Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

 

Este é o meu segundo blog, o primeiro durou uns anos, ao fim de algum tempo, o mundo da blogosfera parecia-me estagnado e decidi sair. Também ajudou ter dado cabo do html e do template de forma irremediável numa das muitas modificações à pata sem conhecimentos muito profundos. Pareceu-me um sinal divino e afastei-me. Mantive-me, no entanto, a ler com assiduidade a blogosfera.

 

Ao fim de três anos decidi iniciar o Um Homem na Cidade. Entretanto a blogosfera mudou muito. O peso dos blogs de opinião política aumentou e passaram a competir com os jornais. Surgiram muitas vozes novas, algumas deram o salto para a imprensa e para aqueles desejados cargos comentadores-de-tudo-e-mais-um-par-de-botas. Muitos aspiram a esse salto, como quem passa pelas jotas almeja chegar a líder do país, mas ainda não foram bafejados pela sorte, talvez as cunhas não serão as mais corruptas, ou, o mais certo, não têm rigorosamente nada a dizer e o mundo agradece. Muitas pessoas totalmente desconhecidas antes e sem mérito subiram desta forma na vida profissional.

 

Salvo raras excepções, os blogs de mais influência estão mais direccionados ao ataque, maledicência e à autopromoção do que propriamente num diálogo construtivo, apresentação de novos projectos e soluções, ou um simples discurso ou análise inteligente. Exemplo flagrante disso foi a grande polémica em relação ao casamento homossexual e a pouca afluência no debate do orçamento, uma questão vital no estrangulamento económico actual em que vivemos. Parece que para dar bitaites sobre o casamento há muitos opinadores, ter noções de economia e gestão é mais complicado. É a triagem natural, à semelhança da natureza, no fim sobrevivem os mais fortes.

 

Há uma confusão pouco saudável entre opinião e notícia. E uma mistura doentia entre o profissional e o privado. Basta dar uma vista de olhos pelos principais blogs para compreender que a maior parte do que é discutido não é mais do que dores de corno, ódios assassinos, amores mal resolvidos e ajustes de conta. Vale tudo e já não há heróis.

 

Gostava de acrescentar que a maioria escreve mal, tão mal que até dói os olhos. Alguém convença esta gente que ser jurista, canalizador ou filósofo nem sempre é sinónimo de boa literatura.

 

E, para compor o ramalhete, parece que agora há uma classe de parasitas à solta na blogosfera. Alguém lança um tema, por mais inócuo que seja, sei lá, a minha empregada deu-me cabo dos peúgos, e imediatamente o parasita replica o mesmo na sua tasca, sim senhora, a minha empregada é um desastre com os detergentes, assim falamos todos da mesma coisa e vamos dando nas vistas subindo em bicos de pés à boleia alheia.

 

Dentro da classe dos parasitas há uma pior do que as outras. Esta ataca qualquer pessoa que se destaque por mérito próprio, quanto mais longe subir pior é o ataque que poderá manifestar-se de várias formas. A melhor, com mais proveitos, é arrasar as suas ideias, tentando criar um ciclo viciado de ataque-e-resposta, e como arma serve tudo o que esteja à mão. O exemplo mais flagrante actualmente é o Pedro Lomba, não há opina-sopinhas que não deseje entrar em confronto, o must é conseguir que ele responda, está criado o trampolim, enquanto aquilo durar é mais do que certo que o nome do parasita ganha pontos na grande tasca que é a blosgosfera. No fundo, é tudo uma questão de ranking

 

Ando a dar voltas e voltas a pensar em algo para o atacar – não é fácil, até à despensa do Diário da República já foram –, não que desgoste do que escreve, antes pelo contrário, reconheço-lhe razão na maior parte das vezes, a questão é que tenho imensas opiniões para vomitar em horário nobre. Para começar ficava contente com uma coluna de opinião num jornal.

 

 

 



afonso ferreira às 16:25 | link do post | comentar
|

1 comentário:
De Vera a 28 de Janeiro de 2010 às 09:38
É tudo isso!
Bj


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds