Quarta-feira, 11 de Maio de 2011

 

 

À hora de almoço o centro comercial está à pinha. Aborda-me timidamente enquanto caminho em direcção aos lavabos. Poderia enviar uma mensagem?, pergunta, ao que respondo de forma afirmativa, desconcertado, não percebendo o pedido de forma clara. Entrega-me o telemóvel e fico ainda mais desorientado. Ainda ponderei que não tivesse saldo e estivesse a pedir para enviar uma mensagem urgente. Quando fico com o telemóvel cor-de-rosa de teclas minúsculas nas mãos percorrem-me todos os mitos urbanos pela espinha abaixo. Espera lá, é assim que desaparecem pessoas e roubam rins na forma gentil dos talhantes. Quantos emails já leste tu na tua vida a garantir que raptam pessoas no Colombo e que uma criança foi encontrada de cabelo à escovinha e transvestida na casa-de-banho do Cascais shopping? E o marido que desapareceu na sala de embarque da Portela? Mas tu estás parvo, pá? Vejo as mãos dela a tremer e as minhas suspeitas aumentam. Meu grande estúpido. Vejamos. Uma mulher bonita e trémula em aflição, um pedido que ninguém diz que não, um sítio público apinhado e simultaneamente cheio de pessoas indiferentes à vida alheia. Começo a pensar se é possível viver sem um rim. Sim, para alguma coisa existe a hemodiálise. E dois? Alguém sobrevive sem dois rins? As listas de espera são longas? E se rejeitar o transplante? Discretamente olho por cima do meu ombro direito mas não vejo ninguém suspeito. Idiota. Qualquer pessoa que esteja desconfiada olha para trás, se houver alguém suspeito estará em frente. Ou à esquerda? Espera, isto tem uma varanda. Raios. À minha frente tenho a mulher a tremer das mãos e de olhar nervoso. A curiosidade matou o gato. Acabo por perguntar o que deseja que escreva. Só uma frase

 

Serei sempre tua beijos do teu tesouro

 

Escrevo a mensagem e devolvo-lhe o telemóvel. Desculpo-me por a frase não ter um ponto final, não encontrei a tecla, e com a sua resposta percebo que a mensagem é para um homem. Agradece-me e pede desculpa efusivamente por ter incomodado. Desaparece como apareceu, no meio da multidão. Pego nos rins intactos e vou à minha vida.



afonso ferreira às 01:07 | link do post | comentar
|

5 comentários:
De dg a 11 de Maio de 2011 às 10:16
acho que também teria tremido e teria no final perguntado 'porquê?'! excelente. abraço, dg


De Cristina a 11 de Maio de 2011 às 13:02
Grande filme!


De merenwen a 12 de Maio de 2011 às 21:59
E não perguntas-te o porquê?! Grande resistência! :)


De afonso ferreira a 12 de Maio de 2011 às 22:21
eu sei que não tenho explicação.


De geriatriaaminhavida a 13 de Maio de 2011 às 07:27
Desculpe lá Afonso, mas será que a senhora não iria fazer uma loucura...do genero acabar com a vida?
Parece-me uma mensagem dedespedida.
Bem, devo de estar a fazer um filme!
Boa semana


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds