Sexta-feira, 29 de Junho de 2012

 

Uma ecografia. Uma notícia feliz. Culpa minha e que feliz estou. Às tempestades seguem-se os dias doces, âncoras num mar agitado.


Arquivado em:

afonso ferreira às 12:59 | link do post | comentar | ver comentários (5)
|

Quinta-feira, 28 de Junho de 2012

Everyone knows that Stephen King was a janitor and Ransom Riggs shared creepy old photos on mentalfloss.com. What did some other famous writers do before their big breaks?



afonso ferreira às 16:10 | link do post | comentar
|

Deve ser bruxedo. Ou brincadeira. As administrações dos portos e de quase todas as empresas públicas de transportes estão sem mandato. O caso piora com greves paralisantes na Navegação Aérea, TAP e CP. Querem exportar? Receitas turísticas neste Verão? Privatizações? Lamentamos, para o ano há mais. Se houver.



afonso ferreira às 15:31 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

 

Semana de fechar assuntos, arrumar gavetas. Faço um telefonema para resolver a bem um problema e saí-me na rifa uma ameça de processo no tribunal. Como a razão está inteiramente do meu lado (e as provas também) não há muito a pensar – vamos mesmo para tribunal, mas por uma acção posta por mim por causa das tosses. Há dez anos ganhei um julgamento assim, com pressupostos muito idênticos, numa história recambolesca. Se vai ameaçar alguém, pense duas vezes, cuidado com aquilo que deseja, pode torna-se realidade.



afonso ferreira às 13:11 | link do post | comentar
|

A maioria pensa e age olvidando consequências, e pergunto-me todos os dias se não é um reflexo da nossa justiça e tribunais disfuncionais. 



afonso ferreira às 11:36 | link do post | comentar
|

Quarta-feira, 27 de Junho de 2012

 

Dzanc Books/CNC DISQUIET International Literary Program em Lisboa. Programa aqui.



afonso ferreira às 12:53 | link do post | comentar
|

São aqueles com quem discuto as questões terrenas e as absurdas; com quem já apanhei aviões, barcos e comboios e dei a volta ao mundo em viagens que não esquecerei; com quem já ri e algumas vezes chorei; a quem telefono quando tenho notícias boas que só desejo partilhar com alguns; os que têm sempre um lugar à mesa para mim; que estão presentes quando subo ao palco; que não têm medo de chamar as coisas pelo nome; os que confiam na minha palavra contra ventos e marés por a conhecerem bem. São, acima de tudo, as minhas pessoas, a minha família – loucos, bondosos, geniais, originais, imprevisíveis, únicos, cada um com a sua obsessão, os seus desgostos e vitórias. Esta noite encontrei um deles no meio de um evento social e depois do abraço da praxe fiz-lhe a pergunta de rotina – que tens andado a fazer nos últimos meses?, respondeu-me prontamente – sexo



afonso ferreira às 03:05 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Um blog que ajuda a compreender o fenómeno de stalking ainda desconhecido pela maioria e que pode passar pela perseguição via internet ou pessoal, controlo da vida da vítima e dos seus familiares ou amigos, exposição da vida privada, devassa de dados confidênciais, e até ameaças ou atentados à integridade física. Obrigatório ler.



afonso ferreira às 02:39 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Terça-feira, 26 de Junho de 2012

Na ficha técnica do romance Macau, do escritor francês Antoine Volodine, editado por estes dias pela Sextante (do grupo Porto Editora, que aplica com raras excepções o Acordo Ortográfico), pode ler-se: «Por decisão do autor, o presente livro não segue o novo Acordo Ortográfico. (...) mas não deixa de ser extraordinário que um autor de língua francesa seja mais aguerrido na defesa das nossas consoantes mudas do que muitos escritores portugueses, indiferentes ou cúmplices perante as amputações e alterações absurdas à grafia da língua.» via Bibliotecário de Babel



afonso ferreira às 12:41 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Como não amar uma cidade onde o McDonald's faliu?

 



afonso ferreira às 12:40 | link do post | comentar
|

Segunda-feira, 25 de Junho de 2012

Writers of fiction are collectors of useless information. William Trevor



afonso ferreira às 22:33 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|


Arquivado em:

afonso ferreira às 14:23 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|



afonso ferreira às 12:57 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Domingo, 24 de Junho de 2012

Na famosa discussão entre F. Scott Fitzgerald e Hemingway, era o primeiro – que dizia que os ricos eram diferentes – que tinha razão. Os ricos são diferentes, não apenas por possuirem mais dinheiro, mas por terem uma atitude especial perante a vida. (...) Lembro-me de quão austera era a educação que davam aos filhos e, em geral, quão comedido era o consumo doméstico. A ostentação era tida como uma possidoneira de quem recentemente havia adquirido dinheiro. (...) As festas que davam eram tão comedidas quanto à indumentária. Maria Filomena Mónica, Expresso.



afonso ferreira às 23:13 | link do post | comentar
|

A empresa Setestrelas foi apanhada nas investigações do processo do superespião Jorge Silva Carvalho, uma história com ingredientes e protagonistas dignos de um livro de John Le Carré, numa teia que envolve relações perigosas entre espiões, políticos, proprietários de grandes grupos de comunicação social e jornalistas.



afonso ferreira às 20:28 | link do post | comentar
|

Sábado, 23 de Junho de 2012

Writing is a socially acceptable form of schizophrenia.



afonso ferreira às 21:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

We meet the places we wind up loving much the way we meet the people we fall for: on purpose and accidentally; at precisely the right moment and exactly the wrong time; in the highest of spirits and the lowest of moods.



afonso ferreira às 11:04 | link do post | comentar
|

Sexta-feira, 22 de Junho de 2012

 

 

Troquei os horários durante um dia, mercê de uma agenda extenuante, e acabei a jantar às 4 da manhã e a adormecer de óculos postos em cima dos papéis que estava a ler. Sonhei que seguia a bordo de um avião que fez uma paragem numa rua em Lisboa onde aproveitei para fumar um cigarro. Poucos segundos bastaram para nas minhas costas o avião levantar voo com os meus pertences mais valiosos a bordo. Fico na rua a coçar a cabeça e a congeminar como é que poderia resolver a situação, quando, como por magia, o avião regressa. Torno a embarcar e aterro no Brasil, mas não era o país do samba e copacabana. O meu Brasil é um país absurdo, de pessoas, sitios e situações mirambolantes, mas com uma alegria furiosa também. Quando acordo percebo que disse Brasil, como poderia ter dito Escandinávia, é só um país inventado que visito à noite, um país feito à minha medida.



afonso ferreira às 11:58 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Quinta-feira, 21 de Junho de 2012

Uma sociedade que lê boa literatura é menos manipulável. 



afonso ferreira às 14:26 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

 

 

É sabido que, para compor a Dublin do emblemático 16 de Junho de 1904 de Ulisses, James Joyce (1882-1941) se muniu da edição desse ano do Thom’s Directory, directório de todos os imóveis residenciais e comerciais da cidade e respectivos proprietários. Em 1922, quando publica esta que é a sua obra-prima (a par do mais audaz desafio modernista, Finnegans Wake, de 1939), o escritor tem 40 anos e defende que, se algum dia a sua cidade natal for destruída, poderão reconstruí-la tijolo a tijolo a partir do seu romance.



afonso ferreira às 14:01 | link do post | comentar
|

Se é espanto pelo mundo que procura, ouça os outros com atenção.



afonso ferreira às 10:49 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

Quarta-feira, 20 de Junho de 2012


afonso ferreira às 17:11 | link do post | comentar
|

You've been glued to daytime drama for years, and now you think you could write for your favorite soap opera. It seems like all you need to do is take your favorite characters and find new ways for them to stab each other in the back, have elicit affairs and then blame everything on someone else. 



afonso ferreira às 10:03 | link do post | comentar
|

A ex-secretária de Estado dos Transportes Ana Paula Vitorino reafirmou ao tribunal que o antigo ministro Mário Lino lhe disse que as empresas de Manuel Godinho, principal arguido no processo “Face Oculta”, eram “amigas do PS”. No depoimento por escrito enviado ao Juízo de Instância Criminal de Ovar, que tem sob a sua alçada o processo “Face Oculta”, Ana Paula Vitorino mantém tudo o que disse em depoimentos anteriores.



afonso ferreira às 09:41 | link do post | comentar
|

Há dois anos, Rui Pedro Soares, o boy apanhado com a boca na botija, era a peça crucial na caça ao Sócrates. Agora o processo anda às boladas pelos tribunais e o último juiz chegou à amigável conclusão que não vê indícios de corrupção no pagamento. Apesar de todas as provas contra si, é bastante provável que ainda receba uma indeminização por danos morais e uma palmadinha nas costas pelo serviço prestado à pátria. É tão bom ter amigos, essa cambada da inquisição é que estraga tudo.

 




afonso ferreira às 01:39 | link do post | comentar | ver comentários (2)
|

 

Há 72 anos era inaugurada em Lisboa a Exposição do Mundo Português. Uma exposição que iluminava Lisboa contra a escuridão que se abatia sobre a Europa. O evento impressionou quem passava pela capital portuguesa, como o escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, que em 1940 parou na cidade, a caminho dos Estados Unidos. Por essa altura, França já se tinha rendido às forças nazis e só Inglaterra parecia resistir. "Lisboa, que organizara a mais bela exposição do mundo, sorria com um sorriso um tanto pálido", nota o autor de "O Principezinho". "Mas por baixo do sorriso, eu achava Lisboa mais triste que as minhas cidades extintas."



afonso ferreira às 01:10 | link do post | comentar
|

Terça-feira, 19 de Junho de 2012

Arquivado em:

afonso ferreira às 21:54 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Inocente. É esta a conclusão do relatório preliminar da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) no âmbito do processo de averiguações às alegadas pressões ilícitas do ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, sobre o jornal "Público".



afonso ferreira às 19:38 | link do post | comentar
|

 

 

In Physics Aristotle makes a distinction between Time and the singles moments he describes as the "present". Single moments are – like Aristotle's atoms – indivible, unbreakable things. But Time is the line that links these indivisible moments. Though Tarik Bey asked us to forget Time – that line connecting one present moment to the next – no one except for idiots and amnesiacs can succeed in forgetting it altogether. A person can only try to be happy and forget Time, and this we all do. (...) Clocks and calendars do not exist to remind us of the Time we've forgotten but to regulate our relations with others and indeed all of society, and this is how we use them. When looking at the black-and-white clock that appeared on the screen every evening, just before the news, it was not Time we remembered but other families, other people, and the clocks that regulated our business with them. It was for this reason that Füsum studied the clock on the television scren to check if she'd adjusted her watch "perfectly", and perhaps it was because I was looking at her with love that she smiled so happily – and not because she'd remembered Time. 

The Museum of Innocence, Orhan Pamuk




afonso ferreira às 18:46 | link do post | comentar
|

 

 

 

Guarda-te da ira de um homem paciente.



afonso ferreira às 13:44 | link do post | comentar | ver comentários (1)
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds