Quinta-feira, 7 de Junho de 2012

 

A escolha do primeiro local aconteceu naturalmente, o evento real que originou tudo o que escrevi mais tarde teve lugar efectivamente no espaço junto ao rio em frente ao edifício. Ditou o destino que fosse um edifício emblemático que sempre me intrigou, mas que agora, depois de tardes e tardes a olhar para ele, a fotografar, a descrever cada elemento arquitectónico, cada falha e tijolo, assemelha-se a um colosso. Um prodígio centenário, com um pé direito de dezenas de metros, maquinaria, ferro, vigas, janelas até ao céu. É tudo isto e ainda não estou satisfeito, continuo a desconfiar que ainda não o captei devidamente. O segundo local, é na realidade um não-local. Um ground zero à espera da concretização e vontade. Era para ter sido desejo, e é nisso que penso quando contemplo tantas vezes o terreno amplo e despojado, mas isso talvez seja por a minha memória para sempre associar a ti e ao escritório que vejo do local-nada. Enquanto os homens não decidiam os seus desejos, vieram máquinas que alcatroaram a terra e um stand de carros em segunda mão realiza negócio em tempos de crise numa fragilidade comovente. Quando permaneço no gradeamento a olhar para o stand é nisso que penso – fragilidade, desejo, inquietação. No meu lugar deveria estar antes matéria diferente – betão e vidro até ao quarto de deus, uma torre que escalasse o tempo. Mas os carros brancos continuam alinhados à mercê dos compradores ávidos de pechinchas, perdidos e indiferentes às causas maiores. Esta semana visitei o local e vi maquinas novas a triturar o solo, a esgravatar a paisagem rumo ao subsolo cheio de ossadas humanas e restos do terramoto. Um dia, tudo será diferente, deixarei de aqui vir, tudo estará escrito há muito, o escritório de painéis de carvalho terá desaparecido também, a nossa conversa será um sonho liquefeito, e em vez de fragilidade encontrar-se-á modernidade e aprumo em forma de edifício, mas isso será outra história.



afonso ferreira às 01:39 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds