Segunda-feira, 9 de Abril de 2012

 

 

 Ao P., a minha terra. 

 

 

I. Crucificação


Seguimos em passo ligeiro, paralelos ao rio. Falamos amenamente enquanto marchamos; quando decidimos correr, estabelecendo metas e tempos, fecho-me em silêncio, o vento no rosto e uma sensação estranha percorre-me, como se um cão corre-se atrás, um animal ou algo que me vai caçar. Um cão sem rosto, mas na estrada não há nada – sol ao alto, o espelho de água sereno, namorados aqui e ali a salpicar a paisagem. Na margem, os navios de guerra ancorados, não é fácil chegar ao rio. Medidas de segurança. Estarei eu em segurança? Por vezes parece uma matilha. Recomeço a correr e volto a sentir o animal. No fundo das costas, no pescoço, nos músculos dos ombros. Dois dias depois, no mesmo rio mas muitos quilómetros acima, o animal desaparece de vez. A marginal em polvorosa, obras profundas, desviam os esgotos do rio para lugar mais apropriado. Subitamente surgem animais que ninguém avistava há décadas – andorinhas-do-mar-anãs, corvos-marinhos-de-faces-brancas, gaivotas-argêntea, gaivinas-pretas, garças-reais. Surgem no rio, na marginal, na estrada, nas esplanadas. As pessoas assistem ao fenómeno como se de um milagre se tratasse. Mas não foi deus, foram os esgotos.

 

 

 

II. Morte


Destino – Sul. Atravessar a cidade, um barco, voltar à terra. O coreto do jardim saúda-me, temos afeição antiga entre nós. Ao fundo, depois das árvores, a escola de música. Palco da mais hilariante entrevista da minha vida, o chefe da orquestra sinfónica e eu, duas décadas volvidas, a minha memória intacta como se fosse hoje, a discutirmos instrumentos, e, sem sabermos, a preparar-me para a vida. Ao almoço ouço-te como se fosse a última vez; mais tarde, sentados a ler cartas, invejo-te o G, a forma perfeita como o desenhas, nunca o disse mas passei a vida a admirar a tua caligrafia. A caligrafia mais bela de todas. Percorri a infância a olhar para páginas escritas pelo teu punho e tenho um desgosto por nunca ter atingido a perfeição das tuas letras. Vejo-te doente e debilitado, tão fraco, e ainda assim pareces-me novo. Olho para ti como se ao espelho estivesse. Quando me despeço e fecho a porta, confirmo uma vez e outra e outra, se a porta está bem fechada, como se quisesse guardar algo para sempre.

 

 

III. Ressurreição


Quando nos reunimos seguimos pela estrada sem destino certo. Na praia o mar está revolto, o vento corre de feição, mas há algo de perfeito no facto de aqui estarmos. Tens uma maneira única de brincar com as palavras. Irritas muita gente com essa particularidade, não és decifrável à partida. É preciso conhecer-te bem para apreciar a ironia, o sarcasmo, a inteligência. Quando tudo parece colapsar ao meu redor, és tábua de salvação. Sempre foste e estou reconhecido por isso. És a minha terra firme, mesmo nas águas mais turvas. Encerras em ti a vontade de ouvir, dom raro. E quando é preciso ensinas lições duras, já as recebi. Ouves-me como sempre, desfio problemas sem solução à vista. Ouves tudo e no fim agarras-me o ombro, sacodes-me, o sinal para prestar atenção, e dizes, quase murmúrio – Que deus os proteja a todos. Desfaz-se tudo em partículas, as palavras amolgadas, contaminamos tudo às gargalhadas, fica o assunto encerrado – batalha perdida, mas não a guerra – enquanto pedimos mais uma garrafa e os navios avistam-se ao longe. Uma raposa surge no nosso caminho, como no Principezinho, relembrando o sentido de cativar e de necessidade. Desaparece nas escarpas em direcção ao mar. Debatemos se é possível domesticar uma raposa e não chegamos a uma conclusão. Concebemos planos – de viagens, reencontrar amigos no sul, de fugas imperativas. No segundo barco permanecemos em silêncio até atracar no estreito esmagados pelo dia e pela beleza do que nos rodeia. Mais tarde, atravessamos outras praias e chegamos ao casino vindos do fim do dia, néons e roletas, fotografo à socapa enquanto tentamos apostar as horas num sonho etílico. A roleta assobia-me, a noite caí, quando seguimos viagem é o cheiro da maré e dos dias longos que transportamos connosco.

 



afonso ferreira às 11:59 | link do post | comentar
|

3 comentários:
De ccf a 9 de Abril de 2012 às 21:00
Tão bela esta amizade e o modo de a dizer.
~CC~


De teresa a 10 de Abril de 2012 às 00:05
obrigada


De teresa a 10 de Abril de 2012 às 00:06
obrigada


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds