Domingo, 4 de Novembro de 2012

 

Deixai que em suas mãos cresça o poema 
como o som do avião no céu sem nuvens 
ou no surdo verão as manhãs de domingo 
Não lhe digais que é mão-de-obra a mais 
que o tempo não está para a poesia 

Publicar versos em jornais que tiram milhares 
talvez até alguns milhões de exemplares 
haverá coisa que se lhe compare? 
Grandes mulheres como semiramis 
públia hortênsia de castro ou vitória colonna 
todas aquelas que mais íntimo morreram 
não fizeram tanto por se imortalizar 

Oh que agradável não é ver um poeta em exercício 
chegar mesmo a fazer versos a pedido 
versos que ao lê-los o mais arguto crítico em vão procuraria 
quem evitasse a guerra maiúsculas-minúsculas melhor 
Bem mais do que a harmonia entre os irmãos 
o poeta em exercício é como azeite precioso derramado 
na cabeça e na barba de aarão 

Chorai profissionais da caridade 
pelo pobre poeta aposentado 
que já nem sabe onde ir buscar os versos 
Abandonado pela poesia 
oh como são compridos para ele os dias 
nem mesmo sabe aonde pôr as mãos 
Ruy Belo


afonso ferreira às 10:24 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds