Domingo, 14 de Fevereiro de 2010

 

A noite de Verão era quente como recordo todas as noites da minha infância. A feira estava cheia de algodão doce cor-de-rosa, carrosséis e montanhas russas com gritos. A barraca do tiro ao alvo que tinha ursos de peluche como prémio. O comboio fantasma, as maças doces e as ciganas. E havia o gigante. Um cartaz pintado à mão anunciava-o como a grande estrela da noite. Havia filas e filas de pessoas para o ver, compro o bilhete, espero no meio da multidão. Finalmente entro na barraca de chão de terra batida nas minhas minúsculas sandálias de plástico. Está cheia, quente e mal iluminada, é preciso ser paciente. Um freak show não acontece todos os dias. Quando finalmente vejo o gigante, ele está sentado dentro de uma pequena casinha. Eu vejo um corpo descomunal, dez de mim, camisa branca, as mãos colossais cruzadas no colo e fico petrificado na desproporção daquele momento. As pessoas empurram-me, falam do gigante como se ele não ouvisse, metem a cabeça dentro da barraca para lhe ver a cara, apertam-lhe a mão, trinta e cinco centímetros de passoubem, e eu aterrorizado sem sair do mesmo sítio. E tenho tanta, tanta pena do gigante que me apetece chorar. Saio da feira com o coração anão. Nunca lhe vi a cara. 

 

 

 

Setembro de 1989 - A queda do gigante

 

Rui Ochôa, Jornal Expresso, 3 de Outubro de 2009

Chamava-se Gabriel Mondlane, media 2,65 metros, pesava mais de 180 quilos, e era considerado o homem mais alto do mundo, fazendo parte do Livro de Recordes do Guinness. O gigante de Moçambique, como era conhecido, veio pela primeira vez a Portugal em 1969, causando grande alvoroço e curiosidade: em circos ou eventos privados, Gabriel era exibido pelo país como coisa rara e insólita, tendo viajado por todo o mundo. Regressou a Moçambique após a independência da antiga colónia. Por cá, as coisas não lhe correram de feição e rareavam os espectáculos. Casou-se e teve três filhos, vivendo do que lhe dava o restaurante que criara com o dinheiro (pouco) ganho com as exibições. Voltou uma segunda vez a Portugal, em 1979, mas o infortúnio perseguia-o: no Coliseu de Lisboa deu uma queda ao tentar subir as escadas, o que lhe provocou danos graves numa perna e a necessidade de um implante que foi fazer na África do Sul. Regressou pela última vez a Lisboa em Setembro de 1989, alvo da mesma curiosidade de sempre e vítima dos mesmos interesses que o faziam deslocar-se penosamente pelo mundo. Uma nova queda, em Janeiro de 1990, no quintal da sua casa em Mandlakazi, a sua terra natal, foi-lhe fatal: fez um grave traumatismo craniano, do qual não recuperou, e morreu no Hospital de Maputo com apenas 45 anos.

 

 

Fotografia retirada do Estado Sentido.



afonso ferreira às 12:57 | link do post | comentar
|

2 comentários:
De isabela a 14 de Fevereiro de 2010 às 15:01
nunca vi o gigante manjacaze. sempre achei que era um homem muito triste.


De afonso ferreira a 14 de Fevereiro de 2010 às 15:54
eu só vi as suas mãos. o que é muito triste também.


Comentar post

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Artigos recentes

the end

Sleepless people

provérbio transmontano

cry me a river

Falta de rigor

obrigado

prémios literários

meia-noite

battle

status

Día domingo

imaginação

virtudes públicas, vícios...

fios

Estudos de um processo

constatação de sábado

A história de uma tragédi...

Dias felizes

A Alice é psicótica

debandada

Arquivo

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Arquivado em

a minha língua é a pátria portuguesa

cartas

casamento gay

coisas extraordinárias do gabinete

conversas de caserna

corrupção

dias felizes

domingo

domingos

estudos

ghost writer

gira-discos

grandes crimes sem consequência

literatura

mercados

mundo virtual

outras cidades

paixonite

pequenas ficções sem consequência

perdido no arquivo

playlist

relvasgate

sonhos

suicídio público

taxistas

telenovela

um homem na megalópole

vendeta

viagens

todas as tags

links
Twitter
subscrever feeds