Quinta-feira, 25 de Agosto de 2011

 

A pouco mais de um dia para partir conheço de madrugada alguém que percorreu em tempos o mesmo destino. Conversamos longamente sobre o Norte e o Sul, zonas, rios e mares e até uma rua. Na minha cabeça oriento-me perfeitamente num país onde nunca estive e percebo a meio da conversa que o meu corpo está aqui mas o resto já partiu.



afonso ferreira às 13:57 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sexta-feira, 12 de Agosto de 2011

O que resta é sempre o princípio feliz de qualquer coisa.

Agustina Bessa-Luís



afonso ferreira às 18:05 | link do post | comentar | ver comentários (4)
|

Quarta-feira, 10 de Agosto de 2011

A água é fria e translúcida e avanço pé ante pé nas rochas. Há peixes em movimento, corropio entre algas, corpos e espuma. Do outro lado, água quente e palavras esperadas, acena uma promessa de futuro. 



afonso ferreira às 01:20 | link do post | comentar | ver comentários (3)
|

Segunda-feira, 8 de Agosto de 2011


afonso ferreira às 13:14 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sexta-feira, 5 de Agosto de 2011

Na estrada encontro o canhão do homem-bala. Em tons de azul festivo, todo ele pólvora, ilusão e hérnias discais. O azul-festivo do canhão é parecido ao da piscina, que agora arranjada parece outra. Uma piscina banal que todos aplaudem e molham um pé para testar a temperatura, mas que não deixa de ser o que é, uma entre tantas. A anterior era temperamental, se caiam bátegas e soprava o vento forte do oceano, a água transbordava e inundava a casa. O azul das paredes tingia o que apanhava à frente – terreno, chão, árvores, limões – até contaminar tudo. Entramos pelo portão da casa com as azeitonas em flor. Uma diva, apesar da esclerose lateral amiotrófica –  o pior tipo de prisão domiciliária – , que nos recebe com alegria circense. Mais tarde, quando o areal é uma extensão a perder de vista, ou é o mar que é tão infinito, mergulho no resto. 



afonso ferreira às 19:50 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds