Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

 

 

Manhã de céu negro, uma avenida numa trégua no dilúvio, um compasso de espera até voltar a cair e inundar todas as vontades. Na passadeira, pessoas encharcadas a aguardar o sinal para avançar. O trânsito, vindo do rio em direcção à grande praça, a ganhar velocidade, quarteirão a quarteirão. Um homem surge ao meu lado, ficamos com os ombros alinhados, nada de extraordinário numa passadeira tão antiga que já viu tantos homens à espera. Espera dois segundos, se tanto, que não contei pelo relógio, não é meu costume cronometrar homens à espera, e avança pela passadeira. Coxeia ligeiramente da perna esquerda, mas salvando esse pormenor, todo ele é resolução. Avança e atravessa as duas vias sem olhar uma única vez para o trânsito. Segue em passo decidido, a mancar suavemente, nem depressa nem devagar, vai no passo que o corpo pede. Ouvem-se buzinas, chiares de pneus, travagens a patinarem na estrada molhada. Enquanto o homem avança, paramos todos, pessoas dos dois lados do rio de riscas, trânsito, quatro rodas e eléctrico, e, por uns segundos, só vemos os passos do homem até que este alcança o passeio. Talvez tenha feito uma desfeita à morte, hoje não vencerás, terá dito o homem à caveira. Talvez não tenha nada a perder, ou será um homem de fé inabalável e sofra de desejos de parar o mundo. Seja a verdade algo que nunca seremos donos, o que é certo é o homem ter um salvo-conduto para a imortalidade deste momento.



afonso ferreira às 23:52 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

 

 

Surpreendermo-nos a cantarolar alegremente, com um pé a marcar o compasso no soalho, enquanto lavamos a loiça. Apesar das várias tentativas, a musiqueta ainda não foi identificada mas parece provir dos anos oitenta.



afonso ferreira às 21:14 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 29 de Novembro de 2010

 

Este fim-de-semana havia cópos com vinho a 60 cêntimos em Alfama.



afonso ferreira às 22:43 | link do post | comentar
|

Domingo, 28 de Novembro de 2010

 

 

 

Na rua sigo ao mesmo ritmo que dois homens que conversam sobre os seus amores e o o desejo das mulheres. Os tempos estão diferentes, diz um ao outro, o que elas querem agora são homens mais velhos, são os que têm dinheiro. Estará um a consolar o outro, talvez a introduzir a economia no tema difícil do amor, será contabilista, pergunto-me enquanto os observo melhor e verifico que já não são novos e nem têm ar de muitas posses. Decido-me pela consolação, talvez uma mulher tenha ido embora, já não faça parte da vida do homem. Se há coisa que necessita de explicação são as ausências dolorosas. No cruzamento seguinte paro na máquina do multibanco. Sentados na arcada ao lado, outros dois amigos de idade avançada. Um descreve ao outro uma mulher; sabe cozinhar que é uma maravilha, percebe da lida da casa, passar a ferro e outras coisas que tais. Explica com detalhe uma receita dela, um petisco refinado aos seus olhos, não há quem faça igual. Afino o ouvido, é uma vergonha, bem sei, isso de escutar as conversas dos outros, mas não resisto a homens a discutir o amor, acepipes e lençóis, perdidos no poço da sua geração.



afonso ferreira às 17:44 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

A combater domingos desde sempre.


Arquivado em:

afonso ferreira às 13:22 | link do post | comentar
|

Sábado, 27 de Novembro de 2010

 

Tenho à minha espera uma empreitada grande, que irá ocupar-me muitas noites nos próximos meses e reduzir-me as já escassas pestanas. Talvez a graduação dos meus óculos aumente e tenho a certeza que no final não estarei mais lúcido. Tanto esforço não será para um romance de forte envergadura, nem temos a certeza se teremos uma composição digna desse nome. Se ainda assim, estimado leitor, com tão francas promessas, estiver disposto a ajudar este pobre diabo e tiver indicações sobre o paradeiro da estrutura de ferro do antigo mercado da Praça da Figueira, ficarei eternamente agradecido. Se a vida o abençoou com um avô ou avó de idade avançada cuja lucidez ainda seja um motivo de comemoração diário, será um excelente motivo para uma interacção familiar de grande qualidade e um contributo de peso para o meu problema de imaginação desenfreada. Se for o feliz proprietário de fotografias de Lisboa antiga e não souber o que fazer com elas, envie. Se o problema são as chaves de portas de entrada em locais de grande interesse histórico na cidade e não tiver visitantes e estiver disposto a oferecer uma visita guiada, prometemos ir de gravata e portarmo-nos bem. Lembre-se que é Natal, é uma grande oportunidade de não ser visitado pelos três fantasmas.

 

Contribuições de grande espírito natalício para umhomemnacidade@gmail.com. Assunto sério.


Arquivado em:

afonso ferreira às 19:10 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

 

Logo a abrir, aparece-me pousada sobre o Tejo como uma cidade de navegar. Não me admiro: sempre que me sinto em alturas de abranger o mundo, num pico dum miradouro ou sentado numa nuvem, vejo-te em cidade nave, barca com ruas e jardins por dentro, e até a brisa que corre me sabe a sal.

José Cardoso Pires, Lisboa, Livro de bordo


Arquivado em:

afonso ferreira às 18:37 | link do post | comentar
|

Sexta-feira, 26 de Novembro de 2010

...recorda vivamente a dicotomia desfolhar vs. folhear. Mas agora estou demasiado alcoolizado para continuar. Voltaremos a isto sem dúvida nos próximos tempos. É demasiado ridículo para deixarmos passar em vão.



afonso ferreira às 03:19 | link do post | comentar
|

Quinta-feira, 25 de Novembro de 2010

Lentamente vamos conquistando o direito de não ter que conquistar nada.



afonso ferreira às 13:12 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

 

 

 



afonso ferreira às 02:37 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

 

Nunca acreditei em deus. Nem no céu ou inferno e o resto da parafernália cristã. Acredito num gabinete. Com secretárias e telefones a tocar. O céu aos meus olhos assemelha-se a uma esquadra da polícia, movimento ininterrupto, dramas e zaragatas de faca e alguidar em que acabam todos abraçados a cantar a uma só voz. Há uma sala onde estão os tipos que escrevem os guiões, cheia de fumo e marcas de copos de whisky nas secretárias. Às vezes estão inspirados e escrevem épicos, outros dias há que só escrevem porcaria, sonetos mal amanhados, frases incendiárias indignas de figurar num pacote de manteiga. Os sacanas trocam-me as voltas, dão-me cabo do enredo diário e da obra-prima que poderia ser a minha vida. 

 




afonso ferreira às 01:20 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

Uma greve geral para todos, são os meus votos.



afonso ferreira às 12:58 | link do post | comentar
|

... iguais a esta, se não for pedir muito (lembra-te que não tenho por costume pedinchar). Amanhã será sempre um desejo por cumprir, uma luta, um alcançar. 
E agora vou ali dormir o sono dos justos que já não me aguento nas canetas. Viver pode cansar imenso.



afonso ferreira às 03:13 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 23 de Novembro de 2010

... os maus vão a todo o lado.



afonso ferreira às 02:56 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Segunda-feira, 22 de Novembro de 2010

 

 

(...) Sentou-se ao computador com a barba de três dias e de peúgas. [panorâmica da sala de estar deprimente, uma televisão ligada sem som, um estendal com roupa a secar] Começou a ronda no Facebook pelas fotografias das amigas dos amigos. Enviou indiscriminadamente a mesma frase dezoito vezes. "Olá. Parece-me que temos muito em comum." [close up do monitor, som das teclas do computador] Amigável, breve e suficientemente misterioso, um achado de frase. A experiência dizia-lhe que uma em vinte mordia o isco. Esperava ter sorte esta noite. Uma noite de domingo insuportável, solitária e triste. Na verdade não variava muito de todas as outras noites. Tinha recebido uma mensagem de resposta da ronda anterior, mas descobrira entretanto que era casada, o que era pena porque era muito gira. Decidiu mesmo assim que daria uma resposta. Continuou a ver perfis. Deteve-se numa fotografia, não era muito atractiva mas o currículo e os amigos compensavam esse pormenor. Enviou-lhe a mesma mensagem. A coisa boa das feias é que costumam responder sempre.

1º capítulo


Arquivado em:

afonso ferreira às 00:29 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Domingo, 21 de Novembro de 2010

 

 

 



afonso ferreira às 21:50 | link do post | comentar
|

Sábado, 20 de Novembro de 2010

O ministro das Obras Públicas, António Mendonça e o secretário de Estado, Paulo Campos, repetiram hoje o mesmo discurso a abrir e a fechar o último dia do congresso da APDC.


Arquivado em:

afonso ferreira às 22:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sexta-feira, 19 de Novembro de 2010

 

 

 



afonso ferreira às 12:32 | link do post | comentar
|

Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010

... o Caetano Veloso passou por mim de táxi e deitou-me a língua de fora. 



afonso ferreira às 18:21 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Terça-feira, 16 de Novembro de 2010

 

Onde escreve melhor é no eléctrico 25. Descobriu aquela rota nova, que o deixa exactamente no mesmo ponto que o outro, mas demora mais tempo. Por vezes leva o dobro do tempo a chegar do que é costume. Espera também mais tempo na paragem, que é muito mais longe do que a outra, é preciso andar muitas ruas, é preciso atravessar a baixa. Mas nesta paragem não há nada entre ele e o rio. Quando chega, olha para o painel e vê quantos minutos faltam para o eléctrico. São os minutos exactos que olha para a água, para o céu, para as gaivotas e os pombos. É naquela pequena viagem, mais comprida que a outra, que tem escrito sobre todas as coisas e sobre coisa alguma também. Anda a pensar sobre as regras que transporta na sua cabeça dentro de uma mala antiga de couro. O princípio, o meio, a reviravolta, o fim, o verso, o itálico, não fumar em jejum, não apanhar frio nos pés. Está farto de regras, de ir pelo caminho mais curto, de viver entre parênteses. Um dia destes, quando ninguém estiver a ver, atira a mala ao rio e não pensa mais nisso.



afonso ferreira às 03:29 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010

 

 

 



afonso ferreira às 22:06 | link do post | comentar
|

 

 

 



afonso ferreira às 21:59 | link do post | comentar
|

 

A propósito do filme The Social Network tenho ouvido verdadeiros disparates nos últimos dias. Defender que as redes sociais têm mais influência do que a educação, cultura, ideologias ou genes, é um erro infantil. Por outras palavras, não foram as redes sociais a tornarem as pessoas idiotas, elas já eram idiotas. Pensar que o Facebook ou o Twitter em pouco tempo têm mais influência que a ausência de valores, falta de estímulos na infância, e uma genética pouco generosa, é demasiado ambicioso, para dizer o mínimo. Não consigo recordar nenhum aspecto da vida humana que tenha sido asfixiado pelas redes sociais. As pessoas continuam a fazer amigos e inimigos, a casar, a fazer sexo, a acordar todos os dias, a morrer. No entanto, reconheço a sua importância no mundo actual. Tive um Spectrum aos oito anos, recordo-me de comprar o primeiro PC, e do esforço que foi montar sozinho no computador o gravador de cds interno comprado no estrangeiro. Lembro-me de surgir a internet, o primeiro endereço de email, as primeiras navegações. Na mesma altura vieram os bips, depois os telemóveis. Era tudo novo e ninguém sabia nada, era necessário aprender tudo do zero. As reacções mais estapafúrdias surgem da geração imediatamente anterior à minha, não vejo os meus pais a discutir as redes sociais, não vejo os miúdos preocupados. Embora utilizem as novas ferramentas ao seu dispor, não cresceram com elas. Continuam a utilizar os argumentos que eu ouvia com seis anos quando surgiram aqueles pequenos jogos portáteis que foram um sucesso na década de oitenta. Como se esses jogos, ou o Spectrum ou ter jogado Tetris a mais, fossem os culpados pelos dois polegares disformes em relação ao corpo, por ter falhado na escola ou não ter chegado à universidade, nunca ter conseguido arranjar uma namorada e ser virgem aos trinta, e não ter juntado duas palavras com sentido coerente em toda a minha vida adulta. Ouço discursos inflamados sobre o quão nocivas são as redes sociais, assisto a pessoas a fecharem a conta no Facebook (mas com direito a post a anunciar ao mundo), leio textos ridículos na imprensa e penso que o que lhes falta na verdade é terem jogado um spectrunzinho na infância. Isso e talvez um bocadinho de vida própria para além das redes sociais.



afonso ferreira às 03:50 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Domingo, 14 de Novembro de 2010

 

 

Fernando Pessoa, Poeta na hora absurda, de Mário Sacramento

Cartas de Inglaterra, de Eça de Queirós

, António Nobre


Arquivado em:

afonso ferreira às 23:49 | link do post | comentar
|

 

Pediu bife grelhado e vinho enquanto esperava pelo amigo. Pensou em todas as pessoas a almoçarem neste domingo de Outono. À sua frente vê um casal estrangeiro com um bebé a discutir em surdina. Atrás de si, um homem almoça sozinho alheado do barulho do restaurante. Pensa em quantos almoços de domingo terá pela frente e de que forma acabará o caderno onde escreve enquanto espera pelo bife e pelo amigo.


Arquivado em:

afonso ferreira às 20:28 | link do post | comentar
|

Aos domingos encerramos depois do jantar.


Arquivado em:

afonso ferreira às 19:08 | link do post | comentar
|

Um casal no carro a discutir à porta do casino. Os sinos a tocarem. Um auditório cheio e um homem em palco que não olha para a assistência. O grupo de escuteiros no jardim da igreja. Uma tapeçaria de dez metros que demorou uma década a ser feita. A espuma das ondas na noite profunda.  A tua voz.



afonso ferreira às 03:18 | link do post | comentar
|

Sexta-feira, 12 de Novembro de 2010

 

 

 



afonso ferreira às 22:24 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Hoje o Nininho não vai a Belém porque, como não sabia se havia carros, combinei tá aqui às seis ho’as. Amanhã, a não sê qu’o Nininho não possa é que sai daqui pelas cinco e meia. (desenho de uma meia) (isto é a meia das cinco e meia).
Amanhã o Bebé espera pelo Nininho, sim? Em Belém, sim? Sim?
Jinhos, jinhos e mais jinhos.
Carta de Fernando Pessoa a Ophélia Queiroz, 31 de Maio de 1920


Arquivado em:

afonso ferreira às 12:56 | link do post | comentar
|

 

Às vezes receio que depois da minha morte desenterrem as coisas pirosas que escrevi para ti. Principalmente as que acabam em inho. Mas continuo a escrever e a enviar por não conseguir negar palavras.


Arquivado em:

afonso ferreira às 12:36 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds