Terça-feira, 12 de Abril de 2011

 

Demorámos longos minutos a perceber se era a missa certa. Percorri as filas de bancos à procura de rostos conhecidos e mesmo quando os encontrei não fiquei convencido. Poderiam estar ao engano também. Mesmo assim decidimos ficar naquela missa. Logo se veria se ainda sou capaz de decisões sapientes. Passou um ano e por esse motivo aqui estamos. Venho à espera de discurso a condizer, não estou preparado para um padre a contar uma história de adultério, ou sexo desbaratado nas palavras dele. Depois há a senhora pequenina que abre uma portinhola de talha dourada no altar. Duas vezes marinha ela pelo altar e aquilo é mesmo perturbador. Começo a considerar estar na pior missa da minha vida. É inevitável distrair-me, a olhar para o tecto da basílica com olhos de carneiro mal morto, a pensar noutra missa que perdi e não há maneira de me perdoar. Uma missa em que o padre explicou ser a cerimónia para os vivos, o defunto já lá ia à vida dele (passe a frase parva de duplo sentido). A única missa que nunca poderia ter perdido, quem falava detinha a razão, as palavras eram a minha despedida. Conhecendo eu o defunto como conhecia, o padre estava certo. Estivesse ele presente na missa e tinha insultado o funeral de alto a baixo, não era pessoa para estar calado, ainda para mais sendo a festa dele. Palavras é que não lhe iriam faltar. Enfim. Não tendo estado presente contaram-me como tinha sido, mas foi a frase final, terias gostado das palavras, que coroou a minha grande falta e tristeza pela ausência. Enfim, enfim. Voltando a esta missa. A este flagelo actual. Esforço-me por prestar atenção à história pecaminosa de luxúria e redenção. Amén, corpo de Cristo, joelhos e benzer, já não sei se por esta ordem, mais a senhora do altar. Mas agora percebo que o pecado era só parte do enredo, afinal do que se falava era da mentira e do erro. Da acusação falsa, do colmatar a falha com a acusação néscia, e, coisa mais preciosa, que a idade não retira o poder ao erro, ele poderá ser cometido a qualquer altura e por todos. No fim dou a mão à palmatória e penso que, acaso ou não, até foi o discurso mais apropriado para este dia. E até o adultério fez sentido.



afonso ferreira às 01:08 | link do post | comentar
|

4 comentários:
De SE a 13 de Abril de 2011 às 00:53
O seu triste erro terá tido um propósito. Ou então sem propósito ganhou um sentido posterior.


De afonso ferreira a 19 de Abril de 2011 às 02:27
Isso ou o padre enganou-se no sermão.


De Pedro a 13 de Abril de 2011 às 12:58
Boa tarde,

O Um Homem na Cidade está novamente em destaque nos Blogs do SAPO, em http://blogs.sapo.pt

Boa continuação!

Pedro


De afonso ferreira a 13 de Abril de 2011 às 15:02
Boa tarde Pedro,

acabei de aperceber-me do destaque pela subida em flecha do tráfego...
Obrigado pela vossa escolha.

Abraço


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds