Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2010

 

As ordens são expressas no painel à porta. Não se pode fumar nem comer, telemóveis nem vê-los. À partida seria de dar meia volta e desandar dali para fora, mas o bilhete está comprado, bebi demasiada sangria de manga ao almoço e há doze anos que estou para vir aqui. É hoje o dia. Estendo o bilhete como uma menina bem comportada e mergulho na escuridão, na luz azulada filtrada pelas toneladas de água e caminho para o aquário principal. O meu companheiro vai desfilando o nome dos peixes – aqui vai um tubarão, olha uma raia, um que já não me lembro do nome, este parece pacífico mas aquela cauda não é para brincadeiras. Mas, por cima de todos os peixes, quase à superfície, pairando como o astro-rei dos oceanos, obrigando-me a esticar o pescoço, está ele, imponente, gigante – o peixe-lua. Um colosso, ofusca tudo à volta. Olho para o peixe e penso porque é que me afastei tanto do mar, eu que nasci com umas barbatanas nos pés e umas braçadeiras para não morrer na fúria das ondas. Eu, que adormecia a ouvir o mar a rebentar nas rochas numa casa onde amarravam os barcos nos pilares para não fugirem durante a noite. O peixe-lua desceu do alto do aquário, devagar, majestoso, e veio cumprimentar-me. Soube-me a perdão, compaixão. Prometi-lhe amanhã visitar o mar da minha infância.



afonso ferreira às 20:18 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De Luisa a 16 de Junho de 2010 às 20:33
estava a fazer uma pesquisa sobre o peixe-lua e deparei-me com o teu texto sobre o "astro rei dos oceanos"... fiquei sem palavras.
é curioso q sendo bióloga n sabia, embora seja óbvio, q o peixe-lua fosse o maior peixe ósseo conhecido. fui isso q encontrei e achei espantoso, para além do teu artigo claro.
só gostava de te transmitir o q senti...

és um grande escritor.


De afonso ferreira a 16 de Junho de 2010 às 21:10
Para ser sincero tenho de esclarecer que não percebo muito de biologia, tive foi a sorte de ir ao oceanário com alguém que percebia do assunto. tenho a certeza de que me darias lições e lições sobre peixes e eu caladinho a ouvir. Obrigado pelo comentário tão simpático. abraço


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds