis fininhas dos pulsos. É o veneno a actuar. Sento-me à mesa e obrigo o corpo a funcionar. Entrada, álcool, bife, cafés. Olear a maquinaria. Dizes-me com ar carrancudo que não posso falar da minha geração, tenho que falar por mim, um indivíduo apenas, uno. Eu, com o organismo único desfeito em partículas ácidas, reafirmo que a minha geração chegou ao poder. Esta semana estão todos zangados, a ser despedidos ou a caminho da prisão, um festim. É mesmo caso para falar de geração, é uma identificação clara. Não percebes nem o meu ponto de vista nem a ironia e, como um quadro vivo, o ex-assessor na travessia do deserto senta-se na mesa ao lado. Não digo nada mas olho para o camelo e vejo o miserável estado da nação. Nos jornais pendurados na parede do café está a geração na primeira página a caminho do cadafalso. Toma lá estas fotografias tão bonitas, que eu não posso falar senão vomito. No espelho da casa de banho confirmo se as olheiras estão no sítio, se hoje os ossos estão mais à mostra. Tudo como esperado, saio mais descansado. Queres ir beber champanhe e eu prefiro ir comprar livros e ruminar o veneno a andar na rua gélida. Na livraria roubas-me um beijo na fila da caixa e eu sinto-me infantil. Que não, não, não posso finalizar as coisas assim, tenho de reescrever a história. Não é esse o fim, dizes-me, mais uma vez. E eu, envenenado até à tíbia, não tenho palavras que cheguem para a evidência de certas frases. Há pensamentos que são cicuta.



afonso ferreira às 17:43 | link do post | comentar | ver comentários (6)
|

No mesmo dia em que fui expulso pela primeira vez de um grupo de amigos no FaceBook, o Vasco Graça Moura expulsou-me de uma mesa. Estou contente, sinto que estou a ir no bom caminho



afonso ferreira às 02:27 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

 



afonso ferreira às 02:21 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

 

A "Central" do Governo editorial de Eduardo Dâmaso no CM.

 

Está meio mundo a escrever contra os "bufos", a outra metade indignada por o artigo expor o que toda a gente já estava careca de saber: há propaganda e da boa nos blogues, há pessoas que recebem por isso, leia-se pagos pelo Estado e utilizando meios informáticos do mesmo e informação privilegiada. E, sim, tudo dos bolsos dos contribuintes. Há alguém que não consiga nomear os Abrantes a operar na blogosfera? A questão é, qual é o conteúdo dos emails trocados? Espero que sejam publicados para podermos averiguar de que grau de propaganda estamos a falar. Sobre isso ainda não vi ninguém escrever hoje, com muita pena minha, gosto tanto do formato pergunta-resposta.

 

"Compreenderás que a real identidade das pessoas [que fazem o Câmara Corporativa] é protegida por motivos de segurança e da própria viabilidade do projecto. É, aliás, extraordinário que passado este tempo todo ainda não se saiba quem o Miguel Abrantes é, o que mostra que o cuidade que existe tem resultado. (...) O Câmara Corporativa é feito por várias pessoas que contribuem com regularidade variada. O Miguel Abrantes é o... Miguel Abrantes. E depois há outras pessoas."

Excerto de um e-mail de Hugo Mendes, assessor de Almeida Ribeiro, secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, divulgado ontem no CM

 

E, já agora, o post do dia aqui.



afonso ferreira às 15:55 | link do post | comentar
|

 

Esta noite enquanto oscilava entre este mundo e o outro no meu sono pouco profundo, tu vagueavas pela casa acordado na tua ronda de vigília aos problemas do mundo. Aproximaste-te da cama com um livro na mão e disseste. Não estás a ver a solução porque estás demasiado próximo da história. Tu sabes que o arquivo não tem salvação, deixa-o ir, há-de ser consumido no incêndio. Tens de ir à praça novamente. Volta à igreja de São Domingos, é ali que está o final que procuras. O homem espera por ti à porta. Já sabes o que tens de escrever. Salva o homem e o miúdo. Precisas de colocar corpos no incêndio no vosso lugar para que possam partir em paz. Depois ficaste em silêncio à espera que adormecesse. Quando acordei recordei com nitidez as tuas palavras enviadas de tão longe, um oceano de distância, e caminhei pela cidade em direcção à igreja.


Arquivado em:

afonso ferreira às 14:45 | link do post | comentar
|

 



afonso ferreira às 14:18 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

 

Desde que o nevoeiro da manhã de 16 de Fevereiro se dissipou ele ficou ali, de casco para cima, à espera de ser rebocado, desmantelado ou fotografado. Acabou por sair do rio em Dezembro de 1983. Lisboa perdia um símbolo e as gaivotas perdiam um poiso, mas ganhava-se um Tejo mais navegável e seguro. Os lisboetas recordam-no com carinho. E não o deixam ir ao fundo. Jornal i



afonso ferreira às 21:22 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2010

 

A providência cautelar interposta por Rui Pedro Soares ao jornal Sol é uma forma de censura prévia e inconstitucional segundo alguns peritos na matéria. Em nenhum país democrático o segredo profissional ou o bom nome do primeiro-ministro ou de outra pessoa qualquer se podem sobrepor aos pilares fundamentais do Estado de Direito, como a liberdade de expressão e o direito à informação. Se a decisão é violadora dos direitos fundamentais logo o jornal pode evocar a Constituição e publicar as escutas. Se o caso foi arquivado, a publicação das escutas não interfere com nenhuma investigação em curso e sendo assim prevalece o interesse publico – está em causa se houve ou não uma tentativa pelo primeiro-ministro de controlar os meios de comunicação. Em trinta anos o caso do Sol é a primeira tentativa de impedir a saída para as bancas de um jornal. Tirando os casos ocorridos nos conturbados anos 70, só são conhecidos dois. Em 1989 a revista Semana Ilustrada foi alvo de uma providência cautelar aquando da divulgação das imagens pornográficas do Tomás Taveira. O segundo caso aconteceu com o jornal O Diabo de Vera Lagoa suspenso ao segundo número por chamar "muito feio" (!) a Costa Gomes. Ironicamente, para contornar a questão o jornal O Diabo mudou o nome para Sol



afonso ferreira às 20:56 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds