Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

 

I.

Afazeres vários obrigaram-me a adiar para hoje o relato dos lançamentos de quarta-feira à noite. Casa de partida: lançamento do livro Aula de Poesia do Eduardo Pitta na Fnac. Excelente apresentação do Pedro Mexia, concisa e interessante, revelando que fez o trabalho de casa. A sala não estava a abarrotar mas esteve bem frequentada. Marcaram presença várias jugulares, caras conhecidas do mundo literário, bloggers anónimos-famosos, etc. Infelizmente embirro solenemente com o auditório/café da Fnac do Chiado. Muito barulho, muita distracção e aquela sensação deprimente de estar num centro comercial apesar de tudo. Este livro merecia melhor sítio para a apresentação (e hora também, que 18h30 é cedíssimo para quem labuta). Quanto ao livro propriamente não posso tecer comentários por agora, vai ser a minha leitura este fim-de-semana.

 

 

II.

Avanço uma casa e sigo para o Museu de Arte Antiga para o lançamento do valter hugo mãe - A máquina de fazer espanhóis (grande título). Logo à entrada do museu era distribuído um mapa com o percurso a realizar durante a noite. No hall do museu estava um barbeiro à antiga, cadeira e objectos vintage a condizer, para quem tivesse coragem de dar a carinha laroca à navalha. Eu lancei-me logo à cadeira. Para além da navalhada nas bochechas era possível falar com o autor, lá andava ele a cirandar pelo hall com ar cândido. A apresentação foi entregue a Lobo Antunes, milagre raro, ter aceitado o convite, ele que ganhou esta segunda-feira o Prémio de Melhor Ficção Narrativa, área de literatura, da SPA e enviou o Vitorino receber o dito e declamar um poema ao Sócrates. O ponto alto da apresentação foi o valter declarar que desejava viver com o Lobo Antunes, coisa difícil de explicar a quem não assistiu a isto ao vivo. Auditório à cunha, excelente trabalho da editora Objectiva. É refrescante ver pessoas tão entusiasmadas com a literatura como o editor, já tinha ficado com essa impressão há uns meses atrás no lançamento do livro de Medina Carreira e Eduardo Dâmaso. Depois da apresentação fomos convidados a visitar a exposição de objectos vários – de cds a desenhos – intimamente ligados à história do livro e ao autor. A noite finalizou com uma visita à colecção do museu com o privilégio de uma pequena palestra do Anísio Franco aos Painéis de São Vicente.


Arquivado em:

afonso ferreira às 15:45 | link do post | comentar
|

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds