Quarta-feira, 28 de Março de 2012

Os turistas permaneceram na rua de baixo, diante da catedral medieval, nessa colina de Lisboa onde surge o castelo de São Jorge. Vocês tomaram uma iniciativa, já que a catedral (Sé, em português, contração do latim “sede”, porque também era a sede episcopal) e o castelo de São Jorge são dois lugares obrigatórios para o visitante, dois símbolos da cidade, entre os poucos monumentos medievais poupados pelo terrível terremoto que devastou Lisboa em 1755. Mas provavelmente vocês os viram, sozinhos, ou com seus companheiros eventuais de viagem, ou irão vê-los daqui a pouco, porque não se pode e nem se deve negligenciar os monumentos obrigatórios de uma cidade. Aqui, ao contrário, na Rua da Saudade, a poucos metros da catedral, nunca vem ninguém. O visitante ocasional de Lisboa não tem motivo algum para vir aqui, pois, aparentemente, não há nada que o justifique, e é por isso que o guia que vocês trazem no bolso, mesmo o mais minucioso, certamente não a indica. No entanto, existem razões que também escapam aos melhores guias. Neste caso, a saudade, aliás, à qual é dedicada esta rua. Saudade é palavra portuguesa de tradução impenetrável, porque é uma palavra-conceito, assim sendo, é substituída em outras línguas de maneira aproximativa. Num dicionário comum de português-italiano vocês a encontrarão traduzida como “nostalgia”, palavra muito jovem (foi cunhada no século XVIII pelo médico suíço Johannes Hofer) para uma importância tão antiga como a saudade. Se consultarem um dicionário respeitável de português, tal como o Morais, após uma indicação do étimo soidade ou solitate, ou seja, “solidão”, ele dará uma definição muito complexa da palavra saudade aos seus leitores: “Melancolia causada pela lembrança de um bem perdido; dor provocada pela ausência de um objeto amado; lembrança afetuosa e, ao mesmo tempo, triste de uma pessoa querida”. É, portanto, uma coisa atormentadora, porém também pode comover, não se direcionando exclusivamente ao passado, mas, do mesmo modo, ao futuro, porque manifesta um desejo que se quer realizar. E, aqui, as coisas se complicam porque a nostalgia do futuro é um paradoxo. Talvez um correspondente mais adequado fosse o disìo dantesco que traz em si certa doçura, visto que “comove o coração”. Em suma, como explicar tal palavra? É justamente por isso que tomando distância de poucos metros vocês vieram até aqui. Porque do alto dessa pequena rua o olhar abraça toda a cidade e a enorme nascente do Tejo. E pouco mais adiante o Oceano, e o horizonte infinito. O português desconhecido que deu nome a esta rua certamente tinha olhado bem para todo o panorama. Um grande linguista disse que é impossível explicar o sentido da palavra queijo para uma pessoa que nunca o saboreou. Para entender o que é saudade, portanto, nada melhor do senti-la diretamente. O melhor momento é, sem dúvida, o pôr-do-sol, que é a hora canônica da saudade, mas também em certas noites de nevoeiro atlântico, quando sobre a cidade desce um véu e se acendem os lampiões. Ali, sozinhos, olhando esse panorama diante de vocês, talvez sintam uma espécie de aflição. A sua imaginação, dando uma rasteira no tempo, fará com que vocês pensem, no retorno para suas casas e para seus hábitos, na nostalgia de um momento privilegiado das suas vidas, quando estavam numa lindíssima e solitária ruela de Lisboa, olhando para um panorama perturbador. Sim, o jogo iniciou: estão sentindo nostalgia do momento que vocês estão vivendo neste momento. É uma nostalgia do futuro. Experimentamos, assim, pessoalmente, a saudade.


Viaggi e altri viaggi, Antonio Tabucchi



afonso ferreira às 23:32 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds