Quarta-feira, 30 de Maio de 2012

Tal como a Clarissa acordei com o nascer do sol, atravessei ruas e avenidas e fui comprar flores – brancas, amarelas, de tantas formas e feitios. Há sempre um amigo homenageado e à beira da morte.



afonso ferreira às 12:45 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 29 de Maio de 2012


afonso ferreira às 13:53 | link do post | comentar
|

 

Incongruências nos factos, abuso nas interpretações, algumas mentiras a juntar ao que não é interessante, ou já foi escrito, e todos satisfeitos a aplaudir, a comprar, a entrevistar, a ver passar oblaguer, enfim, a festa do embuste, ou do poder económico, ou do poder político, ou das duas coisas, mais o marketing, que sei eu... 

 

 

O Fernando não merecia isto

 



afonso ferreira às 13:18 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

 

Um mês depois do acidente decido voltar à carga. Enquanto aperto o capacete ainda franzo um sobrolho – quem diz que todos os traumas pedem para ser superados? Na faixa do bus na avenida os táxis ultrapassam-nos a centímetros da minha perna que ainda chia desde o embate. Ao menos tenho alcatrão, sempre parece mais suave que os outros pedragulhos. Vou com o mesmo companheiro de infortúnio e desta vez vamos muito calados. Logo na primeira rua passamos um vermelho e podia jurar que vi chapas retorcidas, vidros estilhaçados, bocados de borracha a ferver no alcatrão. Mas nada acontece. É apenas uma noite tranquila de primavera, dois ou três carros a cirandar, nada a assinalar. No fim, enquanto tiro o capacete e parodio a viagem, apercebo-me das mãos a suar.

 

 



afonso ferreira às 00:34 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 28 de Maio de 2012

... trancas à porta. Ou uma fechadura nova, mais especificamente.



afonso ferreira às 17:32 | link do post | comentar
|

 

 

Uma pessoa acompanha este caso e tem dificuldade em acreditar que possa ser possível. Depois do computador, agenda e telemóvel do 'superespião' terem sido revistados e encontradas provas inequívocas da sua má conduta; depois de terem sido provadas as reuniões e trocas de mensagens e informação com o ministro; depois de sabermos qual foi a moeda de troca para a obtenção do cargo na Ongoing; depois de tudo e tudo: o ministro continua em funções e afirma que a sua posição vai sair reforçada deste episódio; o espião-meia-tigela brinca ao Kung Fu Panda e diz que é uma vítima. Mas alguém é capaz de pôr esta gente na ordem? Quanto mais tempo temos de aturar esta gentalha corrupta e mal formada à solta? E as pessoas que foram vítimas do 007 que tiveram direito a ficha como nos bons velhos tempos da PIDE com dados pessoais que chegavam ao requinte de conterem informação sexuais? Quem é que nos protege desta gente? Mas está tudo doido?


Arquivado em:

afonso ferreira às 10:40 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

 

 

Quem vive na devassa, morre pela devassa.



afonso ferreira às 09:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Um dia descobrimos de chofre a nossa fragilidade perante as coisas absurdas que podem acontecer. Acho que era o Nietzsche que afirmava 'a loucura é algo raro em indivíduos – mas em grupos, partidos, povos e épocas é a norma'. Quando escreveu isto desconhecia por certo a minha habilidade de encontrar gente louca num palheiro.



afonso ferreira às 00:48 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Domingo, 27 de Maio de 2012





Foi preciso ir duas vezes a Istambul para finalmente perceber o significado de hüzün.



afonso ferreira às 23:31 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|



Ainda é tão cedo mas recebo imediatamente resposta à minha mensagem. A disponibilidade dos outros, a tua disponibilidade, que me comove, essa forma de velar pela teia complexa que nos une. O dia, luminosidade e vento, mar ao longe. Percorrer a marginal, multidões à beira-mar, quilómetros de corpos em marcha. Subir à serra e o tempo a arrefecer. Frases, conversas, rosários desfiados. Rir do mundo, das coisas excelentes e também das cobardias, rir muito e rir ainda mais um pouco, a franzir os olhos ao sol, o estômago à beira da boca. Almoçar e despachar duas garrafas sem dar por isso, o mar aos pés e planos em marcha. Mapas de sobrevivência e histórias más também, para relembrar prioridades e sentidos. Areia e livros, o corpo a escaldar, e no regresso a marginal a deslizar ao sabor do fim de dia indolente, tudo no sítio respectivo outra vez, a música em volume alto no carro, eu a tentar distinguir a letra em espanhol, a voz da Carminho, e depois aquilo. Um sinal vermelho, dois carros, o estrondo à nossa frente. Chapas e vidros e alguém desesperado, alguém em ruínas, pessoas a correrem, os sinais verde-vermelho-verde-vermelho-verde-vermelho-verde. Aquilo no fim do dia, este dia tão perfeito, um murro, uma violência, uma coisa assim a correr tão mal. Como se os acidentes fizessem parte da geografia dos nossos sentimentos, como se estivessem gravados na pele, a fatalidade sempre à nossa espera entre desencontros, regressos e alcatrão. 


afonso ferreira às 20:49 | link do post | comentar | ver comentários (4)
|

 

 

O domingo não é quando um homem quiser.


Arquivado em:

afonso ferreira às 11:01 | link do post | comentar
|

 

Volume no máximo.



afonso ferreira às 10:59 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Já se respira melhor nesta cidade. Não é só a primavera, é uma questão de decisões também – a única forma de avançar é cortar pela raiz certos males. 



afonso ferreira às 10:46 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sábado, 26 de Maio de 2012

Pensamos que temos os pés bem assentes no chão, que é difícil tirarem-nos o tapete, que não nos admiramos por pouco. E no entanto, só com palavras, sílabas, vogais e consoantes, frases compostas, prosa e pontos finais, resta-me em certas horas o espanto profundo pelas intenções do mundo. 



afonso ferreira às 21:32 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quinta-feira, 24 de Maio de 2012

Fiction spilling into the real world is the theme, and apart from the objects in the museum, including household items and personal effects among others, it is also Kemal’s obsession that has become palpable in the man who created him. Pamuk’s own urge to collect objects related to the life of his novel is the driving force for the resulting space dedicated to a time that has long since passed and characters only readers know intimately.



afonso ferreira às 17:22 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 21 de Maio de 2012

 

 

Regresso à outra cidade. 24h para despachar o trabalho todo, regar as plantas, pensar no gato que não existe, fechar a torneira do gás, dar duas voltas à fechadura. Até já.



afonso ferreira às 12:56 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Sábado, 19 de Maio de 2012

A secretária e a máquina de escrever Royal usadas por Fernando Pessoa durante quatro anos vão a leilão no início da próxima semana. Numa altura em que já há propostas para a compra desta peças, a TSF foi vê-las a uma galeria de arte de Lisboa.



afonso ferreira às 12:54 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 15 de Maio de 2012


afonso ferreira às 20:50 | link do post | comentar
|

Domingo, 13 de Maio de 2012

Abrir as janelas todas e deixar o ar correr veloz pela casa. Papéis a rodopiar no ar, portas a bater, pétalas que se soltam das plantas. É tempo de voltar a respirar.



afonso ferreira às 14:07 | link do post | comentar
|

Rei – Acredito, sim, que penses o que dizes agora; mas aquilo que decidimos, não raro violamos. O propósito não passa de servo da memória, de nascer violento mas fraca validade. E que agora, como fruta verde, à árvore se agarra, mas, quando amadurecida, despenca sem chacoalho. Imprescindível é que não nos esqueçamos de nos pagar a nós mesmos o que a nós é devido. Aquilo que a nós mesmos em paixão propomos, a paixão cessando, o propósito está perdido.

 

Hamlet, Shakespeare



afonso ferreira às 11:06 | link do post | comentar
|

Sexta-feira, 11 de Maio de 2012


afonso ferreira às 15:37 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Quinta-feira, 10 de Maio de 2012

 

 

Deus cria as pessoas; o diabo junta.



afonso ferreira às 14:52 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Já vi a casa assaltada, o carro vezes sem conta, a conta de email idem, o coração também não escapou; mas palavras e expressões é a primeira vez. Bem-haja a falta de imaginação.



afonso ferreira às 03:19 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Terça-feira, 8 de Maio de 2012

Arquivado em:

afonso ferreira às 21:46 | link do post | comentar
|





afonso ferreira às 21:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Mais de 500 obras literárias estão disponíveis para download gratuito no portal Universia Brasil. Ao todo foram publicados 521 arquivos em formato PDF, que pode ser lido em computadores, tablets e e-readers. As obras são dos mais variados estilos: há desde biografias de cineastas até textos científicos sobre comunicação, passando, claro, por grandes clássicos da literatura.


Arquivado em:

afonso ferreira às 19:50 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

 

 

 

 

Nova temporada de insónias agressivas. A noite passada vimos o dia nascer e conseguimos acordar ainda a uma hora matinal decente, o que me obriga a evitar contabilizar o tempo. Digamos apenas que as horas passadas a dormir cabem todas numa mão e sobram dedos. Amigos aconselham mezinhas caseiras e outras de laboratório, mas tenho uma relutância desde sempre aos fármacos. Nunca vi ninguém tomar drogas legais que transpirasse saúde (das outras, as ilegais, vejo muita gente contente e aos pulos) e penso que isso traduz tudo. Uma das coisas que mais resistência sinto é aos supermercados de produtos naturais e afins. Não pelos produtos que são vendidos, mas por quem os adquire. Uma ida às compras ao Celeiro na baixa, o mais antigo e um resistente à voracidade das modas new wave, é uma viagem aos infernos das doenças humanas. Nos corredores passeiam pessoas amareladas quando não são verdes, de cabelos ralos, a tropeçar em olheiras e a arrastar os pés. E não, não é como num hospital, ou pelo menos como nas urgências, onde há emoção, sangue e drama. Ali já estamos na fase do internamento mas por erro clínico. Entramos no supermercado e apanhamos as doenças às compras – a icterícia no auge, o cancro que alastra, o fígado desfeito, a dieta mal amanhada, a depressão crónica; todas a comprar extracto de alho para o sistema imunitário e curcumina para as articulações. Por isso, quando amigos bem intencionados recomendam remédios que não falham eu já sei que recomendam o inferno, e o inferno tem cestinhos de mão onde cabem muito remédios e corredores que cheiram a milho tufado. Hei-de aqui voltar mas agora vou abraçar a almofada a ver se prego uma rasteira às insónias.



afonso ferreira às 02:51 | link do post | comentar | ver comentários (6)
|

Segunda-feira, 7 de Maio de 2012


afonso ferreira às 23:44 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Sábado, 5 de Maio de 2012


afonso ferreira às 19:06 | link do post | comentar
|


Arquivado em:

afonso ferreira às 11:40 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds