Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

 

Ando a ler o site Guerra Colonial. Recentemente, entre amigos, ao som do FMI do José Mário Branco, iniciámos uma conversa acerca de armas. As armas que nos anos 70 e 80 abundavam nos lares portugueses muito por culpa dos militares que voltaram para o país com armamento. Por culpa da guerra colonial digo eu, porque há quem defenda que armas é o que não falta(va) no país, com ou sem guerra. E, com certeza, de alguma lado têm de aparecer as armas que matam o vizinho por causa da delimitação de terra que foi alterada, a arma que mata a mulher entre portas. Outras das coisas que abundavam eram as fotografias. Como ninguém da minha família mais próxima esteve na guerra ou viveu nas colónias foi algo a que não tive acesso no meu lar. Mas tive na casa de amigos. Vi muitas. Algumas mesmo horrendas. O horror impresso em pequenos quadrados de papel, a maior parte delas a preto a branco. Um amigo contava, para ilustrar a proliferação de armas na altura, que era miúdo e estava sozinho a estudar em Setúbal. Quando deu por ele estava num carro com uns tipos mais velhos a caminho da discoteca Shangai na Baixa da Banheira. Percebeu no percurso que o carro estava pejado de armas. Armas de todas as formas e feitios na bagajeira e eles a caminho de uma discoteca cheia de pessoas. Felizmente não aconteceu nada. Já ouvi de pessoas próximas muitas histórias destas. Lembram-se de ser tão comum crianças morrerem por acidente com armas em casa? Eu lembro-me, talvez por estar na idade dos disparates e fartarem-se de me avisar para que se visse uma arma não lhe tocasse. Lembro-me também que há uns anos atrás o Diário de Notícias publicou uma série de fotografias das chacinas e destruição de aldeias durante a guerra. A polémica foi enorme. Às imagens de cabeças africanas espetadas em paus respondiam que nada daquilo era verdade, que a nossa (des)colonização não tinha sido assim, manipulações, uma mentira pegada. Mas as fotos existem. São muitas e eu vi milhares. 

 


 

 

 



afonso ferreira às 13:38 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds