Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011

 

A chuva fraca da manhã transformou-se em bátegas, ia o dia a meio, o céu a desabar em cascata, o apito do vento por entre as árvores e os prédios. Para não contrariar a minha preferência por pneumonias, em troca da obrigação de arrastar guarda-chuvas comigo, estou na rua à mercê da tempestade. Acabo por abrigar-me na entrada de um prédio numa praça à espera que a chuvada sossegue; já nem é pelo corpo, é pelas gravatas que já não aguentam tanta molha. Na praça não se vê vivalma excepto um rapaz sentado num banco de jardim a falar ao telefone. Está aflito, a conversa não está a correr bem, luta para provar o seu ponto de vista. Chove muito, muito, e o rapaz já é todo ele água e desespero. Começo a ter pensamentos muito sérios sobre o bem-estar do rapaz. Tento recordar-me se já alguém morreu electrocutado a falar ao telefone numa tempestade. Levar com um raio em cima já aconteceu. A sorte dele é estar ao lado de uma árvore. Ou será ao contrário? Não devia estar perto da árvore. Felizmente deve existir pára-raios nos edifícios à volta. Digo eu. Imagino que sim. Neste ponto da história espero uma tragédia a qualquer momento, um choque eléctrico, um raio, um ataque cardíaco, umas eleições antecipadas. Já estou por tudo e a minha gravata encolhe-se, já sabe o que a espera com um tempo destes. O rapaz já tem o cabelo colado à testa, o casaco ensopado, e do outro lado continua sem resposta favorável. Estou quase a oferecer-lhe os meus préstimos, sempre fui um ás em discussões, em alguma coisa haveria de ser bom, mas agora o rapaz está em silêncio, ouve com atenção, uns longos segundos e acaba a dar a derradeira sentença com os pulmões em pleno – Olha, vai à merda, ouviste? Eu amo-te, EU AMO-TE!!!!



afonso ferreira às 23:19 | link do post | comentar
|

5 comentários:
De sueli de souza a 15 de Fevereiro de 2011 às 19:17
Adorei a história.
Pobre rapaz...
:)


De afonso ferreira a 15 de Fevereiro de 2011 às 19:55
pobre rapaz. pobre gravata.


De cosa vedere a madrid a 17 de Fevereiro de 2011 às 11:21
elogios para as fotos, lindo! Eu sempre vi a fotografia como arte mais do que capaz de captar todas as emoções e todos os momentos


De cosa vedere a madrid a 17 de Fevereiro de 2011 às 12:00
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou estudando Português, eu não consigo entender tudo, mas quase! ;)


De Crazy Heart a 17 de Fevereiro de 2011 às 14:14
Adorei a frase... quantas vezes me apeteceu gritar dessa maneira. Há gente com muita coragem


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds