Sábado, 19 de Março de 2011

 

M.

Fuma cigarros de enrolar, gosta de tabaco fresco numa tradução selvagem do inglês, mas a certa altura pede para fumar dos meus. Fortes, as saudades que tem do tabaco forte da Alemanha. Por causa dos cigarros acabamos na varanda com vista para o vale, prédios, janelas com luz, igrejas e ciprestes. Senta-se no balcão da varanda só com uma perna a prender a fragilidade do corpo ao prédio, ao estuque, aos terraços e telhas. Isto desequilibra-me, apesar dos meus dois pés na terra. Está longe de casa mas já esteve muito mais. Por causa do tabaco, descreve-me a mãe e os aeroportos onde se podia fumar e onde agora tudo é demasiado proibido. Andou pela América do Sul, países e fronteiras, e numa cidade onde era suposto ser só uma passagem, ficou presa a um animal e um hospital. Sozinha, internada com um parasita num pé que começou a comer-lhe a carne, numa Venezuela profunda onde só recebia soro e antibiótico. Os dias a passarem e ela a fumar escondida na casa-de-banho. Depois, por fim, fumava na varanda do hospital, com uma perna a segurar o corpo à alvenaria. Haveria de sair dali e noutro país matar o bicho, salvar o pé e reencontrar rostos conhecidos. 

 

F.

É belo, sabe-o, e o corpo não denuncia a idade, parece mais novo. Na realidade é ainda bastante novo. Cinco anos no Dubai, a servir em aviões, e um dia surge uma oportunidade irresistível. Perde-se de amores pela ideia e decide fazer as malas. Aterra no Brasil na senda de montar um negócio. Fica por lá uns anos, apaixona-se pela música. Uma festa numa noite de calor perfeita, um antigo bordel recuperado, lanternas no jardim e pessoas a dançar. O negócio naufraga. Perde tudo. Volta à cidade e tenta sobreviver depois de tantos anos fora. Perder tudo significa neste caso não ter nada, absolutamente nada entre mãos. Faz festas ao cão da casa, gostava de ter um, mas um animal é uma responsabilidade que não pode permitir a si mesmo neste momento. Apesar do revés da fortuna é optimista, não pressinto rancor, culpas ou remorso. Encara apenas como um risco que decidiu correr. Para correr é preciso arriscar.


A.

Chegou à cidade acompanhada de amigos, com planos e objectivos. Passaram meses e quando todos regressaram ela decidiu ficar. Diz-me que comprou uma passagem de regresso, mas tenho a sensação de que talvez não seja esse o final da história. Conta-me o percurso do bisavô alemão que chegou ao Brasil quando a Segunda Guerra acabou e estabeleceu-se no sul. Casou e teve filhos. Um dia foi embora. Para outra cidade, outro casamento, outros filhos. Na verdade, não sabe se foi assim que aconteceu. Parece que vinha do lado mau da guerra, os derrotados, os que perseguiram. Simplesmente nunca mais tiveram notícias, ficou um apelido invulgar e uma ausência dolorosa. Talvez conte esta história porque no íntimo sabe que também ela não vai regressar. Quando a ditadura militar proibiu que falassem alemão, quando queimavam livros, quando tudo parecia sem sentido, falavam-lhe na língua materna e ela dominava a linguagem, agora diz que vacila a falar, perdeu a fluência. Talvez volte, talvez não. 

 



afonso ferreira às 01:27 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds