Segunda-feira, 11 de Julho de 2011

 

Uma vez em casa de Botero, misturei selvaticamente erva com genebra, e enlouqueci. Um dos negros, que por acaso era parente de Botero, um colombiano que nunca perdia o humor, perdeu-o comigo. Recomendou-me que deixasse de beber. Mantive por uns minutos a compostura, algo assustado pela repentina seriedade do meu amigo colombiano. Voltei a perder essa compostura quando ouvi uma senhora dissertar sobre um livro que falava de lojas cor de canela e fora escrito por um judeu assassinado por um oficial nazi. Ouvir isto provocou-me um riso frouxo, o riso do ignorante que não só não percebe nada como, ainda por cima, julga, por causa da pujança do verde na sua retina de drogadozinho ocasional, que está na selva mais pequena do mundo e que esse mundo é o reino da abundância e que aí a vida só existe para as folhas. Abismado em semelhante delírio, não é estranho que o meu riso também o fosse e que toda a gente me olhasse reprovadamente e com enorme desconfiança. Decidi afastar-me dos seus olhares e fui dançar. Fi-lo com grande arrojo e pisando várias pessoas e quando me cansei, entrei na casa de banho, roubei o pente, deixei a marca no livro de Tchékov, proclamei o meu desprezo mais absoluto por qualquer tendência artística e acabei por ser convidado a abandonar a casa dado o meu estado de extrema embriaguez. 

– Ao menos eu sou uma folha que está viva – disse-lhes à maneira de enigmático protesto pela expulsão. 

– Só te falta uma pistola para seres Goebbels a disparar contra a cultura – disse-me, muito agastado, o meu amigo colombiano.

Despediram-me da forma mais vergonhosa. Com um monumental pontapé no cu. Caído no patamar e não querendo aceitar que fora humilhado, rocei com os meus dedos o bolso onde guardara o despojo de Botero, o meu grande troféu: o humilde pente roubado. (...)

Longe de Veracruz, Enrique Vila-Matas



afonso ferreira às 00:59 | link do post | comentar
|

4 comentários:
De Maria pascoal a 11 de Julho de 2011 às 16:12
Shit Happens...porque é sempre mais fácil despedir/afastar do que admitir a Singularidade de alguém...o que só demonstra o quanto indigno o ser humano pode ser...lamentávelmente :(


De Cristina a 13 de Julho de 2011 às 02:15
O meu avô sempre me disse que isso das misturas dava mau resultado... Mas nunca me falou da parte dos troféus! Mas enfim... sempre se pode alegar insanidade temporária. O problema são as memórias (ou os lapsos de) dos momentos em que se perde a compostura. Estranhamente há sempre alguém de boa memória para fazer o relato pormenorizado! Consta-se...


De afonso ferreira a 13 de Julho de 2011 às 15:09
o seu avô era um homem sensato.


De Cristina a 13 de Julho de 2011 às 18:01
Ou isso... ou era muito amigo da pinga. Ou ambos.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds