Segunda-feira, 20 de Junho de 2011

 

Há ruas para todos os sentimentos na minha geografia sentimental e vida azarada. Há a rua na qual o meu carro foi rebocado e multado mais vezes, por exemplo. Há a rua onde sempre que a percorro não consigo evitar olhar para uma determinada janela e ninguém sabe a história porque nunca a contei. Há também a rua onde apanhei um dos maiores cagaços das minha vida. Ontem descobri a rua mais perigosa. Tantas vezes a percorri sem suspeitar de nada, há pelo menos vinte anos que a subo e desço e sempre pareceu inofensiva. Mas isso foi antes de forças misteriosas e altamente improváveis terem decidido que passaria a ser a morada de três ex-namoradas. Como uma não posso ver à frente, outra passou a amiga e a terceira estou a ver se recupero o tempo perdido, circular naquela zona tornou-se uma finta ao ataque de coração. Aquela rua ainda vai ser a minha desgraça.



afonso ferreira às 23:34 | link do post | comentar
|

5 comentários:
De Cristina a 21 de Junho de 2011 às 01:50
Xiiiiiiii... Para além do "costado" faço votos para que tenha igualmente um coração resistente!
De qualquer forma... poderá ser sempre o mote para um qualquer argumento de uma qualquer novela!


De dg a 21 de Junho de 2011 às 10:29
excelente. é mesmo assim - associarmos ruas, sítios, janelas a histórias contadas e incontáveis... gosto especialmente da expressão "tornou-se uma finta ao ataque de coração".

um abraço, dg


De Bípede Falante a 21 de Junho de 2011 às 20:03
Minha rua mais perigosa é aquela em que vou quando quero realmente chorar...
beijos


De ccf a 23 de Junho de 2011 às 13:27
Imagine que elas se encontram à conversa no café da esquina :)

...

enfim, há pesadelos piores.

~CC~


De geriatriaaminhavida a 28 de Junho de 2011 às 17:23
Até deve ser uma rua óptima .para as três irem para lá morar!
A vida por vezes tem umas coincidências interessantes e inisplicaveis.
Certamente o coração vai aguentar , sem problemas.
De qualquer forma, boa sorte.
Boa semana


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds