Quinta-feira, 31 de Março de 2011

 

I. 

Recebo um email de alguém que não reconheço o nome. Duas linhas apenas: A partir do dia de hoje este já não é o meu email. Peço-vos que reencaminhem as vossas mensagens para o email... Faço um search pelos emails todos. Nada. Procuro o nome da pessoa na lista do telefone. Zero. Procuro mais destinatários na mensagem. Nenhum. O email é dirigido apenas a mim. Ainda não nos conhecemos e invade-me a sensação de estamos a acabar qualquer coisa. 

 

II. 

Debaixo da porta deixam-me um recado escrito no verso de um flyer de uma festa. Em quatro linhas escritas com esferográfica preta cabe toda a mensagem. A apresentação, o nome, onde mora, e dois destinos possíveis para deixar as calças beges de homem que deixou cair e voaram para o meu terraço. Escolho uma das duas hipóteses de entrega do objecto voador e assim procedo. Nunca conheci a pessoa nem ela deixou cair mais nada.

 

III.

Telefonam-me três dias antes a relembrar-me para ligar-lhe. No dia em questão telefonam-me outra vez. Não te esqueças, dizem-me. Peripécias várias fazem com que o dia passe a correr e eu sem fazer a maldita chamada. À noite lembro-me e estou dentro de uma sala de cinema às escuras. Nada a fazer. A partir daí passo os dias a ligar-lhe. Às horas mais diversas, quando acordo, quando vou fumar um cigarro, entre trabalhos. Nunca atende, embora toque insistentemente. Dão-me coordenadas precisas, horas em que atende de certeza. Até agora sem sucesso. Os dias passam. Não tem caixa de mensagens. Tem 89 anos. Poderá ser o meu último telefonema. Vou continuar a ligar até que atenda. 



afonso ferreira às 01:19 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De dg a 12 de Abril de 2011 às 11:49
parabéns pelo blogue. não concordando com tudo, gostei muito de o ler e adiciono-o aos favoritos para acompanhar.


De afonso ferreira a 12 de Abril de 2011 às 19:29
Obrigado, dq.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds