Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

 

Entra no velho teatro, passos largos, apressados, atravessa os corredores decrépitos, a patine a troçar dela, adivinha de que cor as paredes estão pintadas. Agora não tem tempo para adivinhas de estuque moribundo. Está atrasada, o ensaio já começou. Espalha-se ao comprido nos três degraus na entrada do camarim. Levanta-se, apanha os bocados de si mesma espalhados, atarraxa a perna esquerda com esforço, troca a roupa que traz pelo vestido, ata o laço nas costas, penteia o cabelo, sufoca os caracóis com ganchos, pinta-se como uma boneca espanhola e assim já a reconhecem: aqui está a Estela. Lá vai ela a correr para o palco.

– Cuidado com os degraus, Estela!

Cena III. Estela morreu. Os pulmões chiam, o coração chocalha o sangue, as pestanas abanam, o fígado dói, e, no entanto, está morta. Estela, ouve a música, é a tua preferida. Não queres dançar? Estela lê o telegrama com as más notícias mas não reage, Estela olha para o amante a soluçar, recebe os seus abraços mas nada sente. O urso do tambor parado com as baquetas no ar, o encenador a tirar a pala do olho esquerdo para ver melhor, os actores a aproximarem-se no palco e todos a gritar em coro:

Esteeeelaaa!

Estela segura uma pequena caixa de madeira onde está o seu coração mas perdeu a chave. Olha perplexa para a mulher à sua frente de vestido, cabelo apanhado, pintada como um palhaço.

Mas quem é esta? Quem é esta dupla de mim? pergunta.

 

 

 

 


Arquivado em:

afonso ferreira às 15:42 | link do post | comentar
|

3 comentários:
De leo mandoki a 2 de Fevereiro de 2010 às 18:43
o Borges poderia ter escrito isso....pena que o Borges raramente se admitia na pele de uma mulher...
as piores quedas são as das mulheres que ainda não são velhas:
se for:
criança = o engraçado cómico/querido
homem = o engraçado cómico/patético
velho (a) = piedade
mulher = constrangimento
...
sinto-me constrangido qnd vejo uma mulher a espalhar-se
beijocas e não caias!


De afonso ferreira a 2 de Fevereiro de 2010 às 18:50
Se pensas que isto poderia ser escrito pelo Borges, digamos que já ganhei o dia :) eu espalho-me diariamente, já não há nada a fazer, é um constrangimento pegado, não tenho salvação. Mas por espalhar-me é que consigo escrever, não fosse isso não tinha assunto


De leo mandoki a 2 de Fevereiro de 2010 às 18:57
ahahahah
não te imagino a cair várias vzs ao dia...assim, por escrito, fizeste-me rir. E talvez se te visse a cair várias vzs ao dia, já não haveria constrangimento, mas risos do tpo cómico/hilário...


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds