Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

É do senso comum associarmos a violência com acções fortes mas existem outras formas de violência menos identificáveis à vista desarmada. Há uma violência subtil que pode fazer iguais estragos. Passei parte da noite a assistir a um debate entre um grupo de pessoas. A que aparentava ser a mais calma e razoável numa leitura superficial revela-se a mais nefasta na conclusão das ideias trocadas.

Imaginem que têm uma sala com dez pessoas a discutirem um assunto e que acabam por agregarem-se em torno de duas ideias e das respectivas pessoas que as defendem. É quase inevitável que todos, inconscientemente, condenem quem perder primeiro a cabeça, e por isso pode entender-se o primeiro que ofenda ou fale mais alto, por exemplo. No entanto, isso não significa que a pessoa não tenha razão. Do outro lado poderá estar uma pessoa que aparente serenidade, mas o meio para atingir o fim, para ganhar a disputa, poderá passar por uma provocação velada insistente e as ofensas indirectas também serão parte do seu discurso, e embora seja subtil, ou por isso mesmo, poderá ser muito mais ameaçador.

No geral as pessoas estão condicionadas a só ver a preto e branco e são induzidas a condenar ou aprovar consoante as leituras superficiais que fazem. Não aprovam ideias, dão razão ao menos ameaçador.

Nada disto que estou a dizer constitui novidade e está mais do que estudado pela psicologia comportamental. O facto mais interessante no grupo que observei foi as pessoas concordarem numa maioria esmagadora com o colérico e não com o falso passivo. A dúvida era se por acaso tal comportamento devia-se a simplesmente concordarem com a ideia proposta, ou se, inconscientemente, identificarem o cordeiro com pele de lobo. Nunca o saberei mas foi muito instrutivo.



afonso ferreira às 02:50 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds