Sexta-feira, 30 de Abril de 2010

 

 

Ando desaparecido. O Papa é um dos culpados. Isso e o excesso de trabalho, e os prazos, e os sonhos quando encosto a cabeça à almofada. Voltarei às letras em breve.



afonso ferreira às 10:42 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Segunda-feira, 26 de Abril de 2010



afonso ferreira às 00:16 | link do post | comentar
|

Domingo, 25 de Abril de 2010

 

A avenida cheia como estaria sempre na minha cidade ideal. Ouvir Grândola Vila Morena. As conversas, o calor, os rostos amigos, a multidão a desaguar no rio, a noite a desmaiar. Atravessar a Praça da Figueira, o mercado do Eiffel imponente a acenar de África, onde me garantiram que foi levado. Sabia do paradeiro do mercado o sapateiro das fotografias emolduradas e por vias misteriosas enviou-me recado. Eu agradeci, passei pelo mercado e dei as boas noites.

 



afonso ferreira às 22:20 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Sexta-feira, 23 de Abril de 2010

 

É regra corrente dizer-se de um homem velho que arranja uma companheira visivelmente mais nova que sofre da crise de meia idade. Mas se o homem em questão é poderoso e influente a crise pode passar a um acto de coragem por romper com as regras vigentes. É tudo uma questão de respeitinho.



afonso ferreira às 20:01 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

 

Para ti.

 



afonso ferreira às 01:57 | link do post | comentar
|

Quinta-feira, 22 de Abril de 2010

 

A verdadeira liberdade começa dentro de nós. 



afonso ferreira às 23:13 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

Quarta-feira, 21 de Abril de 2010

 

Mais vale um coração na mão do que dois a voar.



afonso ferreira às 09:22 | link do post | comentar | ver comentários (8)
|

Terça-feira, 20 de Abril de 2010

 

I.

Tal como o mundo, os continentes e os mapas também eu tenho um norte e um sul. O sul na arquitectura do pensar, o norte na bomba do sangue.



afonso ferreira às 01:01 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Segunda-feira, 19 de Abril de 2010

 

Do outro lado o pisa-papéis 

de braços abertos, 

sinto-me rodopiar, 

vomito ao lado das gaivotas. 

Calçada acima, 

a propaganda a escorrer nas paredes. 

Farrapos de putas aqui e ali, 

marialvas foscos em extinção. 

Peço um whisky 

que sabe a capilé 

onde me dói a vida 

entre-parêntesis.




afonso ferreira às 01:55 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

 

Hoje descobri que Ingolina é um nome feminino bastante comum na minha família.



afonso ferreira às 00:37 | link do post | comentar
|

Sábado, 17 de Abril de 2010

 

Ponho a chave à porta do prédio e ouço-o. Os gemidos aflitos a entrarem-me no cansaço, nas semanas cheias, no ritmo vital alterado, na garganta seca, na tempestade que galopa a cidade. Abro a porta e olhamos um para o outro, medimos o adversário, estudamos as hipóteses de sobrevivência. Da minha parte rapidamente tranquilizo o coração, o intruso não pesa mais do que um kilo e nos olhos azuis adivinho um mar sereno. Avança na minha direcção sem hesitar, a sofrer, conta-me a sua desgraça e eu interpreto à minha maneira. Está perdido, está aflito, é de alguém com certeza, que o pêlo é muito lustroso, tem demasiada confiança no amor humano para ser um vadio. Decido adiar mais um pouco o prazer de chegar a casa, de mergulhar na paz tépida do fim da batalha, e subir um lance de escadas, e mais outro, e nos patamares parar, tocar às campainhas e perguntar se alguém perdeu o saco de pulgas. As portas abrem-se, e olhos curiosos dizem que não, não é deles, até há quem também tenha um, mas de outra cor, de outra raça, de outros afectos. Mais outro lance, e nem todos estão em casa, mas uma porta abre e um pai com a cria ao colo, diz que também o viu, miava aflito nas escadas, mas passou e nada fez, não é dele. E assim ficamos os dois nas escadas, eu a pensar que há pessoas que são uns animais, tu a seguires-me como um cão bem treinado. Desistimos, encontrar o caminho para casa é das coisas mais difíceis na vida e por isso consola-nos o facto de nos termos encontrado, duas almas aflitas numa noite de tempestade. Descemos e eu convido-te a conheceres os meus domínios. Entras como se apenas tivéssemos ido dar um passeio, e, depois de partilharmos o jantar, a noite e a chuva envolvem a casa e enroscamo-nos a contar histórias um ao outro para adormecermos e sonharmos com o nome perfeito para ti.



afonso ferreira às 01:48 | link do post | comentar | ver comentários (6)
|

Sexta-feira, 16 de Abril de 2010

 

Hoje aqui, amanhã acolá, uma mala cheia de tudo sempre pronta à espera do sinal de partida. 



afonso ferreira às 02:23 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quinta-feira, 15 de Abril de 2010

 

Para espairecer fui zambujar ao São Luiz. À saída do teatro aproveitei um intervalo entre chuvadas e voei por cima dos telhados duas colinas ao som da voz magnífica do António.

 



afonso ferreira às 00:44 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 13 de Abril de 2010

É bom começar o dia a ouvir o vizinho de cima a cantar no duche.



afonso ferreira às 07:45 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

 

Todos os dias passei pela basílica e todos os dias pensei em entrar. Todos os dias e todas as noites não dei descanso à vontade. Hoje a ironia trocou as voltas ao desejo e convidou-me. Subi a escadaria e apaguei o cigarro, entrei na porta lateral e senti o ar fresco a rodear-me, a primavera lá fora, percorri o corredor estreito e vi pessoas e pessoas até chegar a ti. Abracei fatos de fazenda escura, senti o cheiro das flores das coroas funerárias, a matiz da luz das velas, os olhos embaciados. A sala com o corpo ao centro, sofás pousados com tristezas empoleiradas. Tanto desejei que entrei, a basílica a envolver-me, este corredor, este lusco-fusco, este útero. Saí quando a música começou, voltei a abraçar os fatos húmidos de lágrimas, os olhos raiados, lá fora senti o coração em chumbo, a morte a fazer do nada coisa alguma. Resta-me desejar paz.



afonso ferreira às 00:06 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Segunda-feira, 12 de Abril de 2010

Há dias em que o nosso coração por osmose assemelha-se a uma âncora.



afonso ferreira às 01:37 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Domingo, 11 de Abril de 2010

 

Hoje perguntaram-me se preferia procurar ou ser procurado e não soube responder.



afonso ferreira às 21:45 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Sexta-feira, 9 de Abril de 2010

 

Deitar tarde e cedo erguer não dá saúde a ninguém.



afonso ferreira às 08:52 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Quinta-feira, 8 de Abril de 2010

Hoje o alfarrabista estava fechado e tinha um livro na montra que tem de ser meu.



afonso ferreira às 21:33 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quarta-feira, 7 de Abril de 2010

 

“A Lisboa material tem posições morais. Há sítios que dão, há os que pisam, uma individualidade. O lajedo e a cantaria consagram espíritos. Encontrar-se no Chiado significa ter a fina flor da graça, a vivacidade conceituosa e costumes dissipados.”

Eça de Queiroz



afonso ferreira às 00:49 | link do post | comentar
|



afonso ferreira às 00:32 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 6 de Abril de 2010

 

O que me distingue de ti para além de alguns anos de diferença e o penteado é a forma como olhas para a margarina. Na caixa de pagamento no supermercado tu comentas a minha margarina e eu olho para além de ti, para além da rua, do bairro e da cidade e vejo um manicómio de paredes brancas e jardins frondosos. Quando fazes um esgar e proferes algo incompreensível para o senso comum sobre o quão boa é a cozinhar e que não tem nenhum pendor sexual eu foco os meus olhos nos teus e em silêncio imagino-te na camisa alva como as paredes em contraste cromático com o verde primaveril.



afonso ferreira às 21:28 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sábado, 3 de Abril de 2010

 

"Cruzo-me, ao longo da minha vida, com milhares de corpos; desses milhares posso desejar umas centenas; mas dessas centenas, não amo senão um. O outro por quem estou apaixonado mostra-me a especialidade do meu desejo."

Fragmentos de um discurso amoroso, Roland Barthes

 

Do livro escorreu areia fina e o cheiro a maresia do verão em que o li. Não recordo se estava apaixonado. Volto a ele numa tentativa de deslindar alguns discursos amorosos que vou reconhecendo à minha volta. Na fadiga que observo em alguns, relações que se sucedem sem final feliz; noutros a procura insensata de um objecto amoroso que tarda em comparecer; a doença do amor fulminante, a loucura, a desilusão. A especialidade dos desejos dos outros reflecte a pouca dos meus. Troco a particularidade pelo improviso. Prefiro a morte e ressurreição ao pacto com o diabo da demanda cega. Prefiro mergulhar do que lamentar na minha morte não ter amado.



afonso ferreira às 02:00 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

Quinta-feira, 1 de Abril de 2010

 

Os aviões a riscar o céu, a sirene dos bombeiros ao meio-dia, o apito do estaleiro, os amoladores nas bicicletas, o burburinho da praça, escutar o mar numa concha.



afonso ferreira às 02:02 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds