Sábado, 12 de Março de 2011

  

Quando digo a morada não sente pudor em revelar desconhecer a localização. Preparo-me para uma viagem difícil. Dou mais indicações, situo a zona, ofereço o trajecto mais indicado, menciono nomes de ruas e restaurantes. Faz um sorriso e pede-me o número da porta. 23. Vamos para o 23. Ahhhh, diz ele todo contente. Liga o GPS e parece genuinamente interessado em saber todas as informações.

Duas ruas depois, o telemóvel toca e com o mesmo sorriso atende a chamada e fala durante uns longos minutos enquanto atravessamos ruas, noite, sinais e chuva. Quando desliga decide que somos amigos e conta-me o telefonema. Era o amigo a comunicar que chegou bem a Espanha. Tudo a correr como o esperado. Vai lá casar. Mas quer saber o melhor?, pergunta ele, todo amizade para aqui, amizade para acolá. Vai casar por dinheiro. Aqui arrebito as orelhinhas, que histórias a vulso é pura gasolina para andar a passear pela vida e esta parece bastante promissora. Diz-me que o seu amigo vai casar por dinheiro? Isso já não está em desuso?, provoco para puxar o cordel à história. Não é preciso atirar-me aos nabos na púcara, o meu novo amigo taxista quer contar tudo.

Pois, por dinheiro, uma mulher ofereceu-lhe dinheiro para casar. Mas isso é tudo amor ou desespero? Nem uma coisa nem outra, é para ter papéis. Ahhhh, percebo, hum, hum, e seria muita indiscrição perguntar por quanto fica um matrimónio nessas condições? Nenhuma indiscrição, caro amigo, 5 mil euros é a quantia em jogo. 5 mil euros? Isso está em saldos ou é a crise? É o valor estabelecido, 5 notas das grandes, vai a Espanha e volta de anilha. Acho barato, uma pechincha. Eu já pensei nisso, se estivesse num aperto... mas não seria capaz. De Espanha, nem bom vento nem bom casamento. Acha? É uma expressão. Ahhhh, nunca tinha ouvido, não foi alguém que casou por dinheiro, pois não? Não, mas foi um casamento arranjado... espere, pensando melhor também foi por dinheiro e papéis. 


Arquivado em:

afonso ferreira às 01:41 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De sunshine a 14 de Março de 2011 às 22:01
Ainda nos dias de hoje há quem case por menos, apenas porque não têm mais nada para fazer!!! Lol
Vai se lá perceber ?!!
Parabéns pelo Blog... ;)


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds