Quinta-feira, 30 de Junho de 2011

 

Um dia é da caça, outro do caçador.



afonso ferreira às 12:49 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Segunda-feira, 27 de Junho de 2011

Aufere-se o grau de sentimento pelas vezes em que aceitamos, fazemos delete ou somos capazes de esquecer.



afonso ferreira às 03:04 | link do post | comentar
|

Domingo, 26 de Junho de 2011

 

Reconheço os sintomas. O espaço rarefeito entre o desespero e o fim. O medo, do finalizar de algo, e, pior, o receio de mais tarde recomeçar. As jogadas perigosas, a roçar o suicida, os sentimentos secundários, os terceiros elementos, as personagens periféricas a acenarem para palcos habitados por actores indiferentes. Eu sei reconhecer. Mas ainda assim é sempre uma surpresa amarga assistir à peça no centro do palco, mesmo que não tenhamos nenhum papel específico a não ser observar e sermos testemunhas das últimas palavras no genérico.



afonso ferreira às 03:08 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

No mesmo espaço, dois sons em sintonia: um grilo a cantar à semelhança de uma noite de canícula no campo; a praça coberta de música de dança como numa pista de discoteca.



afonso ferreira às 03:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sábado, 25 de Junho de 2011

A Miss Pearls enaltece-nos com o convite para responder ao questionário literário que percorre a blogosfera na última semana. Enaltece a minha pessoa porque pressupõe que ainda leio ou sei o que é um livro. Pura ilusão típica das amizades mas prometo dar o meu melhor que inclui não mencionar o Em busca do tempo perdido.



afonso ferreira às 18:01 | link do post | comentar
|

Sexta-feira, 24 de Junho de 2011

 

Há quem seja pelo estômago. Quanto a mim, até Setembro, sou conquistado por convites para visitar o mar.



afonso ferreira às 13:39 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Terça-feira, 21 de Junho de 2011

 

A minha geração lê Philip Roth como a anterior ouvia Maria Bethânia em domingos melancólicos.



afonso ferreira às 21:31 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

Segunda-feira, 20 de Junho de 2011

 

Há ruas para todos os sentimentos na minha geografia sentimental e vida azarada. Há a rua na qual o meu carro foi rebocado e multado mais vezes, por exemplo. Há a rua onde sempre que a percorro não consigo evitar olhar para uma determinada janela e ninguém sabe a história porque nunca a contei. Há também a rua onde apanhei um dos maiores cagaços das minha vida. Ontem descobri a rua mais perigosa. Tantas vezes a percorri sem suspeitar de nada, há pelo menos vinte anos que a subo e desço e sempre pareceu inofensiva. Mas isso foi antes de forças misteriosas e altamente improváveis terem decidido que passaria a ser a morada de três ex-namoradas. Como uma não posso ver à frente, outra passou a amiga e a terceira estou a ver se recupero o tempo perdido, circular naquela zona tornou-se uma finta ao ataque de coração. Aquela rua ainda vai ser a minha desgraça.



afonso ferreira às 23:34 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

Domingo, 19 de Junho de 2011

Quando adiamos demasiado habilitamo-nos a que um dia seja demasiado tarde para termos seja o que for.



afonso ferreira às 23:31 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Sexta-feira, 17 de Junho de 2011

Certas despedidas no aeroporto e alguns telefonemas produzem em mim o mesmo efeito – que não chego para esta vida quanto mais para o mundo a girar.



afonso ferreira às 21:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Trabalho onze horas por dia, durmo quatro horas por noite, fumo que nem um cavalo, não tenho cão nem gato, nem ninguém me quer loucamente. Se não for feliz estou tramado.



afonso ferreira às 18:36 | link do post | comentar | ver comentários (13)
|

 

Pior do que assistir ao almirante a afundar o navio, é estar dentro dele e não ter bóia.



afonso ferreira às 15:20 | link do post | comentar | ver comentários (4)
|

Quinta-feira, 16 de Junho de 2011

Uma besta com as palavras, um coração mole nos actos.



afonso ferreira às 18:31 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 14 de Junho de 2011

Descia desgovernado a calçada num interessante diálogo consigo próprio. Um era Jesus, o outro o Conde de Avintes.



afonso ferreira às 22:43 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Poderia ficar por aqui. Cingir a minha existência às ligações existentes, à vidinha arquitectada, mas não tenho feitio para isso. Desconfio que para além de ter nascido com olhos de velho tenho um feitio definido. Mandar tudo à merda uma e outra vez. É preciso tomates para isso. Tomates, costas largas e resignação também. Mas é mais forte do que tudo. Mais além. Há sempre qualquer coisa à frente.



afonso ferreira às 01:02 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Sexta-feira, 10 de Junho de 2011

 

 

(...) Sentou-se ao computador com a barba de três dias e de peúgas. [panorâmica da sala de estar deprimente, uma televisão ligada sem som, um estendal com roupa a secar] Começou a ronda no Facebook pelas fotografias das amigas dos amigos. Enviou indiscriminadamente a mesma frase dezoito vezes. "Olá. Parece-me que temos muito em comum." [close up do monitor, som das teclas do computador]Amigável, breve e suficientemente misterioso, um achado de frase. A experiência dizia-lhe que uma em vinte mordia o isco. Esperava ter sorte esta noite. Uma noite de domingo insuportável, solitária e triste. Na verdade não variava muito de todas as outras noites. Tinha recebido uma mensagem de resposta da ronda anterior, mas descobrira entretanto que era casada, o que era pena porque era muito gira. Decidiu mesmo assim que daria uma resposta. Continuou a ver perfis. Deteve-se numa fotografia, não era muito atractiva mas o currículo e os amigos compensavam esse pormenor. Enviou-lhe a mesma mensagem. A coisa boa das feias é que costumam responder sempre.



afonso ferreira às 00:25 | link do post | comentar | ver comentários (4)
|

Segunda-feira, 6 de Junho de 2011

 

Depois dos risos e das conversas, da comida na mesa, do sol, das crianças a correr e das que esperam para nascer, do peixe na grelha, das comemorações e discussões, das mensagens e palavras, do sexo e de tantas coisas ditas, depois de tudo, um silêncio precioso instala-se na casa, nas janelas uma tempestade a chegar, e o que resta, depois de tudo, são imagens.



afonso ferreira às 21:30 | link do post | comentar
|

Domingo, 5 de Junho de 2011

... vou deixar uma mala feita à porta de casa. 



afonso ferreira às 03:40 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Sábado, 4 de Junho de 2011

 

Encontrava-se numa praça repleta de pessoas, balões no ar e bandeiras ao vento, e tudo a uma só voz a cantar o hino. Centenas de pessoas que cantavam sem falhar uma palavra. Deu por si a assistir a um momento extraordinário.



afonso ferreira às 03:09 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sexta-feira, 3 de Junho de 2011

Muito falam as pessoas que nada têm a dizer.



afonso ferreira às 02:22 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quinta-feira, 2 de Junho de 2011

A melhor forma de prever o futuro é criando-o.



afonso ferreira às 13:58 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Quarta-feira, 1 de Junho de 2011

Vive na dependência de mensagens e telefonemas que chegam numa cadência perfeita.



afonso ferreira às 02:36 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds