Domingo, 29 de Janeiro de 2012


 

O empregado do café não admite que o contradigam, o espaço está uma vergonha, é lixo por todo o lado, ervas espreitam a cada canto. O guarda diz que não, não, não é verdade, tem de lá ir ver, está tudo limpo e arranjado, um brinquinho. As duas idosas na mesa a bebericar chá estão com o dom da palavra, dantes é que era uma coisa bem feita, os jardineiros eram uns bêbados mas trabalhavam bem, era ver os homens tortos, pinga de manhã à noite, mas havia dálias, flores a perder de vista, os canteiros arranjados, as árvores esticadas em direcção ao céu. O empregado esfrega as mãos no pano da loiça sujo e pergunta por que raio não está a passagem para a torre aberta e o guarda defende-se, se eles para lá levam crianças de palmo e meio, naquele sítio onde não há protecção, à mercê dos caprichos do acaso, se surge acidente não há quem acuda, é tragédia certa. O empregado afirma que se afinal está tudo limpo e arrumado, se não aparecem ervas a toldar a vista, então está bem, está muito bem, mas o que está mal é o preço, é preciso deixar os anéis e os dedos para entrar, está mal, está mal. O castelo é património de todos, ó que raio. A mulher de rugas a tiracolo não se resigna, dantes via dálias, muitas dálias e pavões, eram uns bêbados mas nas fontes e bicas corria água com prazer. 


Arquivado em:

afonso ferreira às 18:25 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds