Quinta-feira, 31 de Março de 2011

 

 

 

Revejo os posts escritos na última semana e não há um sem sílabas a menos, erros, falta de concordância nos sujeitos, verbos ao lado, palavras repetidas até ao enjoo. A lista é extensa mas existe uma boa explicação. Três semanas a dormir quatro horas por noite. A funcionar a cafés não vou longe, o problema é ter a ilusão que sim, e por isso continuo a martelar teclas. Esta semana subi a fasquia para as cinco horas e já estou mais lúcido. Em vez de sílabas parece-me que já só como letras. O objectivo é chegar às seis horas e meia por noite e atingir um patamar de concordância entre a escrita e a realidade. Mas claro, também isso poderá ser uma ilusão onírica.



afonso ferreira às 23:06 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

 

I. 

Recebo um email de alguém que não reconheço o nome. Duas linhas apenas: A partir do dia de hoje este já não é o meu email. Peço-vos que reencaminhem as vossas mensagens para o email... Faço um search pelos emails todos. Nada. Procuro o nome da pessoa na lista do telefone. Zero. Procuro mais destinatários na mensagem. Nenhum. O email é dirigido apenas a mim. Ainda não nos conhecemos e invade-me a sensação de estamos a acabar qualquer coisa. 

 

II. 

Debaixo da porta deixam-me um recado escrito no verso de um flyer de uma festa. Em quatro linhas escritas com esferográfica preta cabe toda a mensagem. A apresentação, o nome, onde mora, e dois destinos possíveis para deixar as calças beges de homem que deixou cair e voaram para o meu terraço. Escolho uma das duas hipóteses de entrega do objecto voador e assim procedo. Nunca conheci a pessoa nem ela deixou cair mais nada.

 

III.

Telefonam-me três dias antes a relembrar-me para ligar-lhe. No dia em questão telefonam-me outra vez. Não te esqueças, dizem-me. Peripécias várias fazem com que o dia passe a correr e eu sem fazer a maldita chamada. À noite lembro-me e estou dentro de uma sala de cinema às escuras. Nada a fazer. A partir daí passo os dias a ligar-lhe. Às horas mais diversas, quando acordo, quando vou fumar um cigarro, entre trabalhos. Nunca atende, embora toque insistentemente. Dão-me coordenadas precisas, horas em que atende de certeza. Até agora sem sucesso. Os dias passam. Não tem caixa de mensagens. Tem 89 anos. Poderá ser o meu último telefonema. Vou continuar a ligar até que atenda. 



afonso ferreira às 01:19 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

  

[Imagem fanada ao VA]

 

O Vidro Azul é o programa de rádio que mais vezes colocou a minha vida em risco. Aos domingos à noite, depois de estacionar, era regra ficar dentro do carro a ouvir o fim da música que estivesse a tocar. Calculando todos os sítios manhosos onde já estacionei o quatro rodas é uma sorte não estar agora a ouvir o programa na eternidade. O podcast salvou-me a vida. Obrigado, Ricardo Mariano. 



afonso ferreira às 00:03 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Terça-feira, 29 de Março de 2011

 

 

Tente cumprimentar todas as pessoas que conhece, mesmo que remotamente; se não conhecer ninguém, melhor ainda, sempre mostra o quão socialmente extenuante poderá ser sair consigo; beba tudo o que apanhar à mão, aos pés deixe para o final da noite; catrapisque todas as ex-namoradas que encontrar, se tiver o azar de não encontrar nenhuma, finja sem hesitações; e depois disto tudo é quase garantido que o seu telefone não voltará a tocar, pode ir descansado para casa apreciar bons livros e escrever umas linhas.

 



afonso ferreira às 23:16 | link do post | comentar
|

 

Copacabana, Marc Fitoussi, 2010

 

[É a Babou e eu a sonhar com o Rio de Janeiro.]



afonso ferreira às 22:39 | link do post | comentar
|

Que não respondam ao bom dia. Nem à boa noite.



afonso ferreira às 02:30 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Ao serão, eu sabia tudo sobre a queda do governo, as eleições no Sporting e a queda aparatosa da Merkel. Ela deu-me as notícias do prémio do Souto Moura e da mudança de regime no CCB.



afonso ferreira às 01:29 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 28 de Março de 2011

Mais um domingo despachado. 


Arquivado em:

afonso ferreira às 00:46 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Domingo, 27 de Março de 2011

 

Hoje já não é a taxa de analfabetismo que temos de combater, são as novas formas de iliteracia. Há tempos, num artigo sobre novos media, alguém afirmava que o novo analfabetismo é a infoexclusão, já não se coloca a questão de compreender a linguagem, mas se tem acesso e domina a informação ou não. Neste campo estamos longe de um patamar aceitável. Defronto-me todos os dias na minha vida pessoal e profissional com casos gritantes de iliteracia e alheamento, não compreendendo na maior parte dos casos como é possível a progressão na carreira ou alcançar cargos de chefia. No último ano assisti a várias situações no mínimo caricatas. Um profissional reconhecido, e recentemente professor universitário, que não sabia escrever, com erros ortográficos de nível primário; várias pessoas que, depois dos bancos caírem e de meses de notícias na comunicação social, não faziam ideia da existência do BPP e do João Rendeiro; vários que vão trabalhar para os ministérios sem saber o nome dos ministros; uma pessoa que há poucos dias numa discussão política afirma de forma convicta que a Zita Seabra continuava a pertencer ao corpo dirigente do PCP. Poderia estar o resto do dia a dar exemplos. Todas as situações descritas implicaram pessoas com curso universitário, em alguns casos doutoramentos, e bem colocados em cargos profissionais. Ou seja, que estudaram, tiveram acesso, têm meios. Esta semana, a propósito da recente convulsão política, vivi mais uma situação no mínimo constrangedora. Na quarta-feira, a poucas horas do governo cair e depois de uma semana em que não se falava de outra coisa nos jornais e televisões, ao fazer menção ao facto numa conversa, alguém perguntou: "Queda do governo? Onde?". Por onde entende-se país. Este, o nosso, que não conhece a palavra exigência



afonso ferreira às 18:02 | link do post | comentar | ver comentários (6)
|

Sábado, 26 de Março de 2011

 

 

Sempre que vejo um anúncio a bebidas alcoólicas, cheio de gente contente e aos pulos com vidas espantosas, penso na elevada taxa de alcoólicos no país.



afonso ferreira às 23:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sexta-feira, 25 de Março de 2011

 

Otto Preminger

 

 



afonso ferreira às 00:53 | link do post | comentar
|

Quinta-feira, 24 de Março de 2011

 

 

 

Apesar da greve nos transportes, de uma crise de sinusite aguda e uma ressaca que não lembra ao diabo.



afonso ferreira às 21:13 | link do post | comentar
|

Quarta-feira, 23 de Março de 2011

No fundo, oscilamos entre artistas e funcionários do modo burocrático de viver.



afonso ferreira às 00:44 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Segunda-feira, 21 de Março de 2011

Uma noite fora e voltamos ao mesmo. Ao chegar encontro a casa de trombas. Na minha ausência entreteve-se a fazer gato-sapato da ordem doméstica. Vamos à lista: computador com ecrã preto (não pifou, a wallpaper passou misteriosamente de azul a noite cerrada, nenhuma explicação válida para tal fenómeno); encontrado um dólar na mesa-de-cabeceira; a televisão não funciona; fiquei com dois puxadores de porta nas mãos; uma lâmpada fundida para trocar.

 



afonso ferreira às 02:29 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Domingo, 20 de Março de 2011

 

 

 



afonso ferreira às 23:22 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

 

 

Sol, calor, praia, jacarandás em flor. Tudo num só domingo e ainda são três da tarde.


Arquivado em:

afonso ferreira às 15:12 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

Sábado, 19 de Março de 2011

O mundo é do tamanho do meu olhar.



afonso ferreira às 20:12 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

 

August Sander, Wollenburg,1938

 

Todos as manhãs chego acompanhado do grasnar feroz das aves. Não é particularmente agradável, são gritos no ar, na copa das árvores e nos telhados. É minha convicção serem araras as culpadas, mas pode ser tudo pura imaginação, nunca as vislumbrei para confirmar. Atravesso o jardim e as ruas de ouvidos atentos, nariz espetado no ar, a esbarrar em pessoas tão estremunhadas quanto eu. Ao fim do dia, a mesma coisa. Só as deixo de ouvir na boca da avenida, o bairro das gaiolas nas costas. Dou ordens aos pés e liberto a cabeça e os olhos. Uns que trabalhem para o prazer dos outros, toda a vida andámos assim. Meto a eito em direcção ao segundo jardim, passando pelo velho cemitério inglês. Cumprimento sempre a Charlotte, segunda campa à direita, que se não me vê passar fica preocupada. Um dia destes, esse tempo que nunca mais chega, não passo só por ela, entro pelo portão de ferro, e suspendo o tempo para perguntar-lhe como corre a vida. Ou talvez convide a minha amiga para dar pão aos patos no lago, sempre lhe fazia bem apanhar ar. Vejo a primavera a chegar, mais perto a cada dia que passa, de mansinho vai-me aparecendo no caminho. Quando me vê mais cansado ou sisudo faz-me cócegas. No outro dia mordeu-me uma orelha.



afonso ferreira às 02:56 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

 

 

 



afonso ferreira às 02:39 | link do post | comentar
|

 

M.

Fuma cigarros de enrolar, gosta de tabaco fresco numa tradução selvagem do inglês, mas a certa altura pede para fumar dos meus. Fortes, as saudades que tem do tabaco forte da Alemanha. Por causa dos cigarros acabamos na varanda com vista para o vale, prédios, janelas com luz, igrejas e ciprestes. Senta-se no balcão da varanda só com uma perna a prender a fragilidade do corpo ao prédio, ao estuque, aos terraços e telhas. Isto desequilibra-me, apesar dos meus dois pés na terra. Está longe de casa mas já esteve muito mais. Por causa do tabaco, descreve-me a mãe e os aeroportos onde se podia fumar e onde agora tudo é demasiado proibido. Andou pela América do Sul, países e fronteiras, e numa cidade onde era suposto ser só uma passagem, ficou presa a um animal e um hospital. Sozinha, internada com um parasita num pé que começou a comer-lhe a carne, numa Venezuela profunda onde só recebia soro e antibiótico. Os dias a passarem e ela a fumar escondida na casa-de-banho. Depois, por fim, fumava na varanda do hospital, com uma perna a segurar o corpo à alvenaria. Haveria de sair dali e noutro país matar o bicho, salvar o pé e reencontrar rostos conhecidos. 

 

F.

É belo, sabe-o, e o corpo não denuncia a idade, parece mais novo. Na realidade é ainda bastante novo. Cinco anos no Dubai, a servir em aviões, e um dia surge uma oportunidade irresistível. Perde-se de amores pela ideia e decide fazer as malas. Aterra no Brasil na senda de montar um negócio. Fica por lá uns anos, apaixona-se pela música. Uma festa numa noite de calor perfeita, um antigo bordel recuperado, lanternas no jardim e pessoas a dançar. O negócio naufraga. Perde tudo. Volta à cidade e tenta sobreviver depois de tantos anos fora. Perder tudo significa neste caso não ter nada, absolutamente nada entre mãos. Faz festas ao cão da casa, gostava de ter um, mas um animal é uma responsabilidade que não pode permitir a si mesmo neste momento. Apesar do revés da fortuna é optimista, não pressinto rancor, culpas ou remorso. Encara apenas como um risco que decidiu correr. Para correr é preciso arriscar.


A.

Chegou à cidade acompanhada de amigos, com planos e objectivos. Passaram meses e quando todos regressaram ela decidiu ficar. Diz-me que comprou uma passagem de regresso, mas tenho a sensação de que talvez não seja esse o final da história. Conta-me o percurso do bisavô alemão que chegou ao Brasil quando a Segunda Guerra acabou e estabeleceu-se no sul. Casou e teve filhos. Um dia foi embora. Para outra cidade, outro casamento, outros filhos. Na verdade, não sabe se foi assim que aconteceu. Parece que vinha do lado mau da guerra, os derrotados, os que perseguiram. Simplesmente nunca mais tiveram notícias, ficou um apelido invulgar e uma ausência dolorosa. Talvez conte esta história porque no íntimo sabe que também ela não vai regressar. Quando a ditadura militar proibiu que falassem alemão, quando queimavam livros, quando tudo parecia sem sentido, falavam-lhe na língua materna e ela dominava a linguagem, agora diz que vacila a falar, perdeu a fluência. Talvez volte, talvez não. 

 



afonso ferreira às 01:27 | link do post | comentar
|

Quinta-feira, 17 de Março de 2011

 

De madrugada invento balanços, oscilo. Releio as mensagens recebidas. Decido atirar palavras. Respondo. Mas, por fim, faço as contas de somar e o saldo poderá vir a ser negativo. Entre gostar desta ideia de ti ou fingir que não, parece-me mais sadio manter uma paixão acesa à minha pessoa. Deixo-te cair, mas com toda a delicadeza. Ainda não sinto arcaboiço suficiente para abandonar-me à má sorte.



afonso ferreira às 02:19 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

Quarta-feira, 16 de Março de 2011

Vacilou na convicção do convite aceite para jantar quando viu o extintor para emergências na cozinha.



afonso ferreira às 23:29 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

A viver uma adolescência tardia influenciada pelos efeitos sapientes da terceira idade.



afonso ferreira às 21:47 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 15 de Março de 2011

 

Benfica

March 14 at 9:12pm

es o Jel dos homens da luta?

Homem Na Cidade

March 14 at 9:12pm

sou, mas o cabelo é uma peruca.

Benfica

March 14 at 9:16pm

tas a gozer? Jel sou o teu maior fã! tenho um relogio dos homens da luta, 12 Ipha´s 3 t-shirt´s, 72 canetas, 2 megafones, 1 bigode

Homem Na Cidade

March 14 at 9:17pm

não me digas que foste tu que compraste as 72 canetas. Não queres as outras 28?

Benfica

March 14 at 9:18pm

n! tu tas a gozar cm! n es o Jel!

Homem Na Cidade

March 14 at 9:20pm

sou. mas só das 9 da manhã às 6 da tarde. e as canetas? levas as 28 pelo preço de duas dúzias. que dizes?

Benfica

March 14 at 9:21pm

lool vens o 5PMN?

Homem Na Cidade 

March 14 at 9:25pm

recuso-me a ver programas onde não sou convidado. além disso embirro com programas que utilizem a palavra "meia-noite" no título. A utilização de números também revela inconsistência intelectual.

Benfica

March 14 at 9:28pm

e ouve lá ajudas me num passatempo??

Homem Na Cidade

March 14 at 9:30pm

claro, não tenho absolutamente mais nada para fazer. 



afonso ferreira às 00:36 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 14 de Março de 2011

Menu ao almoço: carne na grêlha, arros e abacachi.



afonso ferreira às 21:46 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Viver numa zona da cidade onde se anda a toques de sinos das igrejas.



afonso ferreira às 11:24 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sábado, 12 de Março de 2011

 

 

Protesto de taxistas, Câmara de Lisboa, Praça do Município, 1928

 

 

 

Protesto de taxistas, Assembleia da República, 1975

 

 

 

 



afonso ferreira às 13:56 | link do post | comentar
|

 

 

 



afonso ferreira às 02:26 | link do post | comentar
|

  

Quando digo a morada não sente pudor em revelar desconhecer a localização. Preparo-me para uma viagem difícil. Dou mais indicações, situo a zona, ofereço o trajecto mais indicado, menciono nomes de ruas e restaurantes. Faz um sorriso e pede-me o número da porta. 23. Vamos para o 23. Ahhhh, diz ele todo contente. Liga o GPS e parece genuinamente interessado em saber todas as informações.

Duas ruas depois, o telemóvel toca e com o mesmo sorriso atende a chamada e fala durante uns longos minutos enquanto atravessamos ruas, noite, sinais e chuva. Quando desliga decide que somos amigos e conta-me o telefonema. Era o amigo a comunicar que chegou bem a Espanha. Tudo a correr como o esperado. Vai lá casar. Mas quer saber o melhor?, pergunta ele, todo amizade para aqui, amizade para acolá. Vai casar por dinheiro. Aqui arrebito as orelhinhas, que histórias a vulso é pura gasolina para andar a passear pela vida e esta parece bastante promissora. Diz-me que o seu amigo vai casar por dinheiro? Isso já não está em desuso?, provoco para puxar o cordel à história. Não é preciso atirar-me aos nabos na púcara, o meu novo amigo taxista quer contar tudo.

Pois, por dinheiro, uma mulher ofereceu-lhe dinheiro para casar. Mas isso é tudo amor ou desespero? Nem uma coisa nem outra, é para ter papéis. Ahhhh, percebo, hum, hum, e seria muita indiscrição perguntar por quanto fica um matrimónio nessas condições? Nenhuma indiscrição, caro amigo, 5 mil euros é a quantia em jogo. 5 mil euros? Isso está em saldos ou é a crise? É o valor estabelecido, 5 notas das grandes, vai a Espanha e volta de anilha. Acho barato, uma pechincha. Eu já pensei nisso, se estivesse num aperto... mas não seria capaz. De Espanha, nem bom vento nem bom casamento. Acha? É uma expressão. Ahhhh, nunca tinha ouvido, não foi alguém que casou por dinheiro, pois não? Não, mas foi um casamento arranjado... espere, pensando melhor também foi por dinheiro e papéis. 


Arquivado em:

afonso ferreira às 01:41 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sexta-feira, 11 de Março de 2011

A minha boa educação à mesa depende da quantidade de assuntos interessantes nas outras mesas.



afonso ferreira às 03:09 | link do post | comentar | ver comentários (6)
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds