Domingo, 27 de Março de 2011

 

Hoje já não é a taxa de analfabetismo que temos de combater, são as novas formas de iliteracia. Há tempos, num artigo sobre novos media, alguém afirmava que o novo analfabetismo é a infoexclusão, já não se coloca a questão de compreender a linguagem, mas se tem acesso e domina a informação ou não. Neste campo estamos longe de um patamar aceitável. Defronto-me todos os dias na minha vida pessoal e profissional com casos gritantes de iliteracia e alheamento, não compreendendo na maior parte dos casos como é possível a progressão na carreira ou alcançar cargos de chefia. No último ano assisti a várias situações no mínimo caricatas. Um profissional reconhecido, e recentemente professor universitário, que não sabia escrever, com erros ortográficos de nível primário; várias pessoas que, depois dos bancos caírem e de meses de notícias na comunicação social, não faziam ideia da existência do BPP e do João Rendeiro; vários que vão trabalhar para os ministérios sem saber o nome dos ministros; uma pessoa que há poucos dias numa discussão política afirma de forma convicta que a Zita Seabra continuava a pertencer ao corpo dirigente do PCP. Poderia estar o resto do dia a dar exemplos. Todas as situações descritas implicaram pessoas com curso universitário, em alguns casos doutoramentos, e bem colocados em cargos profissionais. Ou seja, que estudaram, tiveram acesso, têm meios. Esta semana, a propósito da recente convulsão política, vivi mais uma situação no mínimo constrangedora. Na quarta-feira, a poucas horas do governo cair e depois de uma semana em que não se falava de outra coisa nos jornais e televisões, ao fazer menção ao facto numa conversa, alguém perguntou: "Queda do governo? Onde?". Por onde entende-se país. Este, o nosso, que não conhece a palavra exigência



afonso ferreira às 18:02 | link do post | comentar
|

6 comentários:
De Cristina a 14 de Abril de 2011 às 23:10
Hum... quererá isso dizer que aquele meu aluno, que frequenta um curso profissional na área de informática e gestão (ao nível do 11º ano) está no bom caminho para chegar a um desses cargos de chefia?! Não é por nada... mas a criancinha, utilizadora assídua e convicta do MSN e de jogos online (no seu computador e-escola), quando questionada acerca da possibilidade de me enviar um trabalho por e-mail (para ser corrigido antes da respectiva impressão) respondeu com a maior das canduras: "Ó stora, mas eu não tenho e-mail!"


De afonso ferreira a 12 de Maio de 2011 às 20:53
por favor, coloque essa criança no bom caminho. é quase serviço público.


De Cristina a 12 de Maio de 2011 às 23:44
Bem... eu bem tento. E juro que dou o meu melhor... e a criancinha já sabe que tinha uma conta e-mail... e até já sabe enviar e-mails com anexos... mas deixe-me que lhe diga que é um quase serviço público exasperante!!! E com um jeitinho, daqui a meia dúzia de anos, a criancinha está a dar-me formação... uma daquelas reconhecidas pelo ministério que me tutela... qual é mesmo?!


De Maria Pascoal a 12 de Maio de 2011 às 18:02
Homem na Cidade...

Este seu post é mais um dos tais que eu considero absolutamente estonteantes...e que me atingiu de uma forma ...parece que foi escrito para mim...é assim uma coisa do género ...literal redução á insignificância..minha, obviamente!
Dado que é um blog público não vou entrar em pormenores mas...para que tenha uma noção afirmo que também faço parte desse grupo de alheados que sobre algumas coisas que referiu têem uma vaga ideia...lol...e errada, ainda por cima:-)))...

Parabéns , escreve espectacularmente!

Maria Pascoal


De afonso ferreira a 12 de Maio de 2011 às 20:54
já sabe o que se diz, reconhecer o problema é meio caminho andado para o resolver :) obrigado pela mensagem. abraço


De Maria Pascoal a 13 de Maio de 2011 às 13:25
Pois é...tem razão!

Mas ...no meu caso pessoal não existe o dito problema porque é uma opção de vida...pode parecer estranho , mas é um facto...:-)

É assim um alheamento total de tudo o que em nada contribui para a minha evolução enquanto Pessoa e Profissional...e este "tudo" é muitissimo...exemplificando... em muitas coisas que leio aqui (nomeadamente as que deixei para o fim...sim porque eu já li o seu blog quase todo...)...lol...é como se eu comparada ao Homem na Cidade , tivesse 10 anos...lol

Mas...admiro muitissimo quem sabe tudo aquilo que eu não sei e lamento que em alguns casos não lhes seja dado o respectivo valor e reconhecimento, acho que mais que um dever seria uma obrigação.

Um abraço tb para si.

Maria Pascoal


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds